Vale a pena comprar um carro com 100 mil km?

Antes de comprar um carro com 100 mil km deve ter alguns cuidados. Confira o estado de conservação do veículo e as manutenções efetuadas.

Vale a pena comprar um carro com 100 mil km?
Não existe relação direta entre os quilómetros e o estado de conservação do carro

A maior parte das pessoas não tem condições financeiras para adquirir um carro novo. Outras acreditam que não compensa comprar um carro novo, quando existem os chamados carros zero quilómetros, que são novos e têm um preço mais baixo. Quando a escolha passa por um carro usado, existe alguns cuidados que se deve ter, principalmente, em relação aos quilómetros que o carro apresenta. Mas será que comprar um carro com 100 mil km pode revelar-se um bom negócio?

A maior parte das pessoas acredita que um carro com 100 mil km não deve ser uma opção, pois com tantos quilómetros já rodados é muito provável que o veículo comece a dar problemas, o que irá aumentar os custos com a manutenção. Mas, ao contrário do que se pensa, é possível encontrar carros com 100 mil km rodados em ótimas condições por um preço acessível.

Este tema parece ser mais mito do que verdade, pois não existe nenhuma relação direta entre o número de quilómetros e o estado de conservação de um automóvel.

Carro com 100 mil km: sim ou não?

Nem sempre o facto de um carro ter uma quilometragem alta é sinónimo de má utilização ou desgaste do veículo. Se procurar bem, é possível encontrar um carro com 100 mil km em melhores condições do que um carro com menos metade dos quilómetros.

O estado de conservação de um veículo depende da utilização que foi feita e da manutenção do carro estar ou não em dia. A resposta à questão se vale a pena comprar um carro com 100 mil km rodados é sim, tendo em conta alguns fatores. Acredite que o estado de conservação do veículo e a utilização que foi dada é mais importante do que a sua quilometragem.

Dicas para comprar carro com 100 mil km

1. Cuidado com o estado de conservação do carro

Em primeiro lugar, deve analisar com cuidado o estado de conservação do carro. É importante estar atento a alguns aspetos que até podem denunciar que é um veículo acidentado. Se o condutor habitual tiver utilizado o carro para viagens longas é natural que este tenha uma quilometragem elevada, ao contrário de um condutor que utiliza o veículo em cidade, no dia-a-dia. No entanto, isso não significa que o segundo carro esteja em melhores condições do que o primeiro.

Por norma, um automóvel que circule em autoestrada terá melhores condições de funcionamento, pois mantém a temperatura e a aceleração mais constantes e diminui o desgaste do motor e outros componentes. O mesmo não acontece num carro que é utilizado diariamente nas grandes cidades.

Um veículo que, normalmente, circula em zona urbana está sujeito ao trânsito intenso e ao pára-arranca, o que levará a um maior desgaste da caixa de velocidades, entre outras peças. Como consequência, este automóvel pode apresentar mais problemas – mesmo com menos de 100 mil km – do que um automóvel com muitos quilómetros, mas que a sua utilização frequente tenha sido em longas viagens.

2. Descubra quem era o dono

Caso esteja a comprar o veículo num concessionário, é importante que saiba quem foi o anterior dono do carro. Dessa forma, poderá até questionar o anterior proprietário sobre os cuidados que teve com o carro, como por exemplo, a manutenção preventiva, se trocava o óleo com frequência, que tipo de utilização fazia do carro.

Existem pessoas que dão atenção às necessidades de um veículo, por isso é frequente encontrar carros com 100 mil km e mais de 10 anos bem conservados e carros seminovos, com poucos quilómetros e 4 ou 5 anos, em condições, por vezes, lastimáveis.

3. Leve o carro a um mecânico

A nossa última sugestão é que antes de fazer o negócio leve o carro a um mecânico da sua confiança. E já agora aproveite para ver se o automóvel tem a quilometragem de acordo com a idade do veículo.

Se está a pensar comprar um carro usado, acredite que se o veículo em causa foi bem cuidado pelo anterior proprietário, este poderá estar em ótimas condições mesmo que seja um carro com 100 mil km. Quando o estado de conservação do carro é satisfatório e se ao longo dos anos foram feitas as respetivas revisões, é provável que não apresente problemas mais graves.

Veja também: