7 dicas infalíveis para escolher a mala de viagem perfeita

A escolha de uma mala apropriada é absolutamente essencial para garantir que a sua viagem decorre na perfeição. Siga as nossas 7 dicas obrigatórias.

7 dicas infalíveis para escolher a mala de viagem perfeita
Cobrimos tamanho, cor, material e muitas outras variáveis.

Na escolha de uma mala de viagem deve ter em conta não só o local para onde vai, a forma como lá vai chegar e a duração da deslocação, mas também a sua própria personalidade de viajante. Se for gostar de acampar, provavelmente vai privilegiar uma bagagem com bastantes bolsos para colocar todos os extras; se for um homem de negócios, o ideal será uma mala mais rígida, com compartimentos para os aparelhos eletrónicos; uma fashionista vai valorizar os apliques e elásticos que mantêm as roupas devidamente esticadas e sem rugas.

Assim, para evitar stress desnecessário, limitando a aventura da viagem a facetas positivas da mesma, é então essencial escolher a mala correta para si. Conhecendo a imensa variedade da oferta disponível, e no sentido de lhe facilitar a seleção, apresentamos de seguida um conjunto de dicas absolutamente essenciais. Boa escolha!
 

7 dicas infalíveis para selecionar a melhor mala de viagem

 

1. Tamanho e peso

O tamanho e peso são as variáveis mais importantes na escolha de uma mala de viagem. A primeira coisa a fazer é nunca – nunca! - selecionar bagagem que não consiga transportar completamente sozinho. A ideia é evitar causar danos irremediáveis às suas costas ou saúde em geral. 

Depois, deve ter em conta os limites estabelecidos pelas companhias aéreas – é certo que estes variam de umas para as outras, mas pode sempre optar pelos mais reduzidos, que serão adequados a todas. A nossa sugestão recai sobre o tamanho e peso recomendados pela Ryan Air (no entanto, informe-se sempre com a companhia que selecionou):
 
  • Mala de porão: 119 cm largura x 119 cm de altura x 81 cm profundidade; 20 kg
  • Mala de mão: 40 cm largura x 55 cm de altura x 20 cm profundidade; 10 kg  
 
 

2.  Mobilidade

O segundo fator mais importante são as rodas, que lhe permitem deslocar a mala de viagem sem esforços desnecessários. Vejamos, de seguida, as alternativas disponíveis:
  • Duas rodas: existindo há mais tempo, este modelo disponibiliza maior variedade de escolha; as rodas deslocam-se para a frente e para trás, estando protegidas pelo corpo da mala, o que evita estragos de maior; o seu design facilita também o transporte em terrenos mais incertos; a maior desvantagem das duas rodas é o facto de ter de ser arrastada, o que pode causar dores nos pulsos e ombros.
 
  • Quatro rodas / Spinner: as rodas deslocam-se em 360º, o que possibilta que vire a mala em qualquer direção, facilitando o transporte e permitindo que se limite a empurrá-la junto de si, se for o que desejar; a grande desvantagem é a disposição saliente das rodas, que se estragam com maior facilidade e ocupam mais espaço.

Dica: teste os vários tipos de modelos na loja, antes de comprar; nem sempre a escolha óbvia é a mais indicada para si.


 

3. Durabilidade e material

Este é um dos pontos mais importante a considerar. Afinal, o que se pretende é que a mala dure uns bons anos, transformando-se numa companheira de aventuras, certo? Assim, é essencial ter presentes quer o material, quer o design ou forma de construção da mesma. Veja as opções abaixo:
 
  • Rígida: sofrendo constantes melhorias, estas malas são agora produzidas em materiais tão leves que parecem desafiar as leis da física, mantendo intactas as características de durabilidade e resistência à pressão. A vantagem desta escolha é a inquestionável proteção que assegura aos seus pertences; a desvantagem é que não pode ajustá-la ao espaço disponível, uma que não há cedências.
 
  • Semirígida ou mole: estas malas tendem a ser mais leves que as anteriores, resistindo melhor aos choques e com a vantagem de se poderem encaixar em qualquer local. No entanto, há que ter em atenção o tecido, que deve ser bastante resistente, lavável e, idealmente, à prova de água. 
 
 

4. Cor e decoração

Poupe-se às confusões causadas pela malinha preta ou azul escura. O ideal será mesmo escolher uma bem colorida ou com decorações arrojadas, uma vez que estas facilitam a identificação imediata, evitando horas no tapete rolante a tentar reconhecer a sua mala de viagem entre tantas outras iguais; além disso, torna-se mais difícil haver uma troca de bagagens ou alguém escapar com os seus pertences.

Dica: se acabar por optar pelo clássico, que se estraga e suja menos, sugerimos que ate um lenço ou fita bem alegre numa das alças da mala, para a reconhecer mais facilmente.


 

5. Extras determinantes

As características de cada mala de viagem devem adequar-se e responder aos gostos e necessidades do tipo de viajante que a vai adquirir. Assim, quando escolher a sua, não deixe de ter em conta os pontos que lhe apresentamos abaixo.
 
  • Alças: as alças laterais e no topo da mala facilitam imenso o seu transporte; além da ergonomia e conforto, tenha também em conta a resistência do material em que são feitas, uma vez que terão de aguentar o peso dos seus pertences.
 
  • Alça telescópica: teste bem esta alça: estenda-a até à altura máxima e verifique se tem a altura apropriada para si, não ficando a bater nos tornozelos, pernas ou costas; depois assegure-se de que tranca, fica trancada no topo e é fácil de voltar a recolher; outro pequeno detalhe a considerar quando viaja frequentemente com a mala atrás de si, é que o local por onde a puxa seja almofadado.
 
  • Capacidade de expansão: algumas malas preveem um fecho a meio que, quando aberto, lhe acrescenta uma considerável área. Este extra é bastante valorizado quando partimos de férias e regressamos com algumas lembranças; no entanto, cuidado para que continue a caber nos locais onde veio .
 
  • Bolsos e compartimentos: este aspeto é extremamente útil quando se trata de organizar os seus pertences. Por norma, as malas moles e semirígidas oferecem maior variedade de escolha neste aspeto; no entanto, existem muitas alternativas disponíveis por onde escolher. Trata-se apenas de cruzar esta variável com todas as outras e fazer uma pesquisa.
 
  • Fechos: os maiores tendem a ser mais resistentes e a lidar melhor com o desgaste das viagens; opte por fechos de metal e auto reparadores – chamam-se assim porque se houver algum problema com os seus dentes, basta abrir e fechar novamente o fecho para o resolver.
 
  • Fechaduras: para garantir alguma segurança extra, pode sempre optar por uma mala que inclua fechaduras com código aprovadas pela TSA (Transportation Security Administration). No caso de tal não ser viável, não dispense o fiel aloquete.
 
  • Fitas interiores ajustáveis: essenciais para quem quer manter os seus pertences bem acondicionados, fixos e seguros.
 
  • À prova de água: para garantir que os seus pertences chegam intactos ao destino, importa que a mala tenha sido tratada com um selante que evite a entrada de água no seu interior
 
 

6. Preço

Por vezes, o barato sai caro. O ditado não podia ser mais verdadeiro do que quando nos referimos à compra de uma mala de viagem. Dado que, por certo, não pretende ficar com a alça retrátil partida a meio do caminho ou com os seus pertences espalhados no chão de um aeroporto, a nossa recomendação é que invista um pouco nesta compra. Se não tiver de trocar de mala todos os anos, o valor acaba por compensar.

Dica: isto não implica comprar bagagem de marcas vistosas ou demasiado dispendiosas, que acabam por se tornar um íman para os ladrões; o que se pretende aqui é qualidade e não moda.


 

7. Garantia

Analise sempre muito bem as condições da garantia associada à mala de viagem que tomar a decisão de comprar. Tendo em conta que a ideia é que esta seja a sua companheira ao longo de muitos, muitos anos, o ideal é comprar bagagem com garantia vitalícia – parece incrível, mas asseguramos-lhe que existe.


Esperamos ter ajudado na escolha da mala de viagem perfeita para si. Boas compras e boa viagem!


Veja também: