ebook
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Prático e Descomplicado
Elsa Santos
Elsa Santos
14 Out, 2021 - 08:20

Plano pessoal de emprego: tudo o que deve saber

Elsa Santos

Se procura uma nova oportunidade de trabalho, é importante que prepare o seu Plano Pessoal de Emprego. Saiba como o pode fazer.

plano pessoal de emprego

Está inscrito para emprego no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) e pronto para novos desafios. No entanto, não sabe o que fazer.

A resposta está na elaboração do seu Plano Pessoal de Emprego. Tal como o nome indica, trata-se de um plano elaborado à sua medida – de acordo com o seu perfil e objetivos – de modo a garantir o seu reingresso no mercado de trabalho.

Explicamos-lhe em que consiste, qual a sua importância e como pode traçar as linhas do seu Plano Pessoal de Emprego.

TUDO SOBRE O PLANO PESSOAL DE EMPREGO

O Plano Pessoal de Emprego (PPE) está previsto no Artigo 16º do Decreto-Lei n.º 220/2006, relativo ao Regime jurídico de proteção social da eventualidade de desemprego dos trabalhadores por conta de outrem.

De acordo com o disposto na lei, trata-se de “um instrumento de co-responsabilização, contratualizado entre o centro de emprego e o beneficiário, em que, de acordo com o perfil e circunstâncias específicas de cada beneficiário bem como do mercado de trabalho em que se insere, se definem e estruturam ações que visam a sua integração no mercado de trabalho” assim que o mesmo se inscreve para emprego.

Este plano prevê um conjunto de passos essenciais:

  • Ações para obtenção de emprego;
  • Exigências mínimas na procura ativa de emprego;
  • Ações de acompanhamento e avaliação a desenvolver pelo serviço de emprego.
entrevista de emprego

A quem se destina?

O Plano Pessoal de Emprego deve ser elaborado por todos os desempregados inscritos no centro de emprego, mas não só. Outras pessoas que procuram novas oportunidades de trabalho podem (e devem) traçar uma estratégia para alcançar os seus objetivos.

QUAL A IMPORTÂNCIA DO PPE?

Numa fase de preparação de regresso ao mercado de trabalho, perceber para onde quer ou pode ir, assim como o precisa de fazer para o conseguir, com toda a certeza será uma vantagem.

Algumas serão as questões iniciais:

Independentemente de qual seja o caminho a seguir, interessa definir bem as metas a alcançar e delinear a estratégia para lá chegar. O Plano Pessoal de Emprego funciona como uma espécie de mapa, indicando passo a passo o que deve fazer.

Como é elaborado?

O Plano Pessoal de Emprego pode ser elaborado de duas formas possíveis:

  • Autonomamente pelo desempregado, no caso da inscrição online para emprego, sendo posteriormente validado pelos serviços;
  • Conjuntamente pelo desempregado e respetivo gestor de carreira, no caso de inscrição presencial.

Ao longo do percurso de inserção o PPE pode ser reformulado/reajustado, terminando quando o desempregado encontra emprego e/ou quando a inscrição no serviço de emprego é anulada.

PPE EM 7 PASSOS

Na elaboração e aplicação do Plano Pessoal de Emprego, seja com o apoio de um técnico do IEFP ou por sua livre iniciativa, há alguns aspetos a ter em conta para garantir as melhores probabilidades de sucesso no regresso ao mundo do trabalho. Apresentamos-lhe sete passos essenciais.

1

Autoavaliação

Antes de traçar um novo rumo, faça uma auto-avaliação e analise o que já fez, o que correu menos bem, o que gostaria de fazer e/ou mudar, assim como os seus verdadeiros talentos.

Este pode ser um passo crucial para transformar o desemprego numa oportunidade de fazer mais e melhor, e mesmo de conseguir ser mais feliz profissionalmente.

2

Procura ativa de emprego

A procura ativa de emprego consiste no conjunto de iniciativas realizadas de forma autónoma e continuada pelo desempregado, com vista à sua inserção no mercado de trabalho.

Incluem-se aqui:

  • Respostas a anúncios de emprego;
  • Respostas ou apresentações a ofertas de emprego divulgadas pelo serviço de emprego;
  • Apresentação de candidaturas espontâneas;
  • Iniciativas com o objetivo de criação do próprio emprego;
  • Disponibilização do CV em plataformas de emprego na internet;
  • Presença em entrevistas de emprego ou seleção;
  • Inscrição em empresas de recrutamento e seleção, empresas de trabalho temporário e agências privadas de RH.

Estando inscrito no centro de emprego, este tipo de ações são planeadas com o gestor de carreira.

Caso esteja a receber subsídio de desemprego a procura ativa de emprego é obrigatória, devendo demonstrar o seu cumprimento perante o serviço de emprego. Para o efeito, tenha um registo de todas as iniciativas e guarde a documentação comprovativa que resulta do envio de correio registado com aviso de receção, e-mails ou declarações passadas por entidades empregadoras onde marque presença, ou outras.

arranjar emprego
3

CV apelativo

Aposte num CV visualmente apelativo. Além da boa informação, o aspeto também conta quando se trata do primeiro elemento que chega às mãos das entidades empregadoras ou de recrutamento.

É importante que adeque o CV à sua área profissional. No caso de se tratar da área criativa, deve dar especial atenção ao design. O uso de figuras, gráficos e cor podem resultar muito bem e facilitar a leitura. Há diversas plataformas online, gratuitas, que lhe permitem inovar no seu CV, como o Canva.

Também a foto deve ser bem escolhida e tenha o máximo cuidado com o Português.

Disponibilizemo-nos o seu CV online, nomeadamente através do LinkedIn. Caso se aplique, crie também o seu portfólio digital. Desta forma, será mais fácil atualizar e disponibilizar estes elementos sempre que necessário.

Há situações em que é solicitada uma carta de apresentação. Aproveite para fazer uma breve apresentação de si, do seu percurso profissional e objetivos, assim como as razões pelas quais se candidata a determinada vaga.

4

Formação

A formação é sempre uma boa aposta. Pode escolher um curso de formação do IEFP ou outros que lhe permitam desenvolver capacidades ou obter novos conhecimentos e competências.

Se está a receber subsídio da Segurança Social, pode também aproveitar esta fase para terminar os estudos e aumentar o seu nível de qualificação ou mesmo aprender um novo idioma que pode abrir-lhe novas oportunidades de trabalho, incluindo no estrangeiro.

5

Informação

Mantenha-se informado e atualizado sobre a(s) sua(s) área(s) de interesse.

Esteja a par das ações levadas a cabo quer pelo IEFP quer por outras entidades. Inscreva-se em grupos e fóruns online. Tire partido das redes sociais onde são publicadas diariamente ofertas de trabalho, formação ou outras ações.

Frequente locais e eventos onde possa obter outras informações, conhecer pessoas e debater ideias. Pode ser uma forma de mostrar o que sabe e o que faz a quem poderá conduzi-lo a outras pessoas e a oportunidades de emprego ou mesmo criação de negócios.

6

Crie o seu próprio emprego

Este passo não é para todos. É apenas para quem tem espirito empreendedor e verdadeira vontade de criar o seu próprio negócio.

Há muitas pessoas que têm essa vontade, mas por uma razão ou por outra ainda não arriscaram dar forma à ideia. O desemprego pode ser o momento certo para avançar. Se está a receber apoio da Segurança Social, saiba que pode pedir o pagamento do subsídio de desemprego num montante único para poder avançar.

7

Cuide de si

Este é um passo crucial para quem se prepara para um regresso ao mercado de trabalho, mas não só. Cuidar de si é obrigatório. Estar bem física e psicologicamente ajuda-o a ter mais energias, a tomar melhores decisões e obter melhores resultados.

Dedique-se ao seu Plano Pessoal de Emprego sem se esquecer que é o elemento número um em todo o processo. Faça exercício físico, alimenta-se bem, hidrate-se, tenha uma boa rotina de sono, passe tempo com quem mais gosta e faça algo que lhe dê prazer, nem que seja alguns minutos por dia, como relaxar a ouvir musica, jardinar, costurar ou ver uma série.

O melhor está para vir e com um bom Plano Pessoal de Emprego vai conseguir alcançar o objetivo, voltar a trabalhar.

Veja também