PEJENE: universitários podem candidatar-se a 300 estágios de verão

Jovens universitários têm até 10 de julho para se candidatarem a uma das cerca de 300 vagas do PEJENE.

PEJENE: universitários podem candidatar-se a 300 estágios de verão
Candidaturas abertas até 10 de julho

O PEJENE – Programa de Estágios de Jovens Estudantes do Ensino Superior nas Empresas – coloca à disposição dos jovens universitários que se encontrem a frequentar o último ou penúltimo ano de qualquer curso superior, uma bolsa de estágios com cerca de 300 vagas.

Através do Programa de Estágios de Jovens Estudantes do Ensino Superior nas Empresas, a Fundação da Juventude disponibiliza ofertas de estágios em cerca de 80 áreas de formação.

PEJENE abre 300 vagas de estágios para universitários

Os estágios realizam-se entre julho e setembro de 2017 e pressupõem a atribuição de subsídio de alimentação e de transporte, assim como um seguro de acidentes pessoais.

São cerca de 300 as vagas que se encontram por preencher em mais de 80 áreas distintas de formação que vão desde saúde, a tecnologias passando pelo ensino, jornalismo, gestão ou áreas como ciências do património ou conservação e restauro, entre outros.

Os estágios estão disponíveis em todo o país, sendo que cada estudante tem a possibilidade de se candidatar até 4 vagas de estágio, de acordo com as suas preferências.

Como explica Ricardo Carvalho, Presidente Executivo da Fundação da Juventude, “o PEJENE promove uma relação direta entre a Escola e a Empresa/Entidade de acolhimento, através do desenvolvimento de projetos conjuntos de formação em local de trabalho, ainda durante o período de estudo dos jovens. Este é um programa cujo principal objetivo é integrar o estagiário numa entidade de acolhimento, desenvolvendo tarefas específicas de acordo com um Plano de Estágio previamente elaborado de acordo com a área de formação do estagiário. Os estágios decorrem sob a supervisão de um tutor técnico (profissional) experiente da entidade de acolhimento que, no final do mesmo, elaborará um relatório de avaliação final”.

Ricardo Carvalho faz um balanço positivo do programa que vai já na 25º edição e acrescenta que “na última edição do programa PEJENE a taxa de empregabilidade, verificada após a realização do estágio, foi de 19%, o que representa um acréscimo de 4% face a 2015. São resultados que se revelam bastante significativos, tendo em conta a conjuntura atual, em que existe uma grande dificuldade de empregabilidade por parte de jovens diplomados”.

Vagas estão disponíveis para consulta no site da Fundação da Juventude.

Veja também: