AUMENTe AS sUAS PROBABILIDADES DE ARRANJAR EMPREGO!

Fui despedido, e agora?

Devido à crise atual, são muitas as pessoas que se veem perante esta questão: fui despedido, e agora?! Saiba o que fazer.

Fui despedido, e agora?
Este é o dilema que muitos portugueses enfrentam atualmente.

“Fui despedido, e agora?!”
 
Infelizmente esta não é uma situação rara. Muitos de nós (senão mesmo todos) já passaram por esta situação ou ouviram amigos e familiares a formular esta mesma questão.
 
A questão não tem resposta fácil, mas tem solução.
 

Primeiro passo: reaja!

Sim, ser despedido é uma experiência traumática, mas depende de si “dar a volta por cima”.
 
É normal que depois de ouvir as suas chefias comunicarem-lhe que já não necessitam dos seus serviços seja atingido por uma série de sentimentos. Choque, revolta, preocupação, negação ou até desespero e depressão são sentimentos normais. E obviamente vai passar e repassar vezes sem conta na sua mente a frase: "Fui despedido, e agora?!”
 
Mas por mais confuso ou desorientado que possa estar lembre-se que para sair dessa situação é fundamental que reaja e vá à luta. Quanto mais tempo perder a lamentar-se e dizer repetidamente “fui despedido, e agora?!” pior será.
 
Levante a cabeça e toca a procurar novas oportunidades!
 

Segundo passo: informe-se dos seus direitos

Informe-se dos seus direitos e reivindique-os.
 
Reformule a sua questão e pense: “Fui despedido. E agora… quais são os meus direitos?”
 
Pode ter sido despedido, mas isso não significa que tenha que sair de “mãos a abanar”. Informe-se para saber se tem direito a subsídio de desemprego ou (quem sabe) a receber algum tipo de indemnização.
 

Terceiro passo: “mãos à obra!”

Se acha que a solução passa por ficar confortavelmente sentado no seu sofá à espera que o telefone toque, não podia estar mais enganado. Se quer reverter a sua situação tem que trabalhar nesse sentido.
 
Comece por repensar a sua carreira, trace um plano de ação. Tente perceber se está a caminhar no percurso certo para si; veja o que deve mudar; e porque não até equacionar uma mudança de carreira?! Arriscado?! Talvez, mas quem sabe se não é a resposta para o seu problema.
 
Depois não se esqueça que nunca é demais apostar na sua formação. É fundamental que não negligencie as suas competências profissionais. Lembre-se que nesta “selva” que é o mercado de trabalho é fulcral que se destaque entre os demais; e ter um bom leque de competências faz toda a diferença. Faça novas formações para atualizar as suas competências ou para acrescentar novas ao seu perfil.
 
E claro, a preparação para o processo de recrutamento também não podia faltar. Parece-lhe que estamos sempre “a bater no ceguinho”?! Se calhar até estamos, mas nunca é demais relembrar.
 
Reveja e atualize o seu Curriculum Vitae e a sua carta de apresentação e prepare-se devidamente para as entrevistas e emprego.
 

"Quando uma porta se fecha, há sempre uma janela que se abre"

Este deve ser o seu lema. Pense neste ditado como uma frase para o motivar e acabar de vez com a lamentação o “fui despedido” ou “e agora que vai ser da minha vida?”.
 
O que vai ser não sabemos, mas cabe-lhe a si renovar as energias e a motivação para erguer a cabeça e procurar soluções.
 
Veja também: