Publicidade:

5 motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco

Conheça alguns dos principais motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco e descubra algumas estratégias para contorná-los.

5 motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco
Saiba como contornar os “nãos”

Pedir crédito aos bancos é um trabalho complicado e com muitos “nãos” à mistura. Mas quais são os motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco? Na verdade, podem ser muitos – mas vamos deixar aqui algumas ideias.

Em primeiro lugar, há que entender a mecânica de funcionamento dos pedidos de crédito. Para o banco, os créditos são um negócio e, como tal, nunca aceitarão ficar a perder. A concessão de um empréstimo é, no fundo, a assunção de um risco – quanto mais elevado for, maior tem de ser a recompensa.

É um pouco como os investimentos que nós próprios fazemos: quando deposita dinheiro numa conta poupança, os juros que recebe são sempre mais baixos do que os que lhe são oferecidos por um investimento na bolsa. O motivo é o mesmo: quando o risco de perder o dinheiro que investiu baixa, os juros acompanham.

Voltemos aos créditos, então. Para os bancos, emprestar-lhe dinheiro é assumir um risco em troca de uma recompensa financeira. Esse risco é a probabilidade de não devolver o dinheiro que está a pedir – se essa probabilidade for relevante, os juros (e, consequentemente, o custo do crédito) vão subir proporcionalmente. O risco é auferido através de uma avaliação prévia do seu pedido de crédito por uma equipa de profissionais.

Quando, mediante a avaliação do crédito, o banco percebe que o risco é muito grande e não compensa, o empréstimo é-lhe recusado. Entende-se, assim, que os motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco são basicamente todos os que fizerem aumentar o risco do negócio.

Porque pode ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco?


motivos para ver o seu pedido de crédito recusado

1. Ser comprovadamente mau pagador

Podem até ser concorrentes, mas os bancos fazem circular entre eles a informação que mais lhes interessa, como o seu historial de pagamentos. Quando pede um empréstimo, o banco não só vai avaliar a sua capacidade de pagar o que está a pedir como ainda vai consultar o seu historial: se já tiver registo, nesse ou noutro banco, de falhar o pagamento de prestações, pode ter a certeza que vai ser penalizado por isso.

Outro dos motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco é estar na lista negra do Banco de Portugal. Para o seu nome entrar para este registo infame, tem de ter um historial mesmo mau no que diz respeito a empréstimos: ou falha recorrentemente o pagamento das prestações, ou já pediu insolvência pessoal. Se está nesta situação, pode contar com um redondíssimo “não” da parte do banco.

Ainda assim, pode mostrar ao banco que o passado ficou lá atrás e que agora é um cliente responsável e esforçado. Para isso, ofereça mais garantias: uma hipoteca, um fiador, uma entrada maior… Qualquer coisa que diga ao banco que, se falhar as prestações, há sempre onde ir buscar o dinheiro em falta.

2. Mau Loan-to-Value

Um dos motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco pode ser um Loan-to-Value de risco elevado. O Loan-to-Value (LTV) é o quociente entre o valor do empréstimo e o valor de avaliação do bem que está a comprar e aufere o risco de falha no pagamento.

Particularmente popular nos créditos habitação, o LTV diz ao banco, no fundo, que diferença existe entre o valor do crédito e o valor da casa que vai comprar com ele. Por exemplo, se pedir um crédito de 150 mil euros para comprar uma casa avaliada em 120 mil, o risco de incumprimento é considerado elevado – porque, se deixar de pagar, o banco pode não conseguir recuperar o dinheiro que lhe emprestou, mesmo que lhe penhore o imóvel.

Contornar um mau Loan-to-Value não é difícil se tiver outras garantias para dar ao banco sob a forma de hipoteca. Se tiver outro imóvel, por exemplo, consegue fazer o LTV perder importância e ultrapassar a resistência do banco.

3. Instabilidade profissional

Este é um dos motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco e é dos mais injustos nos tempos que correm: um contrato profissional instável pode fazer toda a diferença entre um crédito aprovado e um crédito reprovado.

Para avaliar a estabilidade da sua situação profissional o banco considera vários fatores: se o seu contrato é a termo certo ou incerto; qual é a sua antiguidade na empresa na qual trabalha atualmente; há quantos anos exerce atividade profissional e, claro, que tipo de contrato tem (se trabalha a recibos verdes, por exemplo, vai ser muito difícil conseguir o empréstimo).

Para tranquilizar o banco neste tema, tem duas hipóteses: ou arranja um bom fiador que o substitua em caso de falha no pagamento das prestações, ou pede o crédito em conjunto com alguém que tenha uma situação profissional melhor do que a sua (muito comum em casais).

4. A idade

É certo que não controla o passar do tempo, mas a idade é um dos mais frequentes motivos para ver o seu pedido de crédito recusado pelo banco. A explicação não é difícil de entender: se for demasiado velho, não vai ter tempo para devolver tudo ao banco ainda em vida; se for demasiado jovem, ainda não tem a estabilidade profissional necessária para assumir um compromisso tão importante como um crédito.

Para a maioria dos bancos, um cliente é considerado demasiado jovem até aos 25 anos e demasiado velho a partir dos 45. Não quer dizer que o seu crédito seja terminantemente recusado por conta deste fator, mas pelo menos com um juro mais alto pode contar.

Dar a volta ao tema idade não é muito fácil. Claro que, se tiver menos de 25 anos, a solução mais fácil é esperar mais um pouco para repetir o pedido de empréstimo. Se tiver mais de 45, contudo, vai ser difícil de fugir pelo menos a um aumento substancial das taxas de juro e a um encurtamento radical dos prazos de pagamento – o que vai resultar em prestações muito pesadas para pagar todos os meses e pode levar a uma nova recusa do empréstimo, desta vez baseada no argumento de que a taxa de esforço é demasiado alta.

5. O número de titulares

Pedir um empréstimo em nome individual requer que o cliente seja praticamente perfeito aos olhos do banco: um contrato sem termo, um salário folgado, uma taxa de esforço mínima, a idade no ponto certo e um historial bancário imaculado.

Ora, como é praticamente impossível reunir todas estas condições em simultâneo, a melhor forma de evitar o “não” do banco é associar-se a alguém e pedir o crédito em conjunto.

Esta solução assenta melhor aos casais, que podem pedir o crédito em nome dos dois. Com dois titulares a assumirem o compromisso de pagar, o banco sente-se mais confortável do que a emprestar dinheiro a apenas um.

Como percebemos, os motivos para os bancos recusarem os créditos são vários e alguns são muito difíceis de contornar. Ainda assim, o nosso conselho é que procure várias instituições bancárias para conhecer as condições de cada uma e tente negociar – com certeza tem algumas características que compensam as falhas, por isso pode tentar chegar a uma solução de compromisso entre ambas as partes.

Veja também: