Publicidade:

8 dados que deve remover do CV agora

Nem todas as informações têm lugar no currículo e, talvez, esteja em alguma delas a razão para não ser recrutado. Descubra o que remover do CV.

8 dados que deve remover do CV agora
Não envie o CV sem, antes, remover estas informações

Um dos principais erros cometidos quando construímos o nosso CV pela primeira vez é a colocação de informação em excesso, devido à vontade de transmitir uma imagem completa e rica de nós próprios. Mas, menos é mais – e, de facto, há informações a remover do CV.

A verdade é que o empregador não quer saber assim tanto sobre si quando faz a triagem curricular, mas apenas o suficiente para decidir se vale a pena “perder tempo” a entrevistá-lo.

8 informações que deve remover do CV


Fique então a saber que os empregadores detestam perder tempo com informação desnecessária; posto isto, dizemos-lhe o que pode remover do CV sem pestanejar.

remover do CV

1. Os prémios que ganhou

O CV não é a sua auto biografia, mas antes um documento com informação útil e relevante para a função a que está a candidatar-se. Se os prémios ou distinções que recebeu não estiverem minimamente relacionados com o trabalho a que se candidata, só estão no CV para empatar.

2. Informação detalhada sobre os seus passatempos

Inclua os interesses pessoais se achar que são uma mais valia para a sua marca profissional. E mesmo assim, evite detalhar informação sobre este tópico. Evite totalmente tópicos polémicos, como futebol, política ou religião.

Por exemplo, poderá sentir-se muito orgulhoso porque faz parte daquela associação anti-touradas, mas – além de isso não estar relacionado com o trabalho em si – pode ter o azar supremo de o seu novo empregador ser um apoiante fervoroso dessa atividade… Jogue pelo seguro!

3. Dados (demasiado) pessoais

Quantos empregadores já lhe responderam por correio postal? Zero, não é verdade? Então convença-se de que a morada, cada vez mais, é um elemento facultativo no seu CV. Para um cada vez maior número de empregadores, basta conhecer a localização do candidato e saber se este dispõe de transporte próprio.

O mesmo acontece com outras informações pessoais que são desnecessárias: número do cartão de cidadão, número da carta de condução, nacionalidade e, claro, estado civil.

4. Escrita na terceira pessoa

Este é um erro crasso, porque um empregador lê o CV partindo do princípio que foi redigido pela própria pessoa. Ler coisas como “Joaquim foi galardoado com o doutor honoris causa em 2015” vai soar demasiado pretensioso e pomposo, e vai transmitir uma ideia de si como sendo vaidoso.

5. O email do seu atual emprego como contacto

Aqui a melhor ideia é sempre usar um contacto pessoal. Por outro lado, tenha atenção ao seu endereço de email pessoal. Usar alcunhas, por exemplo, não vai criar uma boa imagem de si. Uma boa sugestão é criar um endereço no Gmail, apenas com o seu nome e sobrenome. Já está ocupado? Então, acrescente a sua área de trabalho.

6. Género

Na secção onde se coloca os dados de identificação, recomendamos que não coloque o sexo/género. Pelo nome e pela fotografia, já indica se é homem ou mulher – e, antes de mais, isso sequer deveria interessar ao recrutador.

7. Mentiras

Ser apanhado com uma mentira no seu CV não só irá impedi-lo de ingressar naquela empresa como, provavelmente – com algum azar à mistura -, poderá criar anticorpos em outras empresas do mesmo setor no mercado de trabalho. Mesmo que não seja descoberto durante o processo de recrutamento, é provável que venha a acontecer mais tarde. O mundo é mesmo uma ervilha!

8. Justificações acerca do fim dos contratos anteriores

No caso de uma experiência profissional ter terminado por insolvência da empresa, pode dar essa informação; mas este é caso único. Esqueça as justificações para o fim das suas experiências de trabalho, o empregador apenas quererá saber algo sobre essa matéria numa fase posterior do processo de seleção. Nada de explicar no CV que não lhe renovaram o contrato porque à terceira renovação ficaria efetivo.

Veja também:

Catarina Reis Catarina Reis

Consultora de carreira com mais de 10 anos de experiência, possui formação superior em Gestão de Recursos Humanos e Psicologia. É naturalmente curiosa, desenvolvendo múltiplos projetos paralelos que envolvem a Fotografia, a Música, o Marketing Digital e o Cinema.