Publicidade:

7 segredos que os colaboradores da Ryanair não contam

Costuma aproveitar viagens pela companhia low cost? Além da recente crise, descubra aqui alguns segredos que os colaboradores da Ryanair não contam.

7 segredos que os colaboradores da Ryanair não contam
Factos sobre a transportadora low cost

A transportadora aérea irlandesa Ryanair é o centro de muitas conversas. Por um lado, pelos preços muito atrativos que pratica, e que dão origem a muitas viagens e memórias, e precisamente e por ter facilitado o transporte aéreo europeu. Mas por outro lado, existem críticas ferozes a determinadas políticas laborais. Conheça aqui alguns factos e segredos que os colaboradores da Ryanair não contam.

Reservas, viagens rápidas e baratas, cancelamentos e polémicas aparte, é sem dúvida verdade que o “conceito Ryanair” veio alterar a forma como voamos hoje em dia.

7 segredos que os colaboradores da Ryanair não contam


ryanairFonte: Pixabay/Pagarau

1. O nome original

A Ryanair foi fundada em 1984 com o nome de Darren Enterprises. No ano seguinte, o nome foi encurtado e alterado para o que conhecemos hoje em dia, com um voo entre Waterford, no sul da Irlanda, e o aeroporto de Gatwick, em Londres. O objetivo era alterar o monopólio de voos entre a Irlanda e a capital britânica, detido pela British Airways e a Aer Lingus.

2. Não aos sindicatos

A Ryanair só começou a reconhecer e a negociar com sindicatos no início deste ano (nomeadamente com o BALPA, o sindicato de pilotos da empresa a operar no Reino Unido). Antes disso, a companhia aérea irlandesa recusava reconhecer a existência de uniões sindicais. Este talvez não seja um dos maiores segredos que os colaboradores da Ryanair não contam, mas que é importante saber.

3. Escolher lugares

Se por acaso, ao fazer a reserva, pagar o extra para poder escolher o lugar que ocupará no avião, saiba que os lugares das primeiras filas têm mais espaço para as pernas. O contra destes lugares é que os apoios de braço não são movíveis. Ou seja, o assento tem mais espaço para a frente, mas é mais estreito.

4. Entrar no avião

De certeza que muitos colaboradores da Ryanair iam-lhe pedir de joelhos para não se esquecer de verificar no seu cartão de embarque, qual é a sua fila. Isto determina se entra pela frente, ou pelas traseiras do avião. Fazê-lo da maneira indicada vai poupar muito tempo no embarque.

5. A maior base

Apesar da empresa ter sede em Dublin, na República da Irlanda, a maior base aérea é o aeroporto de Stansted, em Londres, com cerca de 43 aparelhos. Dublin é a segunda maior.

6. Regras para os uniformes femininos

Apesar de algumas destas regras variarem de base para base (sendo que as bases aéreas em solo britânico são as mais conhecidas por esta exigência), as hospedeiras e membros da tripulação do sexo feminino são obrigadas a seguir regras mais restritas no que toca à apresentação.

Só são permitidos determinados penteados, sempre apanhados (a não ser que o cabelo seja demasiado curto), não são permitidas unhas pintadas de outra cor que não o rosa, vermelho ou manicure francesa, existem cores específicas para os collants a usar. Os homens têm regras mais “leves”, apesar de a apresentação ser controlada para todos.

7. Lidar com passageiros menos simpáticos

A regra de ouro para problemas que ocorram durante o voo, especialmente se o passageiro tiver comportamentos agressivos e potencialmente perigosos, é chamar a polícia local, assim que aterrem. Se alguma situação ocorrer ainda em solo, o passageiro é retirado do avião imediatamente.

Veja também:

Júlia Rocha Júlia Rocha

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, sempre se deu bem com os livros, teclados de computador e canetas. A importância da palavra escrita num mundo tecnológico, aliada à história, ao cinema, literatura e televisão, são os seus maiores campos de interesse.