Publicidade:

7 tecnologias por inventar: surpreenda-se com o que aí vem

Prever o futuro é difícil. Não só temos de saber quais os problemas a resolver, como temos de saber quais são as tecnologias por inventar.

7 tecnologias por inventar: surpreenda-se com o que aí vem
Prever o futuro e imortalidade? Eis 7 tecnologias por inventar

Nos anos 60, imaginavam que em 2018 já teríamos carros voadores. Bem, na hora de ponta isso até fazia bastante jeito mas, por enquanto, não existe. Por vezes, pensamos que está tudo inventado até que surge uma ideia inovadora que altera o nosso modo de vida. São várias as tecnologias por inventar, assim diz o Institute for the Future. É uma organização de pesquisa e investigação sobre o mundo que aí vem.

Fique, então, com 7 tecnologias por inventar que, de acordo com os investigadores, estão para breve.

Tecnologias por inventar: o que o futuro nos reserva


tecnologias por inventar

1. Implantes neurológicos que permitem ler mentes

Quem não gostava de poder ler mentes? Se não fosse mais, no mínimo seria tudo mais silencioso. Os investigadores dizem que em 2028 os casais terão a opção de introduzir um implante no cérebro que lhes vão permitir ler a mente um do outro.

“Um pequeno dispositivo permitirá estarem sempre juntos, mesmo não estando” disse o IFTF num relatório em 2015. “Poderão pensar e mover-se como um, sem palavras, apenas pensamentos” – profundo!

2. Uma nova moeda para a educação online

Já deve ter ouvido falar da Bitcoin, que é a moeda virtual mais conhecida do momento. O IFTF diz que a Edublocks servirá de moeda de troca exclusiva para a educação online.

Se passar 3 minutos a ver uma vídeo-aula de piano ou se passar 2 horas a ver um webinar, receberá uma quantidade de Edublocks como pagamento pelo tempo que investiu na sua educação. Isto permite que utilize estas competências para comprar mais educação.

3. Realidade aumentada para ultrapassarmos o medo do palco

São várias as pessoas que têm medo de subir a um palco ou púlpito e falar. É preciso treino – que até pode vir a comprar com Edublocks – e experiência para dominar essa arte de falar em público.

Os investigadores garantem que com a Winning Friends, um software de realidade aumentada, vai tornar esse medo muito mais fácil de ultrapassar. Este software dar-lhe-ia atualizações em tempo real sobre o estado do público e algumas dicas para melhorar, e muito, a sua apresentação.

4. Kits de doação de sangue raro

Sabia que existe um grupo sanguíneo que é raro e apenas 43 pessoas no mundo o têm? O RH-Nulo, ou sangue dourado, é um tipo de sangue puramente universal que pode ser doado a todas as pessoas, mas o pior é que só pode receber do mesmo tipo.

A ideia é criar uma espécie de kit de doação desse tipo de sangue. As pessoas que fazem parte desse grupo sanguíneo podiam vender o seu sangue a um preço elevado, guardarem os lucros para futuramente comprarem esse sangue caso sofram algum acidente.

5. Água da imortalidade: mas com um custo elevado

Alguns estudos dizem que a pessoa que irá viver para sempre já existe. Esta água, que os investigadores chamaram de Aguavida, é um líquido futurista que nos dará imortalidade a um preço acessível.

Mas qual é que é o custo elevado? A população mundial está a crescer exponencialmente e se todos fossemos imortais, mais tarde ou mais cedo, não haveria espaço para todos. Essa água teria um ingrediente que o tornaria estéril. Podemos dizer que ser imortal seria o fim.

6. Realidade aumentada no exercício físico

Ez Lift é o nome da aplicação que vai encorajar as pessoas a preferirem as escadas ao elevador. Cada pessoa começava o dia com um X número de créditos e perdia alguns cada vez que tomasse uma decisão menos saudável.

Quando ficassem com poucos créditos, uma ecrã de realidade aumentada surgia e mostrava às restantes pessoas que elas não praticaram exercício hoje. Se optassem pelas escadas ganhavam créditos. A ideia é tornar a saúde pública realmente pública.

7. Anéis de humor microbiológicos

Os cientistas estão a descobrir que o nosso microbioma – uma bactéria que temos na nossa flora intestinal – é essencialmente um segundo cérebro. Os anéis continham uma réplica perfeita do microbioma da pessoa. Quando ela chegasse a um ambiente que afetaria negativamente essa bactéria, o anel mudaria de cor. Dessa forma, o utilizador podia tomar decisões que o prevenissem de ficar doente. Esta é outra das tecnologias por inventar.

Veja também: