Publicidade:

Qual a melhor forma de pagar as compras no estrangeiro

Vai viajar e não sabe qual a melhor forma de pagar as compras no estrangeiro? Conheça todas as opções e quais as que têm mais vantagens.

Qual a melhor forma de pagar as compras no estrangeiro
Cartão de débito e dinheiro são as opções mais vantajosas

De férias ou a trabalho, qualquer viagem para fora do país pressupõe gastos e compras. Se tem viagem marcada e tem dúvidas sobre a melhor forma de pagar compras no estrangeiro este artigo pode esclarecê-lo.

O destino para onde vai viajar pode condicionar o tipo de dinheiro que usará. Por exemplo, há opções que são melhores para dentro da Zona Euro do que para outro país, como Estados Unidos ou África do Sul. Em qualquer circunstância, tem de estar preparado para pagar taxas e comissões, assim como para correr alguns riscos.

Ao usar dinheiro de plástico (cartões) corre risco de fraudes e phishing para transações usando os seus dados. Já com dinheiro vivo há o risco de poder ser assaltado ou perder dinheiro. Não há soluções perfeitas mas, para o ajudar a tomar uma decisão mais informada, listamos todas as opções que tem à disposição e quais as vantagens e desvantagens de cada uma delas.

A melhor forma de pagar as compras no estrangeiro por destino

melhor-forma-de-pagar-compras-no-estrangeiro

Dentro da Zona Euro

Se viaja para um país da Zona Euro (incluindo Suécia e Roménia) pode usar os cartões de débito ou crédito de forma gratuita, tal como o faz em Portugal. A moeda é a mesma em todos os países deste espaço económico, logo, não se coloca a questão das taxas de câmbio.

Na restante União Europeia

A melhor forma de pagar as compras no estrangeiro se viajar para um país europeu que não use o euro como moeda, é usando apenas o cartão de débito. As comissões dos pagamentos com cartão de débito são inferiores às dos levantamentos, de pagamentos a crédito ou de levantamentos ao balcão dos bancos.

Usar dinheiro cambiado previamente também pode ser uma boa opção, mas depende de qual o valor do câmbio. Tem de ter noção de que perde sempre dinheiro quando faz câmbio de euros para outra moeda.

Para outros países

Se viajar para outro continente, evite ao máximo levantar dinheiro porque as comissões são altas e estão sujeitas a uma taxa fixa, à qual acresce uma comissão variável e o imposto de selo. O ideal será levar algum dinheiro consigo, na moeda do país de destino, para evitar estes custos.

Vantagens e desvantagens dos diferentes métodos

Para além do destino, para decidir qual a melhor forma de pagar as compras no estrangeiro precisa de saber quais as opções que tem e os seus prós e contras.

Dinheiro de plástico (cartões)

Os cartões bancários são cómodos e, regra geral, aceites em todo o mundo, daí serem considerados a melhor forma de pagar as compras no estrangeiro para a maioria dos viajantes. No entanto, é certo que terá de pagar sempre as comissões de serviço dos bancos e, no caso de países fora da Zona Euro, há comissões adicionais.

Por exemplo, para levantar dinheiro com cartão de débito no estrangeiro paga ao banco: uma comissão fixa, uma comissão variável, uma comissão de serviço de moeda estrangeira e uma comissão de processamento de transação internacional. Ou seja, se levantar o equivalente a 100€ no final vai estar a usufruir de apenas 90€, aproximadamente.

O uso do cartão de crédito também acarreta despesas extra, seja para fazer pagamentos ou levantamentos. Nas duas situações existem comissões associadas ao processamento da operação e à conversão de moeda. Levantar dinheiro com cartão de crédito (cash advance) é, aliás, um erro. Terá de pagar uma comissão de processamento internacional, uma taxa de conversão, uma comissão de levantamento a crédito e ainda, em alguns casos, uma comissão de serviço interbancário.

Dicas:

  • Nunca levante dinheiro com o cartão de crédito;
  • Minimize os levantamento com cartão de débito levantando mais de cada vez;
  • Pague compras em lojas com os cartões e use dinheiro apenas para pequenas coisas.

Dinheiro vivo

Usar dinheiro vivo na moeda local poderá ser outra opção. Afinal, vai sempre precisar de uns trocos para o táxi, beber um café ou comprar um produto de artesanato no mercado local. Lembre-se que sempre que troca a moeda de um país pela de outra vai perder dinheiro na transação, uma vez que terá que pagar a taxa de câmbio, que é flutuante, e comissões aos bancos ou casa de câmbio.

Levar dinheiro para uma viagem tem a desvantagem de ser uma opção menos segura ou, pelo menos, mais propícia ao risco de roubo, mas dá-lhe oportunidade de interagir mais com os locais.

Dicas:

  • Troque dinheiro no seu banco ou nas casa de câmbio do aeroporto para ser mais seguro;
  • Tente andar com pouco dinheiro na carteira: divida pequenas porções por diferentes bolsos e malas;
  • Leve alguns dólares norte-americanos que são aceites em praticamente todos os países.

Cheques de viagem

Os cheques de viagem são a melhor forma de pagar as compras no estrangeiro para quem tem medo de andar com dinheiro. Assim que levanta os cheques na moeda do país de destino, o titular assina-os ainda no balcão do banco. Quando os utiliza volta a assinar nas costas dos cheques, confirmando a sua identidade com um documento com fotografia.

Apesar de mais seguros em relação ao dinheiro, os cheques de viagem não são tão cómodos como os cartões e podem ficar caros, daí que estejam em desuso. É que, para além de ter que comprar os cheques, ainda terá de pagar comissões nos países onde os usar.

Dicas:

  • Aponte os números de série num local seguro e separado da carteira;
  • Em caso de furto ou de perda dos cheques o reembolso é possível, normalmente no prazo de 24 horas;
  • Certifique-se que pode usar os cheques de viagem no estabelecimento comercial onde vai. Geralmente só funcionam em grandes cadeias de lojas e hotéis.

Planeamento

melhor-forma-de-pagar-compras-no-estrangeiro

Tal como pesquisou o voo mais vantajoso, escolheu o hotel em que vai ficar e listou as atividades que vai fazer durante a sua viagem, é essencial planear qual o método de pagamento que lhe será mais conveniente. O ideal é tentar calcular as despesas que vai ter e optar por uma solução mista: cartão de débito e dinheiro.

É sempre importante levar uma pequena quantia em dinheiro para táxi, comida de rua, gorjetas, souvenirs de última hora. Se tiver que cambiar dinheiro e a moeda do país de destino for rara, não se esqueça de fazer o pedido para a compra de divisas com antecedência para não ficar “descalço”.

Para gastos maiores, como compras em lojas, restaurantes, entradas em museus, hotel ou outros locais idóneos, use o cartão. Antes de partir contacte o seu banco para saber se os seus cartões são aceites no país de destino. Alguns países podem apenas aceitar VISA, por exemplo. Informe-se também sobre o valor das taxas. Se tiver mais do que um cartão opte pelo que cobrar menos. Fique com o contacto do seu banco caso precise de cancelar algum cartão por motivo de fraude ou roubo.

Veja também:

Alexandra Nunes Alexandra Nunes

Alexandra Nunes é jornalista com experiência em imprensa e rádio. Depois de quase uma década a trabalhar na Rádio TSF partiu rumo ao Médio Oriente. A sede de conhecer novos mundos levou-a até ao Dubai, onde vive atualmente. Por lá, tem-se dedicado a explorar novas áreas da Comunicação e escreveu a biografia “Uma Mulher no Topo do Mundo” sobre a primeira portuguesa a chegar ao topo do Monte Evereste. É apaixonada por viagens, pessoas e as suas estórias.