Como reorganizar as finanças para pagar menos mensalidades e ter mais liquidez

O que ganha está muito ajustado aos gastos e tem pouca liquidez financeira. O que pode fazer? Saiba por onde começar a reorganizar as suas finanças.

Como reorganizar as finanças para pagar menos mensalidades e ter mais liquidez
Conheça as vantagens de juntar créditos

Uma das regras de ouro das finanças pessoais é, sem dúvida alguma, fazer uma boa gestão do orçamento de forma a que não seja apanhado de surpresa perante um qualquer imprevisto financeiro. Sabendo que o seu rendimento está à justa para as despesas domésticas, do dia-a-dia e despesas com créditos, não se acomode ou continue a pagar as contas de “olhos fechados”.

Propomos que tire umas horas, olhe para os seus ganhos e gastos mensais e se informe sobre as alternativas que estão ao seu dispor para reorganizar as suas finanças pessoais. Isto é, como ter mais liquidez no final do mês, continuando a receber o mesmo salário?

Feitas as contas aos créditos: revê-se em algum destes cenários?


1. O caso do João

O João é gestor comercial e tem um rendimento mensal familiar de 3.000€. Tem 40 anos, é casado e não tem filhos. Tem o sonho de investir no seu projeto pessoal de craft beer, mas não consegue poupar dinheiro suficiente para financiá-lo. Além disso, tem receio de não ter uma almofada financeira para um eventual imprevisto.

Tem um crédito habitação há quatro anos, mas, entretanto, acumulou outros créditos ao consumo – nomeadamente cartões de crédito, um crédito automóvel e um crédito pessoal para comprar eletrodomésticos. Traduzido em números, o João tem, além do crédito habitação, as seguintes despesas mensais com créditos:

Despesas com créditos  Por mês
Crédito automóvel 400€
Crédito ao consumo 200€
Cartão de crédito 150€
Total das mensalidades 750€

A partir do momento em que o João percebeu que grande parte do seu rendimento mensal era absorvido pelos créditos, decidiu reorganizar as suas finanças pessoais, tendo como objetivo reduzir consideravelmente estes gastos. Recorreu, por isso à consolidação.

Isto é, ao juntar os créditos ao consumo num único, o João passou a pagar uma única mensalidade, uma vez que passou a ter uma única entidade. Além desta prestação mensal ser inferior ao somatório de todas as prestações individuais (que pagava), poupou em comissões.

O que aconteceu na prática é que a instituição financeira à qual o João pediu um crédito consolidado pagou o valor em dívida às várias instituições onde este tinha os seus créditos, permitindo-lhe depois pagar este montante com uma mensalidade mais baixa, com prazo de pagamento mais alargado, poupando em comissões e com uma taxa de juro mais reduzida. Assim, ao contratar um crédito consolidado, o João passou a ter muito mais liquidez ao final do mês.

Simule e saiba quanto consegue reduzir o valor das mensalidades de crédito >

Como ficaram as despesas após a consolidação?

Tendo em consideração o perfil de créditos acima traçado, que correspondem a um montante total em dívida de 20.000€, o João contratou um  crédito consolidado na Cofidis . O resultado, para os mesmos 20.000€ e com um prazo de pagamento de 96 meses, é, agora, o seguinte:

Despesas anteriores com créditos Total mensal Despesas com créditos após a consolidação Total mensal
Crédito automóvel 400€ Crédito consolidado 314,99€
Crédito ao consumo 200€
Cartão de crédito 150€
Total das mensalidades 750€ Total da mensalidade 314,99€

Cofidis: TAEG 12,4% e TAN 10,65% e Montante Total Imputado ao Consumidor: 30.719,04€

Rapidamente se verifica que, face aos 750€ iniciais, há uma redução de 435,01€ por mês. Recorrendo à consolidação de créditos o João viu reduzido 58% do seu orçamento mensal com créditos (os referidos).

Faça uma simulação de crédito consolidado e conheça a redução no seu caso >

2. O caso da Maria

A Maria é professora, tem 42 anos de idade, é separada e tem uma filha de 17 anos. Tem um rendimento mensal familiar de 1300€ e agora que a filha vai entrar para a universidade precisa de pedir mais um crédito de 3.000€, a juntar a um crédito automóvel, crédito pessoal e cartão de crédito que já possuía.

No total, tem em dívida um montante de 15.000€, sendo que  paga mensalmente 337,49€ por mês em despesas com créditos. Se a Maria contrair mais um crédito com um montante de 3.000€ para pagar em 36 meses, vai ficar a pagar mais uma mensalidade de 89,14€. Este valor somado às outras mensalidades totalizaria 426,63€ de prestações de créditos por mês.

Ao recorrer ao crédito consolidado, a Maria pode solicitar este valor adicional para suportar as despesas de formação da filha e reduzir o valor que paga por mês de créditos. Com um crédito consolidado, poderia solicitar o montante de 18.000€ (num prazo de 96 meses) e uma única mensalidade, em vez de quatro prestações. Este cenário traduzir-se-ia nos seguintes números.

Despesas atuais com créditos Total mensal Despesas com créditos após a consolidação Total mensal
Crédito automóvel 187,50€ Crédito consolidado 293,19€
Crédito ao consumo 66,66€
Cartão de crédito 83,33€
Crédito formação 89,14€
Total das mensalidades 426,63€ Total da mensalidade 293,19€

Cofidis: TAEG 13,6%, TAN 11,60% e Montante Total Imputado ao Consumidor: 28.578,24€

Na prática, a Maria conseguiria reduzir 133,44€ do valor que pagaria mensalmente de prestações de crédito. Este é um valor de poupança bastante significativo tendo em consideração o rendimento e as despesas da Maria com mensalidades de crédito.

Faça uma simulação de crédito consolidado na Cofidis e saiba quanto ficaria a pagar por mês >

3. O caso do André

O André é técnico administrativo, tem 36 anos, vive em união de facto com Teresa e tem um filho. Tem um rendimento mensal familiar de 2400€.

Os dois querem comprar casa e precisam de um crédito à habitação, mas têm dificuldades de negociação devido à taxa de esforço e ao facto de terem outros créditos – um crédito automóvel, dois créditos ao consumo (casamento e eletrodomésticos) e cartão de crédito que totalizam um montante em dívida de 27.000€.

Poderiam ultrapassar este obstáculo, recorrendo ao crédito consolidado para o mesmo montante (num prazo de 84 meses) e nos seguintes termos:

Despesas atuais com créditos Total mensal Despesas com créditos após a consolidação Total mensal
Crédito automóvel 420€ Crédito consolidado 473,06€
Cartão de crédito 290€
Crédito eletrodomésticos 200€
Crédito casamento 170€
Total das mensalidades 1080€ Total da mensalidade 473,06€

Cofidis: TAEG 13,3%, TAN 11,30% e Montante Total Imputado ao Consumidor: 40.385,04€

Com os créditos atuais, a taxa de esforço do André é de 45%. Depois de recorrer à consolidação, a sua taxa de esforço passaria a ser de 19,7%, permitindo assim viabilizar o crédito habitação.

Antes de consolidar os créditos:

  • Rendimento mensal: 2.400€
  • Total das mensalidades: 1.080€
  • Taxa de esforço: 45%

Depois de consolidar os créditos:

  • Rendimento mensal: 2.400€
  • Total das mensalidades: 473,06€
  • Taxa de esforço: 19,7%

Revê-se em algum destes casos? Simule também o seu crédito consolidado na Cofidis e perceba qual o montante que pode poupar ao fim do mês para, assim, começar a reorganizar as suas finanças.

Veja também: