Publicidade:

5 mulheres inspiradoras que marcaram 2018

As mulheres que inspiraram em 2018 contribuíram para um futuro melhor, mais justo, mais verdadeiro, mais ético e mais humano. Fique a conhecê-las melhor.

5 mulheres inspiradoras que marcaram 2018
Figuras que suscitaram impacto e admiração

Apresentamos uma lista de 5 mulheres que inspiraram em 2018. São 5, mas poderiam ser muitas mais, pois felizmente são muitas as vozes femininas que se conseguem fazer ouvir não só pelo seu poder, como pela força das suas mensagens.

Os seus discursos e as suas ações visam a criação dum mundo mais próximo do que verdadeiramente pretendemos e, por isso, foram consideradas mulheres que inspiraram em 2018 e, certamente, continuarão a inspirar em 2019

5 mulheres que inspiraram em 2018: figuras que vale a pena conhecer


1. Michelle Obama

O Instituto Gallup publicou um estudo em que defendeu que Michelle Obama foi a mulher mais admirada do mundo pelos americanos em 2018, superando a feroz concorrência da ex-candidata à presidência dos Estados Unidos da América, Hillary Clinton (que venceu nos 17 estudos anteriores!).

O sucesso da sua autobiografia, Becoming, editada em 31 idiomas diferentes, terá contribuído para este resultado. Este livro foi o mais vendido do ano, ultrapassando os mais de dois milhões de cópias nos E.U.A. e no Canadá, em poucas semanas.

É já tida como futura candidata à Casa Branca e é, certamente, uma personalidade obrigatória para todos aqueles que pretendem criar uma lista de mulheres que inspiraram em 2018.

 

2. Emma Watson

A atriz britânica (mas nascida em Paris, no ano de 1990) ficou indelevelmente marcada pela personagem de Hermione Granger, da saga Harry Potter, obra escrita por R.K. Rowling. Watson sabe bem qual o seu lugar no mundo e como quer transformá-lo e, naturalmente, é uma das mulheres que inspiraram em 2018.

A sua voz é ouvida e o seu ativismo surge na defesa de diferentes causas, como a sustentabilidade ambiental ou a defesa da mulher e do feminismo. Tem apoiado, frequentemente, nas redes sociais movimentos como o Time’s Up:

“Obrigado a todos que fizeram parte do TIME’S UP no ano passado. Das minhas irmãs na indústria cinematográfica até os ativistas de todo o mundo que nos apoiaram. Eu inspirei-me tanto na forma como as pessoas se relacionam umas com as outras, compartilham experiências e conselhos e se organizam juntas como parte desse processo. A igualdade de género só se pode tornar uma realidade se aproveitarmos o poder transformador da solidariedade entre profissões e através das fronteiras. Ainda há um longo caminho a percorrer, mas as conquistas até agora fazem-me sentir otimista para um futuro mais justo. 2018 foi apenas o começo.”

Na 75ª Gala dos Globos de Ouro, Watson foi uma das atrizes que se vestiu de negro em solidariedade com o movimento #MeToo e solicitou a Marai Larasi para a acompanhar na cerimónia, sendo que Marai é uma das maiores figuras do feminismo negro na Grã-Bretanha.

 

3. Oprah Winfrey

A apresentadora de televisão conquistou os americanos e construiu um reino com inúmeros telespectadores, tão leais como súbditos. O seu carisma e o facto de subir a pulso levam-na a estar entre os americanos mais amados e influentes da atualidade, sendo vista como uma possível candidata à presidência dos Estados Unidos da América. Recebe regularmente nos seus programas as maiores estrelas do mundo e não tem medo de ser uma voz ativa defendendo os interesses dos americanos.

Na 75ª cerimónia de entrega dos Globos de Ouro, em 2018, houve uma atmosfera de protesto contra o assédio sexual, em que em solidariedade muitas mulheres foram vestidas de negro. Oprah, contudo, roubou todas as atenções assumindo o protagonismo naquele que foi o momento da noite e um dos melhores do ano ao realizar um discurso que arrasou, defendendo que a verdade (das vítimas) é a ferramenta mais poderosa e que é a hora da mudança: “Durante demasiado tempo, as mulheres não foram ouvidas e eram desacreditadas se ousassem dizer a verdade contra o poder desses homens, mas o tempo deles acabou”.

É muito merecida a sua integração na nossa lista de notáveis mulheres que inspiraram em 2018. Recordamos que por detrás de todo o poder e riqueza, a vida de Oprah revela momentos trágicos e dramáticos, sendo ela própria vítima de violação quando era ainda uma criança. Teve ainda outros episódios de abusos perpetrados por outros familiares e aos 14 anos engravida e tem um menino que acaba por falecer duas semanas após o parto.

 

4. Meghan Markle, Duchess of Sussex

Meghan Markle foi, certamente, uma das mulheres que mais se destacou no ano de 2018. Têm sido frequentes os momentos em que Meghan faz a defesa da mulher. Fez um discurso incrível e inspirador sobre o “empoderamento” das mulheres através da educação, defendo que esta é vital para o desenvolvimento económico e social.

Nas suas visitas aos mais variados países, deixa sempre uma marca que expressa a sua personalidade e o seu carácter como, por exemplo, numa visita à Nova Zelândia: “As conquistas das mulheres da Nova Zelândia que fizeram campanha pelo seu direito ao voto – e foram as primeiras do mundo a alcançá-lo – são universalmente admiradas.”

O casamento da ex-atriz que integrou o elenco da série Suits foi memorável. No dia 19 de maio, Meghan casou com o príncipe Harry em Windsor e o evento teve a atenção de milhões de pessoas. Foi, naturalmente, um dos momentos mais inesquecíveis do ano e mudou para sempre a vida de Meghan.

A sua mãe é uma afro-americana descendente de escravos da Geórgia, o que faz com que a tonalidade da sua pele seja ligeiramente mais escura, do que é habitualmente visto na família real britânica. Por isso, o convite ao reverendo Michael Bruce Curry para fazer a homília do casal foi compreensível. O reverendo teve a oportunidade de discursar no casamento real o que foi algo especial, pois aproveitou a ocasião para citar Martin Luther King (assassinado há mais de meio século): “Precisamos descobrir o poder do amor, o poder redentor do amor e, quando o fizermos, faremos deste velho mundo um novo mundo”.

Estando Meghan grávida, assistiremos em 2019 à história em processo de construção, pois fará com que, pela primeira vez, a realeza dê as boas vindas a uma criança com sangue africano. A cor da sua pele não é a única questão que demonstra a sua capacidade de romper com os estereótipos das relações da realeza. O facto de não ser britânica, mas sim uma americana nascida em Los Angeles, e, principalmente, por ser divorciada, intensificam ainda mais a capacidade de transformação de mentalidades e de costumes. Poderíamos fazer uma lista de mulheres que inspiraram em 2018 sem integrar Meghan Markle? Achamos que não.

 

5. Nádia Murad

Venceu o Prémio Nobel da Paz em 2018. Nádia Murad é uma voz transformadora. Depois da sua vida ter sido fortemente arrasada no verão de 2014, quando a sua aldeia foi atacada pelos soldados do Estado Islâmico (EI). Foram mortos seis irmãos de Murad, os seus pais, entre outros familiares e amigos, num total de 600 vítimas mortais.

Ela foi raptada e vendida como escrava sexual; foi espancada, torturada e violada (desde 2014, foram vítimas mais de 6000 mulheres yazidis ) e sentiu o seu corpo ser destruído pela maldade humana. Destruíram-lhe o corpo e os sonhos de criança; teve vários proprietários; foi vendida e revendida várias vezes e oferecida. Foi com a preciosa e oportuna ajuda de uma família muçulmana que conseguiu fugir.

Ao contar a sua dramática história, denunciou o genocídio perpetrado e planeado pelo EI sobre os yazidis. É, por isso, o rosto e a voz dos Yazidis. É, também, uma voz planetária na luta pelos direitos humanos. Por isso, foi nomeada embaixadora da Boa Vontade para a Dignidade dos Sobreviventes de Tráfico de Seres Humanos pela ONU.

 

Esperemos que tenha apreciado conhecer as razões que nos levaram a mencionar estas 5 mulheres que inspiraram em 2018 e, seguramente, continuarão a inspirar, produzindo um trabalho árduo, mas fundamental, na construção de um mundo melhor para todos nós.

Veja também: