Poupança para as empresas é assegurada no novo orçamento

O novo Orçamento do Estado para 2014 mantém a obrigatoriedade das empresas so sector público continuarem com o seu objectivo de poupança. Cortes nos recursos e nos custos operacionais são algumas das medidas previstas.

Poupança para as empresas é assegurada no novo orçamento
O estado vai continuar a obrigar as empresas a apostarem na poupança
  • Com o novo orçamento, as empresas irão continuar a tomar medidas de poupança

Em semana de apresentação de Orçamento de Estado, os objectivos de poupança para as empresas mantém-se no mesmo rumo.

As medidas apresentadas para o próximo ano, prevêem que a generalidade das empresas públicas sejam obrigadas a reduzir até 3% o número de trabalhadores relativamente aos quadros  existentes a 31 de Dezembro de 2012.

 

No entanto, todos os objectivos de poupança associados às empresas serão definidos de acordo com o resultado das empresas. Se falarmos das empresas deficitárias, estas devem garantir que o seu orçamento é economicamente equilibrado, assegurando as balizas de poupança.

 

A redução de custos operacionais, redução dos gastos com pessoal, redução dos gastos operacionais no volume de negócios, entre outros, são algumas das medidas estabelecidas para continuar a investir no plano de poupança.

 

As excepções

O Orçamento prevê apenas uma excepção em termos de custos. Aceitando a manutenção das despesas com deslocação, alojamento e comunicações ao nível do registado no final de 2013, o Orçamento abre uma excepção e permite que os custos aumentem caso exista um processo de internacionalização, por exemplo.

 

Já o sector de saúde se assume como uma excepção em relação a todos os objectivos de poupança definidos para o sector público.