Quer receber toda a informação sobre tecnologia ?

Inscreva-se já e receba as melhores dicas e artigos diretamente no seu email.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt e pelos nossos Parceiros

Enviar

Já podemos pedir para ser apagados da internet

Quem não quiser ver os seus dados espelhados num motor de busca na internet, já poderá ter direito a pedir que os apaguem. A notícia é avançada pela Google e esta medida estará disponível para os residentes da União Europeia.

Já podemos pedir para ser apagados da internet
Google avança que vai passar a apagar informações dos utilizadores

Muita tem sido a polémica em torno da internet e de todos os dados que ficam registados. A falta de privacidade faz com que alguns utilizadores do mundo cibernético se questionem de que forma conseguem não ser “tão vigiados” ou, podem ir ainda mais longe, questionando de que forma é que os seus dados e registos não ficam para sempre num lugar que ninguém domina.

Neste âmbito, a Google foi notícia esta semana, tendo colocado um formulário online para que os cidadãos europeus possam pedir para serem “apagados” ou “esquecidos nos resultados do motor de busca na internet, sempre que considerem inadequado ou irrelevante.


O direito dos cidadãos serem apagados da Internet

Esta decisão surge depois do Tribunal de Justiça da União Europeia ter reconhecido no passado dia 13 de Maio, o direito dos cidadãos da União Europeia serem apagados da internet. Existem actualmente muitos pedidos de milhares de cidadão, tanto à Google como a outros proprietários de motores de busca, para retirarem toda a sua informação e todas as ligações a informações pessoais, de forma a manterem a sua privacidade, mesmo neste mundo. Na página web da Google pode ainda ler-se que "implementámos esta decisão, estudaremos cada petição individual e vamos tentar alcançar um equilíbrio entre os direitos individuais e o direito público de conhecimento e distribuição da informação".


Sobre o formulário

A Google assegura que este formulário é "um esforço inicial" e que irá trabalhar com as autoridades de protecção de dados para "aperfeiçoar a sua estratégia". A empresa reforça ainda que vai criar um comité consultivo para ajudar a definir o equilíbrio entre o direito ao esquecimento e o direito à informação.


Veja também: