Publicidade:

Quanto custa organizar um mundial de futebol: custos e benefícios

Já se questionou sobre quanto custa organizar um mundial de futebol? Considera que Portugal pode ter essa capacidade? Saiba mais.

Quanto custa organizar um mundial de futebol: custos e benefícios
Saiba se beneficia o país a longo prazo

O Mundial da Rússia 2018 já começou e, para além das conversas e críticas desportivas, existe sempre uma discussão sobre os custos e os benefícios da organização de um evento deste calibre. Já se questionou sobre quanto custa organizar um mundial de futebol? O que vai acontecer na Rússia nos meses e anos a seguir ao final da prova?

A verdade é que é muito difícil apontar um número exato para quantificar exatamente quanto custa organizar um mundial de futebol: é preciso ter em conta as infraestruturas já existentes no país que o vai acolher, o que é preciso renovar ou reconstruir, as próprias dimensões territoriais, a capacidade de acolher milhares e milhares de pessoas, para além das comitivas das seleções nacionais.

Como se sabe, a escolha da proposta vencedora é feita com pelo menos 8-10 anos de antecedência. A escolha da Rússia para 2018 e para o Qatar para 2022 já estão feita desde 2010. Será que Portugal teria capacidade para receber este evento, depois de já ter organizado o Euro? Existem opiniões variadas, mas recordamos-lhe que Portugal já apresentou uma candidatura com Espanha para o Mundial, nunca sozinho. E que a logística é bem mais complexa que a de uma Campeonato da Europa.

Quanto custa organizar um mundial de futebol?

Podemos olhar para exemplos anteriores para mostrar como é uma questão muito relativa e para refletir sobre os benefícios que trará para a nação anfitriã. Existe também uma questão cultural muito importante. Por exemplo, o Mundial de 2010 na África do Sul teve um significado tremendo, visto ter sido a primeira vez que a prova era organizada no continente africano.

Este fator contribuiu para um impacto económico bastante positivo. Foram criados quase 160 mil postos de trabalho (alguns permanentes, para além do evento), e criou-se um novo foco de atenção para os problemas económicos que a África do Sul tem.

O Mundial de 2014, organizado pelo Brasil, já ficou na história pelo impacto menos positivo. Foram direcionadas verbas para construções desnecessárias, o impacto ambiental foi tremendo e os lucros não foram os suficientes. O ambiente social vivido no Brasil aquando da preparação para o mundial foi bastante controverso. A população contestava a aplicação de fundos tão necessários para a população, em termos de segurança, educação e saúde.

O Brasil gastou cerca de 15 biliões de dólares a organizar o evento. O retorno ficou muito abaixo. Antes do Brasil e da África do Sul, o Mundial de 2006, que decorreu na Alemanha teve um custo de 430 milhões de euros (excluindo os custos de infraestruturas, que também não foram muito altos), e o país germânico lucrou muito, em termos de turismo, restauração e vendas de bilhetes e merchandising.

Quanto custa organizar um mundial de futebol? Vai tudo depender do poderio económico do país (ou países) organizadores e das infraestruturas que já existem. Isto é a base.

O que vai acontecer depois do Mundial da Rússia?

Os estádios novos vão ser entregues a clubes da segunda e terceira divisões russas, sendo que alguns vão ser reestruturados para ficarem com menos capacidade, depois do evento.

Apesar de ainda não existirem dados definitivos, é garantido que o orçamento original já foi ultrapassado, em muito. Resta saber se os benefícios recolhidos vão compensar.

Veja também:

Júlia Rocha Júlia Rocha

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, sempre se deu bem com os livros, teclados de computador e canetas. A importância da palavra escrita num mundo tecnológico, aliada à história, ao cinema, literatura e televisão, são os seus maiores campos de interesse.