Publicidade:

Carris abandonados no Douro. Aventure-se na Rota dos Túneis

Antigamente eram passagem diária de comboios rumo a Paris. Agora, os carris abandonados do Douro dão corpo à Rota dos Túneis. Aventure-se.

Carris abandonados no Douro. Aventure-se na Rota dos Túneis
Uma aventura radical. Foto: Francisco Pinto/DR

Caminhar ao longo de 17 quilómetros por túneis e pontes com mais de 30 metros de altura. Esta é a arrebatadora proposta da Rota dos Túneis, uma antiga linha de comboio e um extraordinário exemplo de engenharia, que ligava Porto a Paris e que está abandonada desde 1985.

A Rota dos Túneis localiza-se na Beira Alta, junto à fronteira espanhola, num percurso entre a estação portuguesa de Barca d’Alva até à estação espanhola de la Fregeneda. O percurso pode ser prolongado em território português, ao longo do Rio Douro até ao Pocinho, que é o ponto final da circulação ferroviária da linha do Douro.

A linha por onde passa a Rota dos Túneis foi construída em 1887 pelos discípulos de Gustave Eiffel e funcionou durante 98 anos. Entretanto, apesar de vetado ao abandono, o local tornou-se objeto de interesse por ser tão único e oferecer uma longa e emocionante caminhada, onde não faltam travessias às escuras e pontes cujo precário equilíbrio pode fazer vacilar até os mais valentes.

Todavia, no verão de 2018 algumas das partes de pontes mais inseguras foram reabilitadas, pelo que a travessia é, atualmente, muito mais segura.

Conheça o percurso da Rota dos Túneis


Rota dos Túneis

Foto: João Falcato/DR

Ao longo dos 17 quilómetros de trilho, realizado sempre pela linha férrea abandonada, irá passar por 8 pontes, 4 pontões e 20 túneis. Atente ao percurso completo.

Logo quando inicia o seu caminho pela Rota dos Túneis, encontra o primeiro obstáculo, dado que o acesso está travado por portões grandes em ferro. Terá que apelar à imaginação para se colocar a caminho. A primeira parte do troço é feita quase sempre às escuras, pelo que é fundamental ir munido de lanternas e de baterias extra. Pode ainda dar de caras com um ou outro morcego, mas não se assuste. As históricas maléficas sobre estes animais são manifestamente exageradas.

Lembre-se, também, de que vai caminhar por pontes que não oferecem qualquer segurança aparente. No entanto, as recentes reestruturações permitiram tornar tudo mais seguro, para que possa aventurar-se ainda que com algumas precauções, como caminhar pelo meio da própria linha do comboio. Já as zonas laterais podem oferecer alguns perigos. Convém ir com todo o cuidado.

Passo a passo pela Rota dos Túneis


Rota dos Túneis

Foto: João Falcato/DR

Atente às distâncias a percorrer por entre túneis e pontes, sendo que o restante percurso além deste é feito ao ar livre:

  • Túnel 1: 1,590km em La Fregeneda – Espanha;
  • Ponte de Pigallo, 4 metros;
  • Túnel 2: 32 metros;
  • Túnel 3: 400 metros;
  • Ponte 1: Ponte de Morgados, 100 metros de comprimento e 30 metros de altura;
  • Túnel 4: 100 metros;
  • Ponte 2: Poyo Rubio 130 metros de comprimento e 30 metros de altura;
  • Túnel 5: 20 metros;
  • Túnel 6: 400 metros;
  • Ponte 3: Ponte de la curva, 60 metros de comprimento e 20 metros de altura;
  • Túnel 7: 100 metros;
  • Túnel 8: 30 metros;
  • Túnel 9: 50 metros;
  • Túnel 10: 20 a 30 metros;
  • Ponte pequena: 3 a 4 metros, sem corrimão;
  • Túnel 11: 50 metros;
  • Túnel 12: 200 metros;
  • Ponte 4: Ponte de Arroyo del lugar, 250 metros de comprimento e 30 metros de altura;
  • Túnel 13: 200 metros;
  • Túnel 14: 100 metros;
  • Túnel 15: 50 metros;
  • Ponte 5: Ponte de los Poyos 200 metros;
  • Túnel 16: 400 metros;
  • Ponte 6: Ponte de los riscos, 100 metros de comprimento e 30 a 40 metros de altura;
  • Túnel 17: 300 metros;
  • Túnel 18: 40 metros;
  • Ponte 7: Ponte de las almas, 220 metros;
  • Túnel 19: 20 metros;
  • Túnel 20: 300 a 400 metros;
  • Ponte 8: Ponte internacional sobre o rio Águeda, entrada em Portugal;
  • Chegada a Barca d’Alva: Fim do trilho.

Como chegar à Rota dos Túneis


Rota dos Túneis

Foto: Francisco Pinto/DR

Se for de carro, tanto pode ir para Barca d’Alva, no concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, como para La Fregeneda em Espanha.

O acesso português é bastante fácil. Todavia o mesmo não acontece com o acesso espanhol. Nesse caso, deverá dirigir-se à atual estação de La Fregeneda, que fica a cerca de 4 quilómetros da povoação e a mais 3,5 quilómetros do ponto de partida da Rota dos Túneis. Qualquer local saberá informá-lo sobre o acesso, pois não existem, atualmente, quaisquer indicações.

No final da Rota dos Túneis, quando chegar a Barca d’Alva pode regressar de táxi ao ponto de partida, numa viagem que poderá rondar os 25  a 30€.

Dicas úteis para quem visita a Rota dos Túneis


Para que este percurso seja feito da forma mais tranquila possível, atente às dicas que temos para si:

  • Viajar numa altura de temperatura amena;
  • Comece o percurso bem cedo de manhã;
  • Levar água congelada, para ter sempre água fresca ao longo do percurso;
  • Levar grandes quantidades, já que não tem forma de reabastecer no meio do percurso;
  • Levar comida suficiente;
  • Levar lanternas e bateria extra;
  • Levar calçado adequado para trilhos;
  • Colocar protetor solar e levar chapéu;
  • Não fazer o trilho sozinho;
  • Levar máquina fotográfica para registar todos os momentos e bonitas paisagens;
  • Caminhar sempre pelo meio das linhas de caminho de ferro;
  • Ter especial cuidado a atravessar as pontas. Algumas podem ser contornadas;
  • Se sofrer de vertigens, não faça este percurso;
  • Não haverá rede móvel na maior parte do trilho.

É uma aventura inesquecível, que pressupõe alguns cuidados, mas que vale muito a pena. Se acha que se poderá perder, deve atentar ao lado direito dos túneis, pois encontram-se numerados e assim poderá saber sempre em que parte do percurso está.

Veja também: