O BES e o Novo Banco: tudo o que precisa saber

O BES como o conhecemos deixou de existir, mas vai continuar a deter alguns serviços. Há quem diga que a partir de hoje passamos a ter o banco mau e o banco bom. Afinal, o que muda com o Novo Banco?

O BES e o Novo Banco: tudo o que precisa saber
O que muda com o Novo Banco?
  • Os clientes podem respirar fundo porque os seus depósitos estão assegurados

O Banco BES como o conhecíamos deixou de existir. A partir de agora, passa a existir o Novo Banco, que irá transportar consigo tudo o que era do BES, menos os problemas. Afinal, o que muda e o que acontece aos depósitos dos clientes? Veja aqui respondidas algumas das principais dúvidas que ainda estão por esclarecer.


1. O que despoletou todo este processo?

Foi recentemente descoberto que as contas do BES estavam numa situação extremamente grave. A dívida do banco é inimaginável, o que gerou um problema de financiamento. Quando as entidades perdem o controlo financeiro, os investidores privados recuam, tendo mais cautela na hora de investir. Desta forma, as acções começaram em queda livre e o rácio de capital do banco situava-se nos 5%, o que impedia que o BES conseguisse pedir dinheiro emprestado ao Eurosistema, que só aceita este tipo de pedidos se o rácio estiver num mínimo de 8%.
Perante este cenário, era preciso agir e resolver a perda diária que o BES estava a ter. Solução? Depois de muitas horas fechados numa sala, O Governo, a Comissão Europeia e o Banco de Portugal decidiram utilizar o Fundo de Resolução.


2. O que é o Fundo de Resolução?

O Fundo de Resolução foi criado em 2012 e dispõe, actualmente, de 367 milhões de euros.
Como este valor era insuficiente para ajudar o BES, o Fundo de Resolução pediu um empréstimo ao Estado, de forma a garantir o total de financiamento de 4,900 milhões de euros. 
O remanescente que será emprestado pelo Estado, virá do dinheiro ainda deixado pela troika que foi posto de lado para resolver eventuais problemas financeiros.


3. O que vai acontecer com o BES?

A decisão de salvar o BES consiste em dividir o banco em duas partes:

  • Novo Banco

Este banco nasce para ficar com tudo o que é bom e importante do BES, como por exemplo os depósitos, os créditos à habitação, os colaboradores, entre outros.

  • O BES

Para já, o BES ainda não morre definitivamente, ficando activo com tudo o que é mau, como por exemplo os activos tóxicos. É por isso que a designação passa a ser “Bad bank”.


4. O que é o bad bank?

O conceito de bad bank já não é novo no sector da banca e serve para designar instituições que são criadas exclusivamente para ficar com os activos problemáticos de um banco, principalmente activos que são de cobrança difícil. No caso do BES, o bad bank criado irá ficar com os negócios ligados à família Espírito Santo e ao Grupo Espírito Santo. A par disto, ficará também com as filiais que têm mais problemas e riscos, como o BES Angola ou o Espírito Santo bank.


5. Tenho o meu dinheiro assegurado?

Sim, a partir do momento em que o Estado intervém e recorre ao Fundo de Resolução, não há motivos para preocupação. O banco foi capitalizado e o seu financiamento fica assegurado pelo dinheiro do empréstimo aprovado pela Comissão Europeia e pelo Banco Central Europeu.


6. Então, o que muda para o cliente?

Muito pouco ou quase nada. Os clientes do BES que agora serão clientes do Novo Banco, irão continuar a dirigir-se à mesma rede de balcões, serão atendidos pelo mesmo gestor de contas e irão manter o mesmo número de conta, assim como os meios de pagamento que já dispõe ou até a utilização dos conhecidos canais como o BESnet ou o BESdirecto. Os contratos, os valores em depósito, a entrada do seu salário na conta, etc, são operações que irão permanecer inalteráveis. Para o cliente, o que vai efectivamente mudar é o nome e a imagem, que ainda é desconhecida.


Veja também: