Publicidade:

7 tecnologias que morreram em 2018

A cada dia que passa surge mais uma ou mesmo várias novidades e outras ficam inevitavelmente para trás. Conheça as tecnologias que morreram em 2018.

7 tecnologias que morreram em 2018
O mundo tecnológico continua à velocidade da luz

Final de ano, altura de balanços. Com a tecnologia sempre a inovar, em todos os setores, é natural que alguns gadgets e softwares fiquem “esquecidos”. Hoje em dia, essa é uma situação que chega mesmo a ser inevitável. Conheça as tecnologias que morreram em 2018.

Conheça as tecnologias que morreram em 2018


tecnologia

Google Plus

A rede social criada pela Google em 2011 ganhou boa fama nos primeiros anos, com muitos entusiastas a aderir à plataforma e a criar círculos de amigos, família ou interesses. Algumas opiniões chegavam mesmo a acreditar que redes como o Facebook poderiam acabar, eventualmente, substituídas pelo Google Plus.

A verdade é que esta plataforma foi perdendo utilizadores e, na verdade, não apresenta tanta utilidade, ou adesão, como outras redes (como o Instagram ou Pinterest, por exemplo).

Google Inbox

Outra aplicação criada pela Google com vista a agilizar e a melhorar a utilização do e-mail em Android e iOS, e até mesmo em navegadores como o Chrome ou o Safari. A criação do Google Inbox foi atribuída ao Gmail e é como se se tratasse de uma extensão deste.

Lançado em 2014, esperava-se maior sucesso entre os utilizadores, mas tal acabou por não acontecer. Ainda assim, o Inbox continua disponível e, para além de o deixar organizar a sua caixa de entrada, deixa-o organizar outros assuntos da sua vida: como eventos marcados, viagens, listas de compras, etc.

PlayStation Vita

A consola portátil que viria a substituir a antiga PSP, uma das consolas com maior sucesso lançadas pela PlayStation. Contudo, o hype que envolveu a PS4 e outros dispositivos da concorrência, nomeadamente a Nintendo Switch, acabou por impedir a rentabilidade da PlayStation Vita.

iPhone 6S, iPhone SE e iPhone X

Ainda que por motivos diferentes, estes três modelos da Apple tinham de, inevitavelmente, fazer parte das tecnologias que morreram em 2018. Por um lado, o iPhone 6S era aquele que, após o lançamento anual dos novos modelos, seria obrigatoriamente descontinuado (uma política adotada pela marca americana há vários anos).

Por outro motivo ligeiramente diferente, o iPhone SE acabou por conhecer uma versão melhorada, que veio ocupar por inteiro o segmento mais barato da Apple: o iPhone XR. Por sua vez, o iPhone X foi imediatamente descontinuado com o lançamento do XS e do XS Max já que, em termos de características, ambos são, de facto, muito semelhantes ao X.

Yahoo Messenger

Ao contrário das anteriores tecnologias, o Yahoo Messenger foi mesmo descontinuado e eliminado. Criado em 1998, este software abriu caminho para a maior parte das plataformas que hoje conhecemos, como o Facebook Messenger ou o WhatsApp.

No chat do Yahoo podia falar com um amigos ou criar grupos com várias pessoas, onde trocava mensagens baseando-se na Internet disponível e nunca no pacote de dados de cada utilizador.

Volkswagen Beetle

O icónico carro da marca alemã sofreu uma renovação total e recebeu um novo look nos últimos anos. No entanto, a Volkswagen confirmou que a última edição irá sair no próximo ano e que, a partir daí, a produção destes carros vai terminar de vez.

Entradas de auscultadores

As entradas de fones em telemóveis acabaram no decorrer deste ano. Os últimos smartphones têm sido lançados sem esta entrada, sendo que, agora, os auscultadores podem ser ligados através de uma entrada USB-C – quando o são, uma vez que existem modelos que não têm, de todo, essa entrada (exigindo que o utilizador utilize, por exemplos, fones Bluetooth).

Veja também:

Luísa Santos Luísa Santos

Licenciada em Ciências da Comunicação - Jornalismo, Mestre em Multimédia, cantora sem diploma nas horas livres. Trabalha atualmente em Marketing e Comunicação, é viciada em redes sociais e fervorosa adepta do desenrasque.