Publicidade:

Saiba como funciona a recolha de medicamentos nas farmácias

Em Portugal, a farmácia é o único local disponível para entrega dos resíduos de medicamentos e suas embalagens. Entregue os medicamentos na farmácia!

Saiba como funciona a recolha de medicamentos nas farmácias
Importa sensibilizar para a entrega na farmácia de medicamentos usados

Temos assistido a uma crescente preocupação com o meio ambiente e com a identificação e extinção das fontes poluidoras, e os produtos farmacêuticos e a contaminação por eles causada não é exceção. Saiba qual é a forma mais correta de descartar resíduos de medicamentos e compreenda qual a importância da recolha de medicamentos nas farmácias.

O que acontece aos medicamentos após serem comprados?


os medicamentos podem ter vários destinos

Após serem comprados, os medicamentos podem ter vários destinos. A grande maioria dos medicamentos é consumida, outros são guardados, devolvidos ou descartados de alguma forma.

Naturalmente, o objetivo da compra de medicamentos é o seu consumo, no entanto, nem sempre tal acontece. Frequentemente, os medicamentos não são tomados de acordo com a prescrição médica, não sendo tomados até ao final.

Nem sempre os medicamentos são imediatamente descartados após perderem a sua utilidade imediata. É frequente a acumulação dos medicamentos em casa, sem que se dê conta da passagem do prazo de validade, tal como também é comum o armazenamento propositado, resultante de não saber como descartar o medicamento.

Uma investigação realizada nos Estados Unidos da América revelou quais os destinos mais comuns dos medicamentos fora de uso:

a) Guardar em casa (54,2%);

b) Despejar para a sanita (53,8%);

c) Enxaguar e despejar para o lavatório (35,2%);

d) Devolver nas farmácias (22,9%);

e) Devolver a uma entidade médica (14,0%);

f) Dar a familiares/amigos (11,0%).

Qual o impacto dos resíduos de medicamentos no ambiente e na saúde?


É cada vez mais importante tratar corretamente os resíduos perigosos, de forma a diminuir o seu impacto nos ecossistemas. Importa destacar os produtos farmacêuticos que, não sendo considerados resíduos perigosos pelos cidadãos comuns, tendem a ser depositados no lixo comum na maioria das vezes.

Esta situação constitui um problema ambiental bastante grave e a contaminação por fármacos e os seus efeitos nocivos na fauna e nos ecossistemas está bem documentada e comprovada em várias investigações já realizadas.

O impacto dos resíduos de medicamentos, que inclui quer medicamentos humanos, quer medicamentos veterinários, nem sempre foi tido em consideração. No entanto, atualmente é sabido que estes resíduos têm sido introduzidos no ambiente por diversas vias, sobretudo através da via aquática, através das águas residuais tratadas e não tratadas.

A introdução permanente e indiscriminada de resíduos de medicamentos no meio aquático é muito problemática e tem efeitos nocivos indetetáveis nos organismos aquáticos. Por exemplo, são vários os estudos que indicam que os predadores do topo de cadeia são os que mais sofrem com os efeitos dos fármacos nos oceanos. Tubarões e golfinhos estão na lista das espécies mais afetadas.

A lista dos fármacos detetados nas águas é extensa, no entanto, os mais comuns são os anticoncecionais e os antibióticos:

a) Os estrogénios presentes nos anticoncecionais femininos têm efeitos nefastos na função reprodutiva e no desenvolvimento dos organismos especialmente nos aquáticos;

b) A contaminação ambiental por antibióticos é responsável pelo aparecimento de bactérias multirresistentes. O tratamento de doentes infetados por estas bactérias torna-se muito difícil.

Em suma, tendo em conta que atualmente ainda não existe tecnologia de tratamento que permita remover estes compostos de forma eficiente da água e do solo é fundamental que os medicamentos não utilizados ou fora do prazo de validade sejam tratados como um resíduo especial, dado que podem poluir o meio ambiente de uma forma particularmente grave.

Entregue os seus medicamentos nas farmácias!


Entregue os seus medicamentos nas farmácias!

A presença de resíduos de medicamentos no ambiente e o perigo desta situação para o meio ambiente é inquestionável. O impacto da presença de resíduos de medicamentos no ambiente é enorme.

Os medicamentos fora do prazo de validade devem ser recolhidos seletivamente e tratados em estações de tratamento especiais. Esta recolha faz-se sob controlo farmacêutico. Já os medicamentos dentro do prazo de validade podem ser recolhidos e doados.

Apesar desta informação ser conhecida, um grande número de consumidores continua a colocar os medicamentos e as suas embalagens no caixote do lixo ou no fluxo da recolha seletiva. Esta situação mostra que é importante que existam mais campanhas de sensibilização para que a entrega de resíduos de medicamentos nas farmácias se torne prática comum e para que os medicamentos possam ser encaminhados para um destino final adequado.

Como funciona a recolha de medicamentos nas farmácias?

Faça uma inspeção aos medicamentos que tem em casa recolha os medicamentos que já não usa ou que estão fora de prazo e entregue-os na farmácia, onde vai encontrar contentores de recolha específicos.

Nestes contentores pode colocar blisters, frascos, ampolas, cartonagens vazias, folhetos informativos, bisnagas, outros acessórios de administração que fazem parte da mesma embalagem do medicamento (colheres; copos; conta gotas). Não deve colocar nestes contentores agulhas, seringas, termómetros, aparelhos elétricos ou eletrónicos, material cirúrgico e radiografias.

Depois de cheios, estes contentores são recolhidos e posteriormente são transportados para um centro de triagem onde os materiais são sujeitos a uma separação e classificação. Posteriormente são enviados a gestores de resíduos autorizados responsáveis pelo seu tratamento final.

Veja também:

Ana Graça Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Além da Psicologia. é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que traga mais felicidade!