Elsa Santos
Elsa Santos
29 Jan, 2019 - 11:31
Plano Pessoal de Emprego em 8 passos

Plano Pessoal de Emprego em 8 passos

Elsa Santos

Se está desempregado, à procura de uma nova oportunidade ou a prepara-se para entrar no mercado de trabalho, deve ter um Plano Pessoal de Emprego.

O artigo continua após o anúncio

Já ouviu falar em Plano Pessoal de Emprego? Se está desempregado, a pensar mudar de carreira ou prestes a candidatar-se ao primeiro emprego, vale a pena saber mais sobre esta questão.

Um Plano Pessoal de Emprego é uma das etapas fundamentais para quem quer encontrar trabalho. Para quem se inscreve no centro de emprego, esta é uma etapa prevista e elaborada com o apoio dos técnicos do IEFP. Trata-se, assim, de uma responsabilidade dividida entre o beneficiário e o centro de emprego da sua área de residência que visa a (re)inserção na vida profissional ativa.

Porém, qualquer pessoa pode (e deve) traçar um Plano Pessoal de Emprego, de modo a preparar, da melhor forma, o seu (re)ingresso no mercado de trabalho. Isso inclui, nomeadamente, a apresentação periódica de candidaturas a ofertas de emprego, inscrição em cursos de formação, entre outras ações.

Antes de mais, há que perceber qual o objetivo e depois delinear o caminho a seguir para lá chegar. Descubra como pode desenvolver o seu Plano Pessoal de Emprego, passo a passo. Siga as dicas que preparamos para si.

Plano pessoal de emprego: tudo o que precisa saber

Formação Profissional IEFP: tudo o que deve saber

O que é o Plano Pessoal de Emprego?

É uma das medidas previstas no acompanhamento personalizado aos desempregados, estabelecido no prazo de 15 dias após a inscrição do beneficiário no centro de emprego da sua área de residência.

O Plano Pessoal de Emprego (PPE), é definido em conjunto com o beneficiário e deve ser revisto periodicamente (trimestralmente), incluindo sessões de procura de emprego acompanhadas, ofertas de formação e sessões coletivas de informação que sejam consideradas adequadas ao perfil do destinatário. Os planos podem prever convocatórias para a apresentação nos centros de emprego ou entidades que tenham acordo com o IEFP.

Considerando o perfil e as circunstâncias particulares de cada candidato, assim como as especificidades da área profissional em que este se insere ou pela qual pretende enveredar, ambas as partes traçam, então, o Plano Pessoal de Emprego. Trata-se de uma estratégia que visa atingir um objetivo concreto, conseguir a (re)inserção no mercado de trabalho.

Nesse sentido, são definidas e acordadas um conjunto de ações – formação; procura ativa de emprego, formação e sessões colectivas de informação, entre outras – adequadas a cada caso. No âmbito do Plano Pessoal de Emprego do IEFP, estão ainda previstas medidas de acompanhamento, avaliação e controlo por parte do centro de emprego.

O artigo continua após o anúncio

A quem se destina?

O Plano Pessoal de Emprego, implementado pelo IEFP, destina-se a todos os inscritos num centro de emprego: desempregados, candidatos a primeiro emprego ou à procura de uma nova oportunidade de trabalho.

Objetivos do Plano Pessoal de Emprego

Traçar um plano de procura ativa de trabalho e de formação adequadas ao perfil e aos objetivos de carreira do candidato. As ações previstas podem, por exemplo, incidir sobre o desenvolvimento de novas competências dentro da área de formação ou trabalho anterior do candidato, ou podem prever medidas que permitam traçar um novo rumo, numa nova área profissional.

A ideia principal passa por orientar, apoiar e (re)integrar as pessoas, o melhor e mais rapidamente possível, no mercado de trabalho. Formação que permite adquirir novas competências, mesmo que não seja diretamente relacionada com a sua área de trabalho…

Como fazer um Plano Pessoal de Emprego: passo a passo

Se está inscrito ou conta inscrever-se no centro de emprego, com certeza, terá a oportunidade de fazer o seu Plano Pessoal de Emprego, com o apoio de um técnico do IEFP.

Porém, mesmo antes de isso acontecer ou por sua livre iniciativa, pode desenvolver o seu PPE, nomeadamente porque pretende mudar de emprego ou de área profissional, ou ainda está a terminar um curso superior.

Para o efeito, deve ter em conta alguns aspetos e etapas fundamentais para conseguir elaborar uma boa estratégia para conseguir atingir as suas metas.

  1. Defina qual ou quais as áreas de trabalho em que pretende apostar;
  2. Prepare o CV de acordo com as funções e empresas a que se pretende candidatar;
  3. Assuma uma procura ativa de trabalho, com envio periódico de currículos (semanalmente), em resposta a ofertas de emprego ou candidaturas espontâneas a empresas/postos onde gostaria de trabalhar;
  4. Aposte na formação. Escolha entre as ofertas do IEFP ou outras entidades e apure ou desenvolva novas competências que considere adequadas ao seu perfil e objetivos. Se está desempregado e a receber subsídio, aproveite a fase para investir em si. Pode terminar o curso que deixou a meio ou aumentar as suas qualificações e conhecimentos. Pode aprender um novo idioma, por exemplo. Saber mais é sempre positivo e pode ser determinante para conseguir aquele emprego que tanto deseja;
  5. Considere um plano B, ou melhor, considere todas as possibilidades. Se tiver interesse, pode emigrar. Para isso, pesquise ofertas no país onde pretende trabalhar, prepare adequadamente todos os elementos necessários – currículo e outros. Procure ajuda de entidades oficiais como o IEFP, para o efeito, de forma a não correr riscos desnecessários;
  6. Inscreva-se em grupos e ações de interesse e que possam contribuir de alguma forma para alargar a sua rede de contactos, assim como proporcionar a partilha de ideias e experiências. Pode surgir uma oportunidade e criar o seu próprio trabalho. É uma possibilidade;
  7. Esteja a par das ações levadas a cabo pelo IEFP e outras entidades que promovam iniciativas relacionadas, direta ou indiretamente, com o seu universo de interesses profissionais e pessoais, nomeadamente sessões de esclarecimento;
  8. Analise, avalie, pondere. Não aceite a primeira oferta de trabalho apresentada. Pondere bem antes de decidir aceitar, nem que seja experimentar. Se não corresponder ao que pretende, tenha calma. Lembre-se que pode aparecer uma outra oportunidade a seguir, com a qual se pode identificar mais e já não estará disponível. Decisões precipitadas e eventuais recuos podem fechar portas e deixar uma má impressão a seu respeito que pode chegar ao conhecimento de outros. Alguma cautela.

Acrescentamos mais algumas dicas importantes para a eficácia de um Plano Pessoal de Emprego:

  • Mantenha o foco;
  • Não desmotive;
  • Evite o isolamento. Fale com amigos e familiares – todos podem ajudar, com contactos, informações ou ideias;
  • Mantenha-se atualizado;
  • Arrisque;
  • Acredite;
  • Trabalhe. Dê o seu melhor.

Todos estes ingredientes vão, com certeza, contribuir para traçar um caminho mais sólido, mais concreto para um futuro profissional melhor.

O artigo continua após o anúncio

Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp