Publicidade:

Web Summit: criador da web defende contrato para tornar Internet num sítio melhor

Tim Berners-Lee apelou a utilizadores, empresas e governos para que contribuam para tornar a web num sítio melhor, reduzindo desigualdades e melhorando a privacidade.

Web Summit: criador da web defende contrato para tornar Internet num sítio melhor
Foto: Flickr / Web Summit / Web Summit 2018 - Media / CC BY 2.0

O criador da Internet, Tim Berners-Lee, defendeu esta terça-feira, dia 6 de novembro, em Lisboa a criação de “um contrato” entre utilizadores, empresas e governos de todo o mundo para “tornar a web num sítio melhor”, reduzindo desigualdades e melhorando questões como a privacidade.

“Temos de criar um contrato para a web. […] E esse deve ser um contrato com vários princípios para as pessoas se juntarem. Por isso, estou a pedir a vossa ajuda, seja através da vossa empresa ou por vocês próprios”, disse o responsável.

Falando na cimeira de tecnologia Web Summit que decorre até quinta-feira no Altice Arena e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), no Parque das Nações, Tim Berners-Lee vincou: “Somos todos responsáveis por tornar a web num sítio melhor”.

“Proponho-vos que façam parte disto. Nós conseguimo-lo fazer juntos”, acrescentou, alargando o pedido ainda a “governos de todo o mundo”, que devem ser “sensibilizados”.

Tim Berners-Lee assinalou que, em 1989, quando criou a web queria que esta fosse uma rede de livre acesso e que servisse a humanidade. “E quando ninguém esperava, a web criou coisas incríveis”, observou.

Porém, a seu ver, “sugiram algumas preocupações”, nomeadamente em questões como a privacidade e a segurança online, o que assinalou mostrando imagens referentes a perfis falsos em redes sociais e a manipulação na Internet. “Devemos proteger-nos”, notou.

Outro desafio é como possibilitar o acesso à Internet a todas as pessoas, já que, de momento, apenas “uma metade” do mundo consegue ter. É nesse contexto que o criador defende este “contrato”, que tem como mote “Pela Web” (ou como hashtag #fortheweb), visando criar valores de equidade e de segurança para todos os utilizadores da internet.

“Precisamos ter a certeza de que as pessoas que estão ligadas à web podem criar o mundo que desejam e usá-lo para corrigir os problemas que existem”, adiantou, defendendo que a internet seja “mais pacífica e mais construtiva”.

Para esta edição, a terceira em Lisboa, a organização já prometeu “a maior e a melhor” de sempre, com novidades no programa e o alargamento do espaço, sendo esperados mais de 70 mil participantes de 170 países.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Portugal e desde essa altura terá gerado um impacto económico de mais de 500 milhões euros.

Inicialmente, estava previsto que a cimeira ficasse por apenas três anos, mas em outubro deste ano foi anunciado que o evento continuará a ser realizado em Lisboa por mais 10 anos, ou seja, até 2028, mediante contrapartidas anuais de 11 milhões de euros e a expansão da FIL.

No ano passado, o evento reuniu na capital portuguesa cerca de 60 mil pessoas de 170 países, das quais 1.200 oradores, duas mil startups, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

Veja também: