Publicidade:

Xiaomi Mi A1: um dos melhores smartphones low cost do ano

A Xiaomi e a Google juntaram forças e o resultado é o Xiaomi Mi A1. Este Android One é bastante competente e pode ser comprado por menos de 200€.

Xiaomi Mi A1: um dos melhores smartphones low cost do ano
O Xiaomi Mi A1 é o primeiro Android One da Xiaomi

O Xiaomi Mi A1 foi lançado em setembro de 2017 e é o primeiro Android One da marca chinesa. Android One é uma linha de telemóveis da Google, que surgiu em 2014 e que foi desenvolvida com o objetivo de dar aos consumidores de países em desenvolvimento uma experiência de utilizador consistente com segurança melhorada, a baixo custo.

O Xiaomi Mi A1 é o resultado de uma parceria entre a Xiaomi e a Google. Por outras palavras, o dispositivo foi criado pela Xiaomi e potenciado pela Google.

Xiaomi Mi A1: o Android One perfeito


xiaomi mi a1Fonte da imagem: Xiaomi

O Android One foi um projeto concebido pela Google, lançado em 2014, com o objetivo de pôr telemóveis baratos ao alcance de milhões de utilizadores de países em desenvolvimento.

O projeto não teve o melhor dos arranques, mas parece estar a entrar nos eixos com o Xiaomi Mi A1: era com este dispositivo que a Google devia ter começado a iniciativa.

Este equipamento destaca-se, sobretudo, pelo hardware e relação qualidade/preço, brindando tudo isto com o software certo. Mas vamos por partes.

O design é trendy, apesar de não ser um telemóvel com molduras reduzidas: o corpo do smartphone é de alumínio e o leitor de impressões digitais (bastante rápido) está localizado na parte de trás do dispositivo. É um gadget muito semelhante a outros modelos da marca, ergonómico e elegante.

O ecrã é, basicamente, irrepreensível: boa densidade de pixéis e excelente contraste, falhando um pouco na reprodução das cores (mas os utilizadores não vão notar, a menos que estejam a comparar com outro telemóvel que tenha um ecrã melhor).

O processador Qualcomm MSM8953 Snapdragon 625 providencia ao Xiaomi Mi A1 um bom equilíbrio entre eficiência, performance e preço. A memória interna de 64 GB (expansível até 128 GB) deverá ser suficiente para a maioria dos utilizadores, bem como a memória RAM de 4 GB.

A Xiaomi não é a primeira marca a trazer o sistema de câmara dupla para um smartphone de gama média, mas é a primeira a fazê-lo com um zoom ótico 2x lossless (como o do iPhone X e OnePlus 5). Em condições de luz ideais, o dispositivo consegue tirar fotos em modo retrato e panorama com cores naturais e excelente qualidade.

Veredicto

A parceria entre a Google e a Xiaomi parece promissora, pelo menos com este gadget as empresas acertaram em cheio. O Xiaomi Mi A1 elevou a fasquia no que toca a smartphones de gama média, sendo que é um telemóvel com excelente qualidade quer no hardware quer no software, pelo que os utilizadores podem ficar tranquilos no que à segurança e às atualizações de software diz respeito.

Não existem muitos smartphones a este preço e com estas características que incluam um sistema duplo de câmara tão bom, pelo que esta é uma opção bastante sólida para quem procura um Android muito competente a menos de 200€.

 Especificações técnicas
 Dimensões  155.4 x 75.8 x 7.3 mm
 Peso  165 g
 Material de fabrico  Parte frontal em vidro, moldura de alumínio
 SIM  Dual SIM híbrido (Nano-SIM)
 Ecrã  LTPS IPS LCD multitouch de 5.5 polegadas, resolução 1080 x 1920 p, 16:9, 403ppi, proteção Corning Gorilla Glass 3
 Sistema operativo  Android 7.1.2 (Nougat), atualizável para Android 8.0 (Oreo)
 CPU  Qualcomm MSM8953 Snapdragon 625 (octa-core 2.0 GHz Cortex-A53)
 GPU  Adreno 506
 Memória RAM  4 GB
 Memória ROM  64 GB (expansível até 128 GB através de cartão microSD)
 Câmara principal  12 MP + 12 MP com deteção facial, panorama, HDR, geo-tagging, vídeo com [email protected], [email protected]
 Câmara secundária  5 MP, 1080p
 Cores  Preto, dourado, cor de rosa dourado e vermelho
 Bateria  Não amovível (de lítio) de 3080 mAh
 Preço  A partir de 177,14€

 

Veja também:

Ana Duarte Ana Duarte

Jornalista e gestora de comunicação no projeto Patient Innovation, Ana Duarte é mestre em Ciências da Comunicação, pela Universidade do Porto. A sua paixão pela escrita começou cedo, quando aprendeu a escrever e começou a criar os seus próprios jornais. Interessa-se por tecnologia, desporto, cinema e literatura.