Publicidade:

Trabalhar com música aumenta a produtividade: sim ou não?

Neste artigo vamos desvendar se trabalhar com música influencia a produtividade e o ritmo de trabalho. O que nos diz a Ciência?

Trabalhar com música aumenta a produtividade: sim ou não?
Descubra se é aconselhável, ou não, trabalhar com música

Os apreciadores de música não dispensam a banda sonora nos momentos de trabalho. Mas, será que trabalhar com música é aconselhável e tem impacto positivo na produtividade?

Descubra se é aconselhável, ou não, trabalhar com música


Antes de se tentar obter uma resposta conclusiva, devemos ter em conta que existem muitas variáveis em jogo na equação da produtividade. Cada vez mais se assume que o bem-estar emocional é essencial à produção de trabalho com qualidade, e é sabido que a música, ao ativar todo o córtex cerebral, coloca em ação as emoções de quem a ouve.

Sabe-se também que, de pessoa para pessoa, variam a importância e o significado atribuídos à música. Ma, será que ouvir música enquanto se trabalha é apenas uma questão de preferência pessoal? O que diz a Ciência sobre a interferência da música na capacidade de concentração?

trabalhar com música

O que já se sabe sobre a música e os seus efeitos no cérebro humano

Vamos aos factos. Estudos desenvolvidos recentemente comprovam que:

  • ouvir música pode alterar o estado de humor – tornando-nos mais alegres e ativos como mais tristes ou passivos, dependendo do tipo de música que se ouve;
  • o estado mental positivo induzido por ouvir a música de que gosta pode melhorar a capacidade de solucionar problemas criativos e aumentar os níveis de produtividade;
  • a música pode fazer com que se absorva e se lembre de maior quantidade de informação, ao gerar memórias emocionais;
  • ouvir música “alegre” despoleta o pensamento divergente (relacionado com a criatividade) e não o convergente (relacionado com a concentração e a resolução de problemas simples);
  • música com ritmos extremamente rápidos pode impedir a concentração.

Música e stress no trabalho

Dificilmente uma pessoa que esteja a viver um momento de elevado stress vai querer ouvir música enquanto desenvolve o seu trabalho, mesmo que seja a sua música favorita a ser disparada dos headphones. Mas tudo indica que, em condições normais, a música realmente produz efeitos positivos sobre o desempenho.

Muitas pessoas, por outro lado, gostam de trabalhar sem qualquer música de fundo, procurando mesmo o maior silêncio possível. E muitas destas pessoas são muitas vezes grandes apreciadoras de música, simplesmente mantêm-na longe de si nas horas do expediente. Mas, talvez estas pessoas devam experimentar pelo menos uma vez fazê-lo. Isto porque a ciência afirma que ouvir música enquanto se trabalha induz um estado mental que não restringe o foco – pelo contrário, expande-o, levando a absorver mais informações.

Em suma, excluindo picos de stress e situações que requeiram foco elevado para a resolução de problemas muito complexos, a música não só pode aumentar a produtividade, como também pode ser uma alavanca para a criatividade. Quanto mais se gosta da música que se ouve enquanto se trabalha, mais hipóteses há que ela produza estes efeitos.

Descubra 7 passos para se livrar do stress no seu trabalho >>

Aumentar a produtividade com recurso à música também depende do seu trabalho

Outro dado curioso diz-nos que o aumento de produtividade ao ouvir música depende também do quanto se é bom a fazer o que se faz. Como seria expectável, trabalhar com música não tem efeitos milagrosos: ajuda mais quem, já de si, é melhor nas tarefas propostas.

Veja 12 dicas para ser mais produtivo no trabalho >>

Então, quem beneficia mais de trabalhar com música: o criativo ou o produtivo?

Pode afirmar-se que beneficiam os dois tipos de perfis, uma vez que, geralmente, a um processo criativo e divergente sucede-se um processo produtivo e de concretização. A diferença é que a música ativa os mecanismos mais intuitivos – e menos racionais – de tomada de decisão.

Em jeito de conclusão, este tema já vem sendo submetido às análises por parte da ciência, e de um modo geral, todos os estudos apontam para o mesmo caminho. Tudo leva a crer, no entanto, que ainda precisa de ser mais aprofundado e estudado. E não temos dúvidas de que o será, ao longo dos tempos vindouros.

Veja também:

Catarina Reis Catarina Reis

Consultora de carreira com mais de 10 anos de experiência, possui formação superior em Gestão de Recursos Humanos e Psicologia. É naturalmente curiosa, desenvolvendo múltiplos projetos paralelos que envolvem a Fotografia, a Música, o Marketing Digital e o Cinema.