Publicidade:

5 sinais de que o seu cão está deprimido

Os cães têm episódios de depressão, tal como os humanos. Conheça os sinais e perceba se está na altura de levar o seu companheiro de 4 patas ao veterinário.

5 sinais de que o seu cão está deprimido
A depressão do seu cão até pode ser culpa sua

O número de cães deprimidos parece aumentar a olhos vistos e, muitas vezes, os donos nem se apercebem que o excesso de calma do seu animal pode ser alarmante. Mais difícil ainda é compreender que a culpa da depressão pode ser sua, ainda que o faça inconscientemente.

Solidão, doença ou simples mudança de rotina: todas podem ser motivos para a depressão do seu animal. Para poder ajudar o seu companheiro, o melhor é ficar a conhecer os sinais de que o seu cão está deprimido e saber como o ajudar.

Depressão canina e possíveis motivos


sinais-de-que-o-seu-cao-esta-deprimido

É mesmo verdade: tal como as pessoas, também os cães podem entrar num estado emocional mais vulnerável, sensível e negativo. De facto, vários estudos associaram já este fenómeno à incapacidade de os animais acompanharem o estilo de vida acelerado e ocupado dos seus donos, o que tem um efeito negativo no seu estado de espírito.

Frequentemente, a depressão canina é confundida com o Síndrome de Ansiedade de Separação, pelo que é necessário que esteja realmente atento aos sinais de que o seu cão está deprimido para conseguir identificar o problema. Os motivos que podem dar origem este cenário, esses, são variados:

  • Mudança de ambiente ou de casa;
  • Alteração na rotina do dono (horários, por exemplo);
  • Chegada de um novo animal à família;
  • Chegada de uma nova pessoa à família (casamento ou nascimento de um filho, por exemplo);
  • Morte de um ente querido (pessoa ou animal);
  • Solidão, devido aos períodos em que fica sozinho em casa;
  • Falta de liberdade e espaço.

No entanto, ao contrário do que se pode pensar, não existem raças mais ou menos propensas à depressão canina. Todos os cães e respetivos donos podem ter de lidar com a depressão canina, um problema cujos sintomas e tratamentos são bastante semelhantes aos da depressão humana.

Estes são os sinais de que o seu cão está deprimido


Os sinais de que o seu cão está deprimido são tão variados como os motivos, especialmente porque dependem também do próprio cão, dos seus hábitos e da sua forma de se expressar.

1. Falta de apetite

Como seria de esperar, este é um dos principais sinais de que o seu cão está deprimido. É importante que esteja muito atento à quantidade de comida que o seu amigo de 4 patas ingere diariamente, de modo a perceber se existe alguma alteração. Rejeitar a ração e perder peso são também sinais de alerta.

2. Intolerância ao toque

Os cães deprimidos tendem a evitar o toque, mesmo por parte dos donos. Este é um claro sinal de isolamento social, pelo que deve causar estranheza e desconfiança acerca do bem-estar do seu animal.

3. Apatia e isolamento

Contrariamente ao que acontece com o cão saudável, a depressão faz com que o seu amigo de 4 patas se isole e não responda a estímulos. No fundo, o animal deixa de mostrar entusiasmo seja com o que for: desde as brincadeiras aos passeios, passando pelos biscoitos e pelos brinquedos. Importa referir que este isolamento acontece em relação a pessoas e outros animais.

4. Tristeza

Este é um dos mais óbvios sinais de que o seu cão está deprimido e é especialmente identificável quando o dono conhece bem o animal. Basta olhar para o seu companheiro felpudo para perceber que os seus olhos estão tristes.

5. Agressividade

É verdade, um cão deprimido pode tornar-se agressivo. Esta agressividade pode ser direcionada para as pessoas com quem contacta, outros animais ou até ele próprio.

Conhecidos os sinais indicadores de uma depressão canina, não se esqueça de que o primeiro passo é levar o seu cão a um veterinário para ter um bom aconselhamento. Existem diversos medicamentos e terapias para este problema, pelo que só um especialista poderá recomendar o procedimento mais adequado.

Veja também:

Inês Pereira Inês Pereira

Licenciada em Jornalismo e Pós-Graduada em Branding e Content Marketing, sempre se deu bem com a escrita. Embora prefira escrever com um teclado, não acredita nessa ideia de ler um livro através de um ecrã: um livro lê-se em papel e tem um marcador. Gosta de fotografia, de história e de conhecer o mundo.