Publicidade:

Caução devolvida ao inquilino pode ser inscrita como gasto no IRS

Fisco esclarece que caução devolvida ao inquilino pode ser inscrita como gasto suportado e pago pelo senhorio, no anexo F do IRS.

Caução devolvida ao inquilino pode ser inscrita como gasto no IRS
Montante deve ser declarado no anexo F

A caução devolvida ao inquilino, na totalidade ou em parte, pode ser inscrita como gasto suportado e pago pelo senhorio, no anexo F da declaração de IRS do ano em que foi feita a devolução, esclarece o Fisco.

Numa informação vinculativa publicada no portal das Finanças, a Autoridade Tributária (AT) responde a um contribuinte que pede esclarecimentos quanto à caução recebida nos contratos de arrendamento de prédios urbanos.

O Fisco começa por lembrar que a caução constitui um rendimento predial em sede de categoria F do Código de IRS e, como tal, sobre o correspondente montante deve ser emitido recibo de renda a ser declarado no anexo F.

“Na eventualidade de uma devolução da caução ao locatário, na totalidade ou em parte, deverá ser emitido documento comprovativo do valor devolvido, cujo montante pode ser inscrito como gasto suportado e pago pelo senhorio, no anexo F da declaração do modelo 3 do ano em que ocorrer a devolução”, lê-se na nota.

Quanto à dedução de perdas, a AT lembra que o resultado negativo apurado em determinado ano (na categoria F) só pode ser reportado nos seis anos seguintes àquele a que respeita, ficando sem efeito o reporte de resultado líquido quando os prédios a que os gastos digam respeito não gerem rendimentos da categoria F em pelo menos 36 meses, dos cinco anos seguintes aos gastos.

“No que se refere às perdas, e desde que verificados os requisitos estabelecidos para o efeito, o direito ao reporte de perdas obriga a que o sujeito passivo opte pelo englobamento, no caso, dos rendimentos prediais obtidos”, precisa o Fisco.

Ocorrendo a devolução da caução em ano em que o senhorio apure prejuízo na categoria F – que tributa rendimentos relativos a rendas de prédios rústicos, urbanos e mistos, assim como as receitas de subarrendamento – e não existindo posteriormente novo arrendamento, o Fisco esclarece que a perda “não pode” ser fiscalmente reportada.

Veja também:

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O E-Konomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].