Irritabilidade: causas, sintomas e dicas para combater

A irritabilidade está entre os principais problemas que afetam a saúde mental, graças à sociedade agitada em que vivemos. Descubra como combatê-la.

Irritabilidade: causas, sintomas e dicas para combater
Saiba como tratar este problema de saúde mental

A irritabilidade é um dos problemas de saúde mental mais comuns na sociedade atual, e costuma ser causada por um transtorno existente numa área cerebral, designada como sistema límbico.

Quando uma pessoa se sente irritada tende a ficar frustrada com facilidade, o que poderá fazê-la “ferver em pouca água” em algumas situações banais do dia a dia.

Se a sensação de irritabilidade se tratar de um caso passageiro, não há motivos para grande preocupação. No entanto, se o problema continuar por um período de tempo significativo, pode ser um sintoma de transtorno mental ou de algum outro quadro clínico, e deve ser levada mais a sério.

Irritabilidade: causas e sintomas


Causas

Se o problema afetar bebés e crianças, pode ter a ver com uma fase em que se encontrem doentes. Infeções no ouvido e dores de barriga costumam torná-los mais irritados, também pelo facto de não conseguirem exprimirem-se bem para poderem descrever os sintomas.

Já no caso dos adultos, a irritabilidade pode ser causada por alguma doença, ou também por fatores ambientais, uma vez que o indivíduo sente um aumento exagerado a estímulos do ambiente que o rodeia, além de uma baixa tolerância quando lhe surgem situações incómodas.

crianca irritada

Este problema tem inúmeras causas que podem ser divididas em duas categorias, sendo elas a clínica e a mental.

Os sintomas mais comuns que fazem parte das causas clínicas da irritabilidade são:

  • Dor de cabeça;
  • Dor de dentes;
  • Gripe;
  • Febre;
  • Tensão pré-menstrual;
  • Infeções nos ouvidos;
  • Prisão de ventre;
  • Anemia por deficiência de ferro;
  • Hipoglicemia;
  • Doenças que causam alterações ou oscilações hormonais (menopausa, hipertiroidismo, síndrome do ovário policístico).

No que respeita à categoria mental, são estes os quadros psicológicos que podem causar irritabilidade:

  • Stress;
  • Ansiedade;
  • Insónias;
  • Fadiga prolongada;
  • Transtorno bipolar;
  • Transtorno de humor crónico (distimia);
  • Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH);
  • Depressão;
  • Autismo;
  • Esquizofrenia.

O consumo de alguns medicamentos também pode ter como efeito colateral levar ao estado de irritabilidade. Conheça mais causas que podem desencadear esta sensação:

  • Abstinência de cafeína;
  • Abstinência de nicotina;
  • Consumo excessivo de drogas;
  • Alcoolismo.

No entanto, existem pessoas que sofrem frequentemente de uma irritabilidade cuja causa pode ser inexplicável. Se esse for o seu caso, deve marcar uma consulta com o seu médico para que possam chegar a uma conclusão sobre as possíveis causas que desencadearam o problema, e assim conseguirem obter a melhor forma de tratamento.

Sintomas

A irritabilidade pode provocar outros sintomas, que surgem durante ou até mesmo antes do período em que a pessoa se sente irritada. Conheça alguns desses sintomas:

  • Raiva;
  • Confusão;
  • Coração acelerado;
  • Respiração rápida;
  • Suores frios;
  • Tontura ou vertigem.

Se a irritabilidade estiver a ser provocada por um desequilíbrio hormonal, o indivíduo pode apresentar outros sintomas como:

Existem sintomas mais comuns de irritabilidade, como a tendência para uma forte impulsividade e o descontrolo emocional. A pessoa torna-se assim menos tolerante, mal humorada, e pode começar a isolar-se para evitar o convívio com os outros.

irritabilidade

Irritabilidade: diagnóstico e tratamento


Diagnóstico

Se estiver a sentir irritação durante um longo período de tempo, deverá marcar consulta com o seu médico, que terá de estar a par do historial clínico e das doenças psicológicas do paciente, além de saber quais os medicamentos que este costuma tomar.

Além de poder ser pedido um exame físico, também poderá ser solicitado um exame de sangue e à urina. Se forem detetadas determinadas hormonas no exame de sangue, estas poderão indicar um desequilíbrio hormonal que poderá justificar a irritabilidade. Já o exame à urina irá indicar os níveis de açúcar para ver se o paciente tem diabetes.

Os diabéticos podem sofrer de irritabilidade devido à dificuldade que o organismo tem para regular os níveis de insulina, pois as variações extremas do açúcar no sangue tornam essas pessoas irritáveis.

Tratamento

A melhor forma de curar a irritabilidade é tratar da doença que está a causá-la, a qual se irá saber mais facilmente depois da realização de um diagnóstico médico.

As crianças que se sentem irritadas devido a alguma infeção, poderão deixar de ser irritáveis após a cura da infeção.

Um especialista em doenças mentais, por exemplo, é o mais indicado para tratar a irritabilidade causada por um transtorno psicológico. Ele poderá receitar medicamentos controlados para o controle do humor, além de poder haver também umas possíveis consultas com um terapeuta.

Já os desequilíbrios hormonais podem ser normalmente corrigidos através de uma reposição hormonal se assim o médico o indicar, pois é ele quem cria um plano de tratamento correto para cada paciente.

Mas uma boa alimentação, exercício físico e noites bem dormidas são também soluções eficazes para o tratamento da irritabilidade, pois ajudam a influenciar positivamente o cérebro. Ingerir alimentos ricos em cálcio, como a couve, o espinafre, o agrião e outros vegetais de cor verde escura, pode atenuar o problema e regularizar os batimentos cardíacos.

Conheça outras dicas que irão ajudar a afastar a sensação de irritabilidade da sua vida.

meditacao

8 dicas para combater a irritabilidade


1. Respire lentamente, pois a exalação lenta ajuda a relaxar o corpo;

2. Procure dormir um sono regular e reparador;

3. Arranje mais tempo para conviver com familiares e amigos;

4. Passe mais tempo em contato com a natureza;

5. Pratique meditação;

6. Exercite o corpo;

7. Tente não ser tão perfecionista e aceite a imperfeição;

8. Pense nas coisas boas existentes na sua vida e sinta-se agradecido.

Veja também:

Cátia Tocha Cátia Tocha

Formada em Ciências da Comunicação pela Universidade Autónoma de Lisboa, onde concluiu Licenciatura e Mestrado, começou o seu percurso como jornalista na Rádio. Hoje, escreve sobre diferentes áreas e tem já alguns anos de experiência na escrita para meios online.