Publicidade:

O negativismo é contagioso? Parece que sim!

Quando nos focamos em pensamentos negativos, começamos a experienciar sentimentos negativos. Mas será que o negativismo gera mais negativismo? Descubra!

O negativismo é contagioso? Parece que sim!
As emoções são contagiosas!

As atitudes e o humor são, sem dúvida, contagiantes, sobretudo quando estamos expostos a eles durante um longo período de tempo. Os grandes responsáveis são os neurónios-espelho (que ajudam os seres humanos a reconhecer as ações e emoções dos outros por meio de um processo de simulação), fundamentais para a empatia e para a capacidade de nos colocarmos no lugar dos outros. Apesar de esta capacidade ser muito positiva, também pode ter um impacto negativo, já que podemos facilmente espalhar o negativismo e contagiar todos os que estão ao nosso redor.

A maioria das pessoas reconhece que pode aprender muito sobre outra pessoa ao prestar atenção às suas reações emocionais: expressões faciais, gestos, tom de voz, ritmo de fala e outras dicas ajudam-nos a descobrir como é que alguém se está a sentir.

No entanto, enquanto estamos tão ocupados nos estados emocionais dos outros, geralmente, não prestamos a devida atenção às nossas próprias reações emocionais. E isto é importante porque as emoções são altamente contagiosas.

A tendência das pessoas para, inconsciente e automaticamente, imitarem as expressões emocionais dos outros e sentirem os mesmos sentimentos simplesmente pela exposição às emoções nas interações sociais tem sido bastante estudada e comprovada.

Esse processo em que uma pessoa ou um grupo influencia as emoções e o comportamento afetivo de outra pessoa ou grupo é chamado de contágio emocional.

Negativismo gera negativismo


negativismo gera negativismo

Apesar de não gostarmos de o admitir, a verdade é que as opiniões dos outros nos afetam, e condicionam e influenciam o nosso comportamento. As opiniões negativas têm um grande impacto e têm a capacidade de gerar mudanças de atitudes e pensamentos que anteriormente eram positivos.

Quando estabelecemos contacto cara a cara com alguém que manifesta opiniões e afetos negativos, temos tendência a extremar também o nosso negativismo.

Alguns estudos avançam que a tristeza é mais facilmente contagiante quando comparada à felicidade. Quanto mais amigos envoltos em tristeza e desespero tivermos à nossa volta, mais provável é que sintamos estas emoções negativas.

As relações de grande proximidade (casamentos, relações familiares, amizades próximas) são baseadas em emoções. Quando essas emoções são profundamente negativas (tristeza, medo, preocupação) podem ter um impacto profundo e duradouro no nosso humor.

Esta informação vai de encontro aos dados encontrados por inúmeros estudos: a depressão de um cônjuge, frequentemente, leva à depressão do parceiro; crianças criadas por pais deprimidos têm uma probabilidade significativamente maior de serem diagnosticadas com depressão. Outras emoções, como ansiedade e medo, podem também provocar um efeito semelhante.

Rodeie-se de pessoas que estimulam o melhor de si


Mesmo que não o desejemos, o humor das pessoas à nossa volta pode ter um grande impacto nas nossas emoções e atitudes. Por isso, é importante ter muito cuidado ao escolher quem deixamos entrar no nosso círculo íntimo.

Estar constantemente exposto a mau humor e negativismo traz consequências negativas. A boa notícia é que podemos e devemos agir de forma equilibrada, incentivando os outros a concentrarem-se no lado mais positivo da vida.

É verdade que as emoções positivas são muito menos contagiosas, mas ainda é o melhor presente que podemos oferecer a alguém que está a passar por um momento mais difícil.

Veja também:

Ana Graça Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Além da Psicologia. é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que traga mais felicidade!