Como poupar no condomínio em 9 passos

Um condomínio pode comparar-se a uma pequena empresa, há que saber geri-lo. Conheça 9 dicas para saber como poupar no condomínio.

Como poupar no condomínio em 9 passos
Descubra algumas dicas úteis que o vão ajudar a poupar no condomínio.

Quando o assunto é o condomínio há quem fique com os “cabelos em pé” só de pensar nas despesas que lhe estão associadas. Mas, porque nos dias que correm, a palavra de ordem é poupar, há que saber gerir bem o condomínio para evitar gastos acrescidos no final do mês. Reunimos algumas dicas que o podem ajudar a poupar no condomínio
 

Poupar no condomínio: 9 dicas úteis 


1. Renegocie contratos 

Uma boa renegociação dos contratos do condomínio (como manutenção de elevadores, limpeza do edifício, jardinagem, limpeza dos espaços comuns, etc.) pode representar uma poupança substancial nas despesas do condomínio. Esta medida pode significar a contratação de novos serviços a preços mais vantajosos ou até a descida dos preços por parte das empresas já contratadas, permitindo poupar uns bons euros ao fim do ano. 



2. Compare preços e serviços na hora de escolher fornecedores 

Na hora de escolher uma empresa ou fornecedor de serviço não olhe apenas ao preço, mas tenha também em consideração as necessidades do condomínio e a oferta de cada fornecedor de forma a escolher um com o qual possa estabelecer uma relação de confiança e ao qual possa recorrer sempre que necessário. Lembre-se que nem sempre os serviços mais baratos são a melhor solução. Importa escolher um fornecedor que alie o preço à qualidade dos serviços. 



3. Privilegie a comunicação com os condóminos via correio eletrónico 

Porquê enviar cartas e pagar por isso se pode mandar a informação por e-mail? Sempre que a lei o permita – e isso é possível na maioria da documentação do condomínio – envie as comunicações relacionadas com o condomínio por e-mail. É possível, por exemplo, enviar recibos ou avisos de pagamento por email poupando no papel e nas despesas de correio.

Contudo, a lei não permite o envio das convocatórias das assembleias e das atas de condomínio aos ausentes por correio eletrónico. No caso das convocatórias pode usar o livro de protocolo, mas se o fizer tenha em atenção que é fundamental que exista um documento assinado pelos condóminos a confirmar a receção da convocatória.



4. Crie um Fundo Comum de Reserva

Esta medida não ajuda necessariamente a poupar no condomínio, mas sim a rentabilizar a poupança do condomínio. Ou seja, o Fundo Comum de Reserva do Condomínio serve para suportar as despesas de conservação do edifício. Este deve estar obrigatoriamente depositado numa instituição bancária e cabe a cada condómino contribuir com, pelo menos, 10% da qua quota-parte nas despesas do condomínio.

A gestão deste fundo cabe à administração do condomínio que deve analisar e selecionar a melhor solução de poupança ou investimento, usualmente uma conta a prazo ou uma conta-poupança condomínio. 



5. Analise as despesas bancárias

A escolha de um banco com soluções a preços mais acessíveis é uma boa forma de poupar no condomínio. Por isso é importante contabilizar as despesas e comissões de conta e comparar com outras instituições bancárias de forma a escolher a que lhe oferece melhores condições. 
 


6. Escolha o melhor seguro e o mais adequado às necessidades do condomínio

Telhado, escadas, elevadores, garagem, etc. todas estas áreas comuns terão que estar seguradas. Ora também aqui pode poupar, devendo para isso escolher um seguro adequado às necessidades do condomínio. O seguro de incêndio é o único obrigatório, mas pode ser insuficiente. O ideal será encontrar um seguro multirriscos-condomínio. Analise e escolha a melhor opção existente no mercado. 



7. Contrate uma empresa de gestão de condomínios

Pode pensar que constituem mais um custo, mas na realidade podem configurar algumas poupanças para os condóminos. Isto porque as empresas de gestão de condomínios têm acesso a preços mais acessíveis nos serviços (como limpeza ou manutenção de elevadores, por exemplo). Isto para não falar que asseguram a emissão de recibos, controlo de pagamentos, depósitos ou elaboração de orçamentos, libertando o administrador do condomínio destas tarefas. 



8. Mude para o mercado liberalizado

Se ainda não o fez, equacione mudar o contrato de eletricidade do condomínio para o mercado liberalizado para conseguir poupar na conta da eletricidade. Mesmo que a poupança não seja substancial, é garantida. 



9. Tente regularizar as quotas em atraso

Um dos maiores problemas da gestão do condomínio são as quotas em atraso. A solução aqui pode passar por fazer acordos de pagamento com condóminos em falta de forma a evitar recorrer a tribunais, que implicam custos adicionais. Um acordo de pagamento, que o condómino faltoso consiga cumprir, será benéfico para todas as partes.

Veja também: