Publicidade:

11 sinais de que é mais esperto do que a média (ou talvez não)

Revelamos os sinais que caracterizam as pessoas mais e menos espertas e partilhamos alguns truques para aqueles que querem parecer mais espertos do que são.

11 sinais de que é mais esperto do que a média (ou talvez não)
Quem não gostaria de ser um génio?

Ser esperto passa por possuir um importante conjunto de capacidades intelectuais para memorizar, ajuizar, imaginar, raciocinar, criar e, claro, saber demonstrá-las e fazer uso delas. Qualquer um de nós quer parecer mais esperto e capaz diante de outras pessoas, seja no trabalho ou em família.

Para que tal aconteça, podemos envolver-nos em estratégias eficazes de estimulação intelectual e de gestão do nosso tempo e capacidades ou, então, aprender truques e dicas sobre como parecer mais esperto sem grande esforço.

Sinais de que é mais esperto do que pensa (ou não)


mais esperto

Não se subestime, nem tenha receio de demostrar os seus conhecimentos e habilidades, até porque há sempre mais a aprender. Atente nas seguintes características associadas a quem é mais esperto:

1. Ter noção de que há muito mais a aprender, sem medo de admitir que não sabe;

2. Ter vontade genuína para aprender sempre mais;

3. Conhecer bem os seus limites;

4. Ser curioso e aberto a novas ideias;

5. Ter grande capacidade de autocontrolo e baixa impulsividade;

6. Ter disponibilidade para ver as coisas de outro ponto de vista que não o seu – ser capaz de considerar diferentes pontos de vista, não fazer julgamentos precipitados, ter gosto em falar com pessoas novas e aprender com elas;

7. Ter boa capacidade de resolução de problemas;

8. Boa capacidade de adaptação;

9. Grande capacidade de concentração;

10. Capaz de associar conceitos que aparentemente não estão relacionados;

11. Boa capacidade de criatividade.

Ou será que não é tão esperto como julga?

Há, também, quem se julgue demasiado esperto, bem mais do que todos aqueles que o rodeiam. Se este é o seu caso, confira aqui se não se julga mais esperto do que aquilo que realmente é.

1. Está convencido da sua alta inteligência e habilidade, mas não tem resultados que o comprovem: o sucesso não é um conceito abstrato… Existem testes, exames e tarefas que devem ser superados com sucesso para o comprovar;

2. Tem grande necessidade de provar a toda gente a sua razão: revela insegurança e está constantemente envolvido em discussões que visam provar o quão inteligente é;

3. Ouve pouco, mas fala muito;

4. Tempos livres dedicados em exclusivo à preguiça: se acha que já sabe tudo e pode dedicar todo o seu tempo livre à preguiça e ao lazer, saiba que está enganado – ler todos os dias aumenta o seu desempenho cognitivo e a sua criatividade.

Truques e dicas para parecer mais esperto do que é


Quer dar aos outros a sensação de que é mais inteligente e mais esperto do que realmente é? Mas não se quer envolver em tarefas que melhorem efetivamente o seu desempenho intelectual? Bem, se não quer ser, pode sempre parecer. Mas, atenção: estas dicas e truques não vão resultar sempre, pelo que o melhor é começar a esforçar-se realmente.

Experimente os seguintes truques:

1. Aposte na sua imagem;

2. Aja de forma confiante;

3. Estude um dos tópicos do momento: há sempre temas quentes nas conversas correntes; estude-o, aprenda com os especialistas, conheça os principais autores e vai certamente fazer boa figura;

4. Aumente o seu vocabulário: memorize novas palavras;

5. Aprenda algo sobre um tema pouco comum: terá uma grande vantagem, pois pouca gente ou ninguém terá conhecimentos sobre esse tópico; vai ter oportunidade de falar largamente acerca desse tópico sem ser contrariado;

6. Questione os outros: se numa conversa domina mais o tema do que o seu interlocutor faça-lhe várias perguntas de forma que todos acreditem que é muito mais esperto;

7. Aprenda citações famosas;

8. Use e abuse do silêncio: se está inseguro em relação a um tópico, quanto menos falar menor a probabilidade de errar.

Pode pensar que fingir que sabe tudo faz com que pareça mais esperto, mas tal não é verdade, até porque as pessoas mais inteligentes aceitam as suas falhas e sabem que há sempre mais para aprender.

A ciência revela 8 características associadas às pessoas espertas


sinais de que e mais esperto

1. É canhoto

Segundo alguns estudos, o uso da mão esquerda está associado à inteligência. Nos canhotos é o hemisfério direito, que controla o lado esquerdo, que é dominante. Estas pessoas demonstram maior criatividade e capacidade de pensamento divergente. Além disso, têm grande aptidão para a música e alguns desportos, como o ténis.

2. É o filho mais velho

Sim, a ordem de nascimento pode ter influência. Os primogénitos são, por norma, mais inteligentes e bem sucedidos do que os outros filhos. Os estudos comprovam-no mas ainda não encontraram uma explicação. Sabe-se, no entanto, que nada tem a ver com factores genéticos. As dinâmicas familiares podem estar relacionadas.

3. É ateu

Um estudo de 2008 analisou a relação entre inteligência e crença religiosa. Os ateus ficaram com o primeiro lugar no pódio dos mais inteligentes. Seguiram-se os agnósticos e os crentes liberais. Em último ficaram os religiosos. É um facto que são os países com taxas mais elevadas de ateísmo que registam os QIs com valores mais elevados.

4. Estudou música na infância

As crianças que estudam e ouvem música com frequência podem ser mais inteligentes. Quem o afirma é um estudo da Universidade de York e do Real Conservatório de Música de Toronto. 90% das crianças com aulas de música apresentaram melhores conhecimentos de vocabulário, tempo de reacção e precisão.

5. Consegue equilibrar a vida pessoal e profissional

De um lado o trabalho, do outro a família e os amigos. Duas realidades distintas mas perfeitamente conciliáveis. Com a ajuda de uma agenda altamente organizada, há sempre tempo para tudo. Carreira, interesses pessoais e família são geridos com destreza. As prioridades estão bem definidas e não há stress.

6. Tem capacidade de adaptação

Situações novas e inesperadas não são um problema. Consegue encontrar sempre a melhor solução para ultrapassar o obstáculo. Aliás, até gosta de um desafio de quando em quando para testar a sua inteligência. Mudar de emprego, de cidade ou de país não assusta. Rapidamente se integra e ambienta.

7. Está presente nas redes sociais

Acompanha a evolução do mundo digital. Marca presença nas principais redes sociais (Facebook, Twitter, LinkdIn, etc.). Criou perfis profissionais que gere da melhor forma, com o intuito de estabelecer contactos e relações que possam ser úteis (networking). A vida pessoal é privada e mantida à distância. Afinal, as redes sociais são instrumentos de trabalho e nada mais.

8. Não fuma

Um outro estudo, desta feita israelita de 2010, demonstrou que os fumadores tinham um QI mais baixo do que os não fumadores. 20 mil jovens do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 18 e os 21 anos, foram a população avaliada. A média para os não fumadores era de 101 pontos enquanto que nos fumadores era de 94 pontos.

Veja também:

Ana Graça Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Além da Psicologia. é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que traga mais felicidade!