Semana 3: rumo a Florianópolis

Chegámos apenas com uma gravação de voz, dando as indicações da casa que fica num morro onde os carros não chegam. Assim começou a nossa 3ª semana na América Latina.

Semana 3: rumo a Florianópolis
A crónica de viagem de Diogo Campos

No futuro hostel em Florianópolis, à nossa espera, está um canadiano, que também troca trabalho por alojamento. A subida para lá chegar é muito íngreme e só a podemos fazer a pé. Mas a vista compensa o esforço.


Olá, Florianópolis!

A casa onde estamos é a única habitável, neste espaço que será um hostel, e apesar de precisar de uma limpeza mais a fundo tem tudo o que precisamos para cozinhar, uma cama de rede, uma vista ampla e é bastante arejada.

O canadiano estava de saída. O que por um lado era bom, pois ficaríamos com a casa só para nós, por outro iríamos perder o contacto social que tanto nos preencheu no Rio de Janeiro.

2

No dia seguinte ajudei durante 2 horas o pedreiro que estava a construir o hostel sozinho. Mostrou-me a planta e neste momento estava a fazer um alpendre com o formato de um violão.

As nossas expectativas relativamente a Florianópolis eram bastante elevadas e os primeiros dias ficaram um pouco aquém. O tempo nublado não ajudou e também estávamos afastados das praias.

1

Com o passar dos dias começámos a conhecer a ilha, onde os locais são conhecidos pelos manézinhos. Esta designação provém dos tempos da colonização da ilha pelos açorianos, pois um dos nomes mais utilizados pelos portugueses era Manuel sendo o seu filho manelinho, por aproximação chamaram-lhes "manézinhos".

O pedreiro apareceu apenas mais duas tardes durante toda a semana e acabei por sentir que o hostel estava a ser feito a um ritmo muito relaxado, onde acabámos por contribuir muito pouco para o tempo que ficámos. A Susana iniciou os estágios de observação em escolas Waldorf no Brasil e está a adorar conhecer novas formas de estar e atuar no cuidado da criança até aos 3 anos.

Nas palavras da Susana este intervalo no seu trabalho em Portugal para conhecer estas escolas "é como ir ao topo de uma montanha inspirar ar puro".

3

Com o passar dos dias, à medida que conhecemos melhor a ilha percebemos que o ambiente do centro é muito diferente do chillout que se vive na zona leste da ilha, onde estão as mais belas praias e as ondas de que tanto se ouve falar.

Na próxima semana, segundo o pedreiro chegavam três americanos, mas no sábado o dono do hostel pediu-nos que deixássemos as chaves num canto pois iria chegar mais uma pessoa para ajudar no hostel. Deixámos tudo organizado e arrumado, pois iríamos sair no início da próxima semana. Fomos até à Lagoa da Conceição e no autocarro fomos pedindo informações de como chegar até à cachoeira que existia por lá.

4

Chegámos à trilha de barco, e que bela paisagem! Avisaram-nos que na trilha havia cobras, mas o que encontrámos foi uma iguana com um metro de comprimento. Descansámos na cachoeira que por momentos estava vazia só para nós.

5

Ainda falámos com um senhor que viajou durante dez anos pela América do Sul e um outro que vez a travessia do Atlântico num veleiro, que é a forma como gostaria de terminar esta viagem.

Quando regressámos a casa, ao final do dia, a luz da cozinha estava acessa!

Veja também:

Diogo Campos Diogo Campos

Diogo Campos é um sonhador de natureza. Tirou um Mestrado em Engenharia do Ambiente, já teve um negócio de sumos naturais e por vezes dedica-se à agricultura biológica. No ano de 2016 decidiu deixar tudo para trás e ir viajar apenas com bilhete de ida para a América do Sul, mas mais do que isso decidiu ir praticamente sem dinheiro. Neste momento está apenas dedicado à escrita e a viajar.