Vantagens e desvantagens de um seguro de protecção ao crédito

- "Devo subscrever um seguro de protecção ao crédito?" Esclarecemos as suas dúvidas. Um seguro de protecção ao crédito pode ser muito vantajoso em determinados momentos, mas também tem as suas desvantagens. Saiba mais.

Vantagens e desvantagens de um seguro de protecção ao crédito
O que importa saber sobre um seguro de protecção ao crédito

Os seguros de protecção ao crédito têm vindo a assumir uma importância cada vez mais notória. A actual instabilidade financeira e social do país empurra as pessoas para uma forte insegurança que, de certa forma, faz questionar sobre os pedidos de empréstimo. É neste contexto que surgem os seguros de protecção de crédito e que acabam por trazer algumas vantagens. No entanto, existem também muitas desvantagens associadas a este tipo de seguro.
 
Leia o nosso artigo e fique esclarecido. Depois, certamente tomará a decisão mais acertada em relação à contratualização ou não de um seguro de protecção ao crédito.
 

Principais vantagens

1. O seguro de protecção ao crédito é apontado como a solução mais viável de fazer um crédito de forma descansada;
 
2. Este seguro garante que, em caso de invalidez, incapacidade temporária ou desemprego, a seguradora assume as prestações do cliente, substituindo-o;
 
 
3. Em caso de desemprego, o seguro garante o pagamento das prestações do empréstimo até à situação de emprego no máximo até 6 meses.
 

Mais desvantagens do que vantagens

Após uma breve pesquisa pelo mercado, foi fácil de perceber que este tipo de seguros tem mais desvantagens do que vantagens. 
Deixamos aqui algumas razões que podem levar as pessoas a não contratar este tipo de seguros. No entanto, em algumas entidades bancárias, quando solicitado um crédito pessoal, o seguro de protecção ao crédito já é considerado obrigatório.
 

1. Preços muito elevados

Os seguros de protecção ao crédito praticados actualmente no mercado têm custos muito elevados. Fazer um seguro destes implica que o mesmo vá representar uma boa parte dos custos com o crédito. Segundo a DECO, “para um empréstimo de cinco mil euros a 24 meses, pode ter de pagar à cabeça 210 euros de prémio, o que representa cerca de 15% dos encargos associados ao crédito”.
 

2. Períodos de carência

A maioria dos seguros só pode ser activada 60 dias depois de fechado o contrato. Outra das desvantagens é o facto de, após activar uma cobertura, só poderá fazê-lo novamente seis meses depois. Este período é intitulado de período de requalificação. O que acontece é que se tiver uma recaída dentro deste período, o seguro não irá cobrir.
 

3. Pagamento só ao fim de 30 dias

O seguro de protecção ao crédito protege, na sua génese, a incapacidade temporária para o trabalho. Ou seja, se o cliente deixar de trabalhar por acidente ou doença, o seguro deveria ficar logo activo. No entanto, a cobertura de um seguro deste género só pode ficar activa caso a incapacidade dure mais de 30 dias. Se durar menos, o seguro não garante as mensalidades.
 
Veja também: