Publicidade:

Trabalhar quatro dias por semana? Há empresas onde já é possível

Trabalhar quatro dias por semana, parece-lhe bem? Então, fique a par deste novo modelo de trabalho e das empresas que já o implementaram.

Trabalhar quatro dias por semana? Há empresas onde já é possível
Conheça as vantagens e desvantagens desta nova forma de trabalho

Existe algum preconceito e desconfiança em relação àquelas pessoas que conseguem cumprir com as suas tarefas e mesmo assim sair a horas, depois de trabalharem entre 7 ou 8 horas diárias. Como tal, a questão de trabalhar quatro dias por semana parece uma realidade quase impossível.

Em Portugal, apesar da legislação laboral prever um máximo de 8 horas de trabalho diário e 40 horas de trabalho por semana, há muitos profissionais que continuam a trabalhar 10, 12 ou mais horas diárias, 5 dias por semana. A somar a isso, são cada vez mais os trabalhadores que acusam elevados níveis de stress e pressão provocados pelo trabalho, motivo que pode mesmo levar ao burnout.

Nessa perspetiva, será que trabalhar apenas quatro dias por semana pode fazer a diferença, tanto na vida dos profissionais, como para a empresa? Muito provavelmente sim.

Este novo sistema já implementado em algumas empresas, visa permitir aos profissionais uma maior capacidade de satisfação no trabalho, níveis mais baixos de stress e ainda uma melhor noção de equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal.

Que empresas já implementaram a semana de quatro dias?


trabalho de equipa

Na Nova Zelândia, a empresa Perpetual Guardian decidiu fugir à norma e realizar uma experiência inovadora: 4 dias de trabalho por semana e nada mais. Entre março e abril do ano passado, os 250 funcionários da empresa neozelandesa trabalharam apenas quatro dias por semana continuando a receber os seus salários como se estivessem a trabalhar os habituais cinco dias úteis.

Depois do projeto-piloto levado a cabo durante um mês, a empresa decidiu mesmo adotar este sistema laboral em pleno. E os resultados não podiam ser mais positivos. Não só os trabalhadores revelaram sentir-se menos stressados e mais satisfeitos, como afirmaram que a medida lhes tinha permitido manter um melhor equilíbrio entre a sua vida profissional e pessoal.

Além da neozelandesa Perpetual Guardian, outras empresas decidiram seguir o mesmo modelo. Nos Estados Unidos, empresas como a Ryan, KPMG e a Deloitte já estão a permitir quatro dias de trabalho por semana aos seus trabalhadores.

Quais as vantagens e desvantagens deste modelo?


De acordo com o estudo monitorizado por investigadores da Universidade de Auckland à experiência realizada pela Perpetual Guardian, a produtividade da empresa aumentou 20%, enquanto o stress dos funcionários baixou de 45% em 2017 para 36% em 2018.

Quanto ao equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, também cresceu de 54% em 2017 para 78% em 2018.

Segundo o fundador da empresa de serviços financeiros, Andrew Barnes, a decisão de levar a cabo o projeto-piloto foi tomada depois de ler vários relatórios internacionais sobre produtividade, que colocavam a Nova Zelândia como um dos países da OCDE pior classificados nesta matéria. Um problema que também é comum a Portugal.

Vantagens da semana de quatro dias

Assim, e a julgar pelos resultados obtidos pela companhia neozelandesa, a implementação deste sistema poderia, de um modo geral, traduzir-se em vantagens como:

  • Melhor qualidade de vida;
  • Maior disposição e mais tempo para praticar desportos e manter-se saudável;
  • Mais tempo para dedicar à sua família;
  • Aumento da produtividade;
  • Capacidade para adquirir novas competências (tendo em conta que seria possível investir mais tempo na formação);
  • Aumentar os lucros das empresas;
  • Manter o nível dos salários ou até mesmo aumentá-los (trabalhando menos dias e produzindo resultados significativos para as empresas).

Limitações do modelo laboral

Mas como em tudo na vida, existem também algumas limitações a este modelo. Para os salários se poderem manter iguais (correspondentes aos 5 dias úteis de trabalho), é necessário que os níveis de produtividade dos trabalhadores aumentem significativamente.

Só assim as empresas podem manter ou melhorar os seus resultados, assegurando o mesmo nível de remuneração aos seus funcionários (ou até melhorá-lo).

Outra das limitações deste modelo, senão a maior, é a mudança de comportamentos e mentalidades a que obriga. Para se tornar uma realidade, é essencial que, tanto as empresas como os profissionais, sejam orientados para a eficácia e eficiência no trabalho e não apenas e só para resultados rápidos.

Este sistema poderia ser implementado em Portugal?


Tendo em conta as suas limitações, esta é uma medida que, provavelmente, demorará algum tempo a ser implementada em Portugal. Desde já, porque há papéis e mentalidades a serem alterados, nomeadamente o facto de as empresas começarem a premiar os trabalhadores que criam mais valor e não aqueles que se limitam a cumprir com o seu horário de trabalho, ou façam horas extra, sem trazerem qualquer tipo de benefício para o negócio.

A sociedade precisa de repensar a forma como olha para o modo de trabalho. Mas para que a semana com quatro dias de trabalho se torne possível e os trabalhadores possam manter o equilíbrio entre a sua vida profissional e pessoal, bem como uma maior qualidade de vida, então, é necessário mudar comportamentos e assegurar níveis de produtividade nas empresas que o permitam.

Veja também:

Catarina Milheiro Catarina Milheiro

Finalista da licenciatura em Gestão de Marketing, entende a partilha de informação através da escrita, como uma forma nobre da comunicação.