Como abrir uma conta no estrangeiro

Abrir uma conta no estrangeiro é cada vez mais tentador, mas primeiro pondere bem os custos e os benefícios.

Como abrir uma conta no estrangeiro
O que avaliar ao tentar abrir uma conta no estrangeiro

São muitos os portugueses que cada vez mais se sentem tentados a colocar as suas poupanças em países estrangeiros e a salvo da crise financeira. Vamos desmistificar os passos para abrir uma conta de depósito num banco fora da Europa.

 

Baseamos o nosso artigo num estudo da Deco que analisou a possibilidade de depósito em países cuja valorização de divisas é espectável: Austrália, Canadá, Estados Unidos, Suécia e Suíça.

 

Neste estudo, a Deco contactou 21 intermediários financeiros e apenas um -  Skandinaviska Enskilda Banken (SEB) - permite a abertura de conta sem ser necessária a presença física na instituição. Obrigam, no entanto, a que as cópias dos documentos sejam reconhecidas notarialmente ou por uma embaixada. 

 

Canadá: Não residentes não podem abrir conta.

 

Austrália: Obrigatoriedade de estadia prolongada no país.

 

EUA: Não residentes podem abrir conta, mas com necessidade de se deslocarem presencialmente ao país.

 

Suiça: É um destino conhecido pela sua solidez e sigilo. A Suíça abre o seu sistema financeiro para os não residentes, principalmente para depósitos de maior valor. Cobram um imposto mensal de cerca de 25 euros às contas de não residentes com saldo inferior a 40 mil euros. 

 

O E-Konomista aconselha: Verifique se os depósitos estão ao abrigo de um fundo de garantia e contabilize todos os custos com as despesas de deslocação, as transferências de capitais e outros meios de pagamento.

Pese bem estes factores e estude todas as alternativas antes de tomar a sua decisão.

 

Veja também: