Publicidade:

Como pagar crédito mais depressa: 6 estratégias

Pagar crédito mais depressa é um dos grandes objetivos de quem está preso a dívidas ao banco. Trazemos-lhe algumas dicas essenciais.

Como pagar crédito mais depressa: 6 estratégias
Não fique agarrado às dividas

Descobrir como pagar crédito mais depressa é, provavelmente, um dos sonhos de muitos portugueses que vivem “agarrados” a dívidas ao banco. Sobretudo quando as dívidas são de longo prazo, as mensalidades parecem nunca acabar.

Assumindo à partida que não tem capacidade financeira para ir ao banco com uma mala cheia de notas e acabar de vez com os pagamentos faseados, pensámos em algumas estratégias que podem ajudá-lo a encurtar os prazos de pagamento, pagar crédito mais depressa e libertar-se da pressão constante dos bancos.

6 estratégias para pagar crédito mais depressa


1. Faça amortizações

Este é um investimento imediato mas com muitas vantagens. Se tiver algum dinheiro de lado, invista-o no pagamento das dívidas que tem ao banco. Pode parecer injusto, porque vai perder as poupanças e entregá-las a quem já tanto lhe cobra só para pagar crédito mais depressa, mas pense que as amortizações também têm os seus benefícios.

Para começar, a amortização faz reduzir o valor que paga de juros, porque fica a dever menos ao banco e o spread e os juros são calculados em proporção do montante em dívida. Depois, pense em todos os serviços associados que subscreveu e que são influenciados pelo que deve: o seguro de vida, o seguro de crédito… Todas estas mensalidades descem se passar a dever menos ao banco.

Crédito para pagar dívidas: solução ou problema maior?

2. Faça pagamentos bimensais

Em vez de fazer os regulares pagamentos mensais, procure realizar esses pagamentos duas vezes por mês. Todavia, mais uma vez, antes de começar a fazer pagamentos bimestrais, saiba se sofrerá algum tipo de penalização por parte da entidade de crédito.

3. Tente reduzir o prazo

Informe-se junto da entidade financeira sobre qual a possibilidade de reduzir o prazo do empréstimo, ou seja, os anos que pagará o mesmo (estes prazos são cada vez maiores, especialmente no que concerne ao crédito à habitação) e livre-se mais cedo das dívidas ao banco.

4. Renegoceie as mensalidades e os prazos

O prazo de pagamento de um crédito é inversamente proporcional ao valor da mensalidade: quanto mais pagar por mês, menos mensalidades serão necessárias para devolver tudo ao banco.

Se tiver margem financeira para isso, renegoceie o valor das suas mensalidades e peça ao banco para pagar o crédito mais depressa. O valor mensal, esteja a contar, vai subir, mas o crédito acabará mais rápido e, no fim das contas, até vai pagar menos de juros, porque paga em menos prestações.

Como liquidar dívidas: 7 passos a seguir

5. Arranje rendimentos extra

Um emprego suplementar não precisa de ser diário. Se arranjar um trabalho adicional vai ganhar algum por mês e isso permite-lhe preparar futuras amortizações ou até aumentar as mensalidades para encurtar o prazo de pagamento – e todas estas possibilidades resultam na capacidade de pagar crédito mais depressa.

Esta estratégia vai, contudo, exigir muita dedicação, porque falamos de um esforço físico, mental e familiar mais acentuado e de longo prazo. Para manter a motivação vai ter de querer muito pagar o crédito mais depressa ao banco.

6. Venda o que não usa

Todos temos em casa monos que já não fazem falta. Ora, porque não tentar vendê-los? Se já não precisa deles, vai acabar por deitá-los fora, por isso mais vale vender – mesmo que por pouco dinheiro – do que não ganhar nada com eles.

Descubra aqui 13 sites para vender coisas usadas >>

Quem diz os monos de casa diz outro tipo de propriedades, como terrenos ou casas. Se tem uma casa ou terreno que não lhe faz falta, pondere vendê-lo para, com o dinheiro, pagar o crédito mais depressa. Perde a propriedade, é certo, mas também fica livre de dívidas e pode partir do zero para investimentos futuros.

Pagar crédito mais depressa não é fácil – porque assumimos que, se negociou determinadas condições com o banco na altura do contrato, é porque precisava mesmo que assim fosse -, mas também não é uma missão totalmente impossível.

O melhor conselho que podemos dar-lhe é que aproveite todo o dinheiro que tem e que procure obter rendimentos extra para ir amortizando a dívida.

Veja também: