Publicidade:

Melhores destinos de mergulho do mundo: 10 lugares mágicos

É fã de mergulho ou quer iniciar-se nesta atividade emocionante? Veja a nossa lista com 10 dos melhores destinos de mergulho do mundo e toca a vestir o fato.

Melhores destinos de mergulho do mundo: 10 lugares mágicos
Descubra autênticos paraísos debaixo de água

Quando questionados sobre os melhores destinos de mergulho do mundo, os apaixonados desta atividade consideram uma série de critérios. Na nossa pesquisa e seleção, procuramos seguir alguns deles para conseguir apresentar uma lista devidamente fundamentada, que agradasse a todos os amantes dos oceanos.

Beleza, riqueza aquática, visibilidade e satisfação total com a experiência, eis alguns dos fatores que tivemos em conta na escolha dos 10 melhores destinos de mergulho do mundo. Esperamos que goste e que se divirta a descobrir estas maravilhas subaquáticas.

Conheça 10 dos melhores destinos de mergulho do mundo


1. Barracuda Point, Ilha Sipadan, Malásia

Cardume de barracudas, Barracuda Point, Malásia

É difícil encontrar uma qualquer lista ou seleção de melhores destinos de mergulho do mundo que não inclua o Barracuda Point. E quem diz que este local de águas cristalinas é maravilhoso são os mergulhadores mais experientes e viajados. Fica na ilha de Sipadan, na Malásia, um país com imensos locais perfeitos para mergulhar.

O nome deste spot, situado na Costa Este de Sabah, o segundo maior estado malaio, vem da quantidade e do tamanho impressionante dos barracudas que aqui podem ser avistados. Tartarugas, tubarões – incluindo os surpreendentes tubarões-martelo, peixes coloridos variados e corais em estado intocável, fazem igualmente parte do cardápio.

Tome nota: atualmente, esta é uma zona da Malásia politicamente instável, com relatos de raptos e ataques. Antes de viajar, informe-se junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros sobre as condições de segurança.

2. Ilha Magnetic, Austrália

Trata-se de uma ilha de 52km2, situada mesmo em frente a Townsville, ao largo da costa de Queensland, na Austrália. A ilha Magnetic disponibiliza uma oferta abrangente de atividades e opções para quem pratica mergulho, mas a principal mais-valia é que o acesso aos locais mais interessantes é feito a partir de praias suaves e abrigadas.

Recheada de uma fantástica e variada vida marítima, durante a prática de mergulho na Ilha Magnetic poderá ver jamantas, polvos, serpentes marinhas, tartarugas, tubarões-touro, tubarões-tigre, milhares de outros peixes e ainda corais fabulosos. Com águas translúcidas que asseguram uma inacreditável visibilidade e que variam entre os 23ºC e os 28ºC, este destino de mergulho é, inquestionavelmente, um dos melhores do mundo.

Dica: um dos principais atrativos é o famoso navio S.S. Yongala, que naufragou durante um ciclone em 1911. Protegido pela Convenção da UNESCO para a Proteção do Património Cultural Subaquático, o navio de 109 metros assegura agora um ambiente protegido a uma extensa e impressionante variedade de espécies.

3. GREAT BLUE HOLE, BELIZE

Blue Hole, Belize

Belize detém o segundo maior recife do mundo, a seguir à Grande Barreira de Coral, na Austrália. Esta é uma excelente localização para mergulhar, devido à intensa vida marinha e à incrível visibilidade permitida pelas águas rasas. De destacar Ambergris Caye, a maior ilha de Belize, onde o mar se agita com a esplendorosa atividade das raias e dos tubarões-martelo.

Uma vez aqui poderá mergulhar no famoso “Blue hole”: um círculo perfeito com cerca de 2 km de diâmetro e 145 m de profundidade, que proporciona uma experiência verdadeiramente inesquecível. A partir das águas tépidas de um colorido recife de corais, irá descer por um buraco azul e frio, no qual se sente a transição da água salgada para a água doce mais ou menos aos 15 m de profundidade; se descer mais 25 m, poderá ainda explorar estalagmites e estalactites em cavernas milenares.

Curiosidade: o “Blue Hole” assegura 30m de visibilidade e é habitado por tubarões.

4. RANGIROA, POLINÉSIA FRANCESA

Rangiroa, cujo nome significa “céu extenso”, é o segundo maior atol do mundo e situa-se na Polinésia Francesa. À superfície das águas este é um dos locais mais tranquilos e descontraídos de sempre, mas se submergirmos a experiência torna-se bastante mais intensa.

Os seus dois canais, Tiputa e Avatoru, possibilitam a entrada e a saída do Oceano Pacífico na lagoa, duas vezes por dia, durante a mudança da maré. Se tivermos coragem e experiência para acompanhar estes movimentos da água e nos deixarmos ser levados por eles, podemos usufruir de um mergulho recheado de adrenalina, na companhia de grandes tubarões-martelo, golfinhos, tubarões cinzentos, mantas, etc.

Dica: este mergulho, a cerca de 45m de profundidade, deve ser feito acompanhando sempre as correntes de entrada, para que os mergulhadores não sejam arrastados para alto mar.

5. Ilha do Coco, Costa Rica

Tubarão-martelo, Costa Rica

Esta pequena ilha, com cerca de 24 km2 de comprimento, apresenta uma impressionante biodiversidade, sendo a única do Oceano Pacífico com uma floresta tropical. Uma vez que a Ilha do Coco, dona de uma beleza impressionante, é também um parque natural e uma reserva marítima devidamente protegida, não é possível pernoitar aí; assim, os mergulhadores têm de efetuar as suas visitas através de safaris organizados ou em barcos nos quais têm de passar a noite.

As águas que rodeiam a ilha estão infestadas de tubarões-martelo e tubarões de ponta branca, sendo que, sobretudo durante a noite, pode assistir-se a verdadeiros frenesins por parte destes animais, enquanto tentam alimentar-se. A Ilha do Coco é ainda um dos melhores destinos de mergulho do mundo para quem quer ver animais da zona pelágica (longe da costa), como atuns, raias, golfinhos e, claro, tubarões. Isto, sem falar de mais várias espécies de peixes endémicas.

Curiosidade: conta-se que foi a Ilha do Coco, com a sua beleza categórica, que inspirou a saga “Parque Jurássico”.

6. ATÓIS DE BAA, NORTH MALÉ E SOUTH ARI, MALDIVAS

Maldivas, pequena república localizada no Oceano Índico,  é constituída por 1.196 ilhas, organizadas em 26 atóis. No que toca ao mergulho, as Maldivas fazem jus à sua fama de paraíso imbatível, sendo veneradas pelos praticantes e apaixonados da atividade. Aqui, em águas que rondam sempre os 28ºC e cuja visibilidade varia entre os 30 e os 10 metros, tanto poderá optar por fazer um mergulho tranquilo em torno dos corais, como um mergulho profundo até ao limite do recife.

Os atóis de North Malé e South Ari asseguram excelentes mergulhos ao longo das suas paredes, com a colorida vida marítima junto dos recifes, bem como com a presença habitual de tubarões cinzentos, tartarugas, barracudas e vários outros peixes. Já no atol de Baa é possível visualizar enormes agregações de mantas, tubarões-baleia, tartarugas verdes e moreias.

Dica: cerca de 90% da atividade de mergulho nas Maldivas é feita sob o efeito da corrente; assim, para aproveitar em pleno esta experiência, prepare-se antecipadamente, praticando essa especialidade.

7. Sodwana Bay, África do Sul

Baía de Sodwana, África do Sul

Não é dos destinos mais imediatos quando se fala em melhores destinos de mergulho do mundo, mas pode crer que Sodwana Bay é um lugar inesquecível. Fica junto à fronteira com Moçambique e as temperaturas destas águas, no Índico, são mais altas do que noutro locais (como por exemplo junto à Cidade do Cabo, onde não muito longe poderá ver de perto, protegido numa jaula, os temíveis tubarões brancos).

Em Sodwana Bay, as tartarugas são o maior cartão de visita, mas há outras espécies que deixam os mergulhadores maravilhados, nomeadamente os corais tropicais “mais a sul do planeta”; os celacantos, conhecidos como “fósseis vivos”; as baleias-corcundas ou os mais pequenos mas amorosos cavalos-marinhos.

Curiosidade: Sodwana Bay fica na província de KwaZulu-Natal, onde a tribo Zulu é predominante; a região oferece ainda outros tesouros naturais como praias e lagos e uma experiência cultural única.

8. Manta Ray – Mergulho Noturno, Kailua, Havai

O património natural do arquipélago do Havai é carismático e de uma riqueza admirável. Tanto à superfície – onde não é alheio o potencial das suas terras vulcânicas – como debaixo de água, há toda uma biodiversidade a descobrir.

Para os amantes do mergulho, a ilha Kailua é um destino havaiano a ter em conta. O destaque vai para as mantas gigantes, que durante a noite oferecem verdadeiros espetáculos de ballet, com movimentos graciosos impressionantes para animais que têm mais de 2 metros de largura e podem pesar mais de uma tonelada.

Para além das mantas amistosas, neste mergulho vai poder encontrar-se com outras espécies de hábitos noturnos como moreias e alguns tubarões. Para garantir o sucesso dos mergulhos, no fundo deste local foram colocadas luzes. Estas atraem o plâncton, que por sua vez atrai as mantas.

Dica: entre abril e outubro é a época ideal para fazer mergulho no Havai.

9. Richelieu Rock, Tailândia

Peixe exótico em Richelieu Rock, TailândiaFonte: Commons/Tim Sheerman-Chase

Mudando de continente, damos agora um salto à Tailândia, a um dos melhores spots asiáticos para mergulhar. Falamos de Richelieu Rock e para lá chegar, poderá alugar um barco a partir de Phuket, com condições de alojamento – o chamado ‘liveaboard‘ – ou então ficar alojado na ilha de Koh Phra Thong.

Tubarões-baleia, peixes-palhaço-tomate e cavalos-marinhos são algumas das espécies com que poderá contactar neste ecossistema submarino que se desenvolveu à volta de uma enorme rocha, cuja ponta é visível na maré baixa. Devido à dimensão e à riqueza da área, planeie fazer pelo menos dois mergulhos.

Curiosidade: Richelieu Rock foi descoberto por Jacques Cousteau, com a ajuda de pescadores locais, em 1989. Há quem diga que o nome advém da cor vermelha dos corais que aqui podem ser apreciados e da associação às vestes do famoso Cardeal Richelieu.

10. Museu Atlântico, Lanzarote, Espanha

Terminamos esta lista com um local algo improvável: um museu debaixo de água. Ou seja, neste lugar bastante original para se fazer mergulho, para além das espécies marinhas, podem ser apreciadas obras de arte. Sim, não são navios encalhados ou outros vestígios de naufrágios, mas esculturas de Jason deCaires Taylor.

Falamos do Museu Atlântico que abriu recentemente em Lanzarote, nas Canárias. Está instalado a 12 metros de profundidade, na Baía de Las Coloradas. O que levou à sua criação foram os valores da ecologia e a necessidade de alertar e sensibilizar a população local e os visitantes para a proteção dos oceanos, sendo o primeiro museu subaquático da Europa.

Se nunca mergulhou, não se preocupe: pode fazer um curso básico de uma ou duas manhãs nas escolas acreditadas e mergulhar depois no horário destinado aos iniciantes.

Curiosidade:  as mais de 300 esculturas foram concebidas em betão com ph neutro para poderem conviver em harmonia com as espécies marinhas, ajudando à sua manutenção e reprodução.

Veja também: