Publicidade:

Notas falsas: como detectar e evitar prejuízos

As notas de euro são das mais seguras do mundo, mas pode acontecer acabar com notas falsas na carteira. Aprenda a detectar notas falsas e a evitar prejuízos.

Notas falsas: como detectar e evitar prejuízos
Se tiver notas contrafeitas não pode trocar por verdadeiras

No final do ano passado foram apreendidas quase 18 mil contas contrafeitas. Um número que aumenta constantemente. Se não quer ser burlado e perder dinheiro aprenda a detetar notas falsas para se precaver.

As notas de euro são das mais seguras no mundo porque têm elementos de segurança bastante sofisticados e que são com frequência melhorados. O número de notas falsas a circular é, por isso, muito pequeno. Ainda assim, sendo das mais usadas, as notas de euro são muito apetecíveis para os contrafatores.

A nota que é mais falsificada é a de 20€, mas qualquer uma pode ser falsificada. Para identificar notas falsas deve seguir três passos: tocar, observar e inclinar. Explicamos o que fazer em cada um.

Como detectar notas falsas

notas-falsas

Tocar

Alguns dos elementos de seguranças das notas de euros estão impressos em relevo e podem ser detetados com o toque. Ao tocar deve sentir:

  • As marcas táteis (riscas diagonais) nos extremos das laterais;
  • As iniciais do BCE (Banco Central Europeu) do lado esquerdo;
  • O pórtico ou janela desenhado na nota;
  • A denominação do valor da nota.

Observar

Basta olhar para a nota para conseguir identificar se algo está mal. Coloque a nota contra a luz e veja se tem:

  • Marcas de água (desenho esbatido, quase invisível);
  • O filete de segurança (barra vertical escura) deve ter o símbolo do euro e o valor da nota;
  • Janela com retrato (nas notas 20 e 50 euros da série Europa, as mais recentes);
  • Registo do valor e imagem na frente e verso (apenas nas notas da série 1, mais antigas).

Inclinar

Já reparou, com certeza, que as notas de euro têm todas os números numa cor brilhante. Não se trata de uma escolha estética. Este é um elemento de segurança a que deve estar atento. Verifique se as notas novas e mais antigas têm:

Série Europa

  • A banda holográfica (tira vertical brilhante) com retrato da figura mitológica grega Europa, uma janela ou pórtico e os algarismos com o valor da nota;
  • O número ao fundo do lado esquerdo cor esmeralda, deve ter um efeito luminoso de movimento para cima e para baixo. Dependendo do ângulo o número passa de verde-esmeralda a azul-escuro;
  • Nas notas de 20 e 50 euros, na banda holográfica, os números com o valor da nota devem ter na frente linhas multicolores em redor dos algarismos e, no verso, vários algarismos multicolores representativos do valor da nota.

Série 1

  • Nas notas de 5, 10 e 20 euros a banda holográfica tem um efeito das cores do arco-íris;
  • Nas notas de 50, 100, 200 e 500 euros há um elemento holográfico (o número com o valor da nota dentro de um círculo) que muda de cor com o movimento.

Se quiser usar formas mais apetrechadas de avaliar se tem ou não notas falsas pode também usar uma lupa ou até máquina de luz ultravioleta. O site do Banco de Portugal tem pequenos vídeos que mostram de forma clara como detetar notas falsas.

O que fazer com notas falsas

Se tiver o azar de lhe calharem notas falsas em alguma transação não vai poder trocá-las por notas verdadeiras. Ou seja, todo o valor que tiver em notas falsas é perdido. Se se aperceber que tem uma nota falsa, eis o que deve fazer:

  • Fique com os dados da pessoa que lhe passou a nota (nome, morada, contacto do comerciante ou particular);
  • Lembre-se das circunstâncias em que terá recebido essa nota;
  • Vá à Polícia, Banco de Portugal ou qualquer balcão bancário contar o que lhe aconteceu;
  • Em caso algum tente passar as notas falsas a outra pessoa porque isso é crime punível por lei.

 

Veja também:

Alexandra Nunes Alexandra Nunes

Alexandra Nunes é jornalista com experiência em imprensa e rádio. Depois de quase uma década a trabalhar na Rádio TSF partiu rumo ao Médio Oriente. A sede de conhecer novos mundos levou-a até ao Dubai, onde vive atualmente. Por lá, tem-se dedicado a explorar novas áreas da Comunicação e escreveu a biografia “Uma Mulher no Topo do Mundo” sobre a primeira portuguesa a chegar ao topo do Monte Evereste. É apaixonada por viagens, pessoas e as suas estórias.