Publicidade:

Pedidos para pagar dívidas fiscais a prestações passam a ser feitos apenas online

Governo quer que os pedidos de pagamento de dívidas a prestações passem a ser submetidos apenas por via eletrónica.

Pedidos para pagar dívidas fiscais a prestações passam a ser feitos apenas online
Proposta de lei vai ainda ser discutida no parlamento

“Os pedidos de pagamento em prestações contêm a identificação do requerente, a natureza da dívida e o número de prestações pretendido, devendo ser apresentados por via eletrónica, no prazo de 15 dias a contar do termo do prazo para o pagamento voluntário”, refere a proposta de lei.

Esta nova redação elimina a disposição legal que atualmente vigora e que determina que estes pedidos devem ser apresentados nas direções distritais de finanças da área fiscal do domicílio do devedor.

O mesmo diploma prevê também que o pedido para os pagamentos em prestações deve ser apresentado antes da instauração do respetivo processo de execução fiscal.

A redação atual da lei refere que o prazo para o pedido chegar é a que corresponde à data limite de pagamento da nota de cobrança. Na prática, a nova formulação acaba por dar mais uns dias ao devedor, na medida em que o prazo apenas termina quando o fisco instaurar o processo de cobrança.

Por outro lado, as dívidas de IRS e de IRC até cinco mil e 10 mil euros, respetivamente, podem ser pagas em prestações com isenção de garantia, desde que o requerente não tenha outras dívidas fiscais.

Mas, também aqui estes pedidos têm de ser apresentados apenas por via eletrónica, até 15 dias após o termo do prazo do pagamento voluntária, devendo “conter a identificação do requerente e a natureza da dívida”.

Atualmente, estes pedidos já devem ser apresentados por via eletrónica, mas ainda é possível fazê-lo nos serviços de finanças correspondentes ao domicílio fiscal do devedor.

Em caso de falha do pagamento de prestações de uma dívida em que foi prestada garantia, é alargado de 10 para 30 dias o prazo para a entidade que a prestou efetuar o pagamento da dívida até ao valor da garantia prestada. Findo este prazo, o fisco avança com o processo de execução fiscal.

A proposta do Governo procede à alteração de vários diplomas fiscais sendo justificada com o objetivo de introduzir “melhorias na operacionalização dos serviços da administração tributária e ajustes cirúrgicos” em normas relacionadas com as obrigações declarativas dos contribuintes.

É através deste diploma que o Governo também se propõe alargar em cinco dias o prazo para as empresas entregarem o IVA.

Veja também:

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O E-Konomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].