Óleos essenciais: principais benefícios e cuidados a ter

Já ouviu falar nos óleos essenciais? Neste artigo explicamos o que são e mostramos, com a ajuda de um especialista, os cuidados a ter na sua utilização.

Óleos essenciais: principais benefícios e cuidados a ter
A opinião de Carlos Cavaleiro, da Universidade de Coimbra

Os óleos essenciais são compostos extraídos de plantas aromáticas ou partes delas, que têm diversas aplicações. São usados, por exemplo, na indústria alimentar, dos perfumes, dos produtos cosméticos, de higiene e limpeza e também para fins terapêuticos.

Estes óleos são conhecidos pela sua atividade antimicrobiana, pelos efeitos que exercem sobre o sistema digestivo, respiratório, músculo-esquelético, sobre a pele ou tecidos expostos.

Exemplos de óleos essenciais

Para perceber melhor como usar estes óleos com segurança, estivemos à conversa com Carlos Cavaleiro, professor da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.

Segundo o especialista, “nos últimos anos tem-se assistido a um aumento da procura dos óleos essenciais para o uso medicinal. Contudo, na maioria das situações, isso acontece sem que haja aconselhamento por parte de um profissional de saúde, ou seja, sem que estejam ponderados os potenciais benefícios e acautelados os riscos inerentes à utilização”, alerta.

Carlos Cavaleiro salienta ainda que existe muita informação acerca desta área na Internet que não é credível e reforçou que, quem quiser recorrer aos óleos essenciais, deve contactar um médico ou farmacêutico em primeiro lugar.

Cuidados a ter ao usar óleos essenciais

óleos essenciais

Há uma série de cuidados a ter quando se usam óleos essenciais para fins terapêuticos. Carlos Cavaleiro explica que “apesar de alguns (poucos) óleos serem de uso tradicional, a sua utilização como alternativa terapêutica deve estar sempre dependente de aconselhamento por um profissional de saúde, médico ou farmacêutico“.

Alguns conselhos e regras para uso seguro dos óleos essenciais:

1. Todo o óleo essencial é potencialmente tóxico (mesmo letal), dependendo da dose;

2. O utilizador comum, em geral, não está informado sobre os efeitos, nem tem conhecimentos para determinar a posologia nem o tempo de administração;

3. Na ausência de aconselhamento por médico ou farmacêutico, nunca usar por via oral;

4. Usar apenas produtos certificados;

5. Em geral, para uso oral ou sobre a pele, os óleos devem ser diluídos ou incluídos numa formulação adequada;

6. Todo o óleo essencial pode desencadear reações alérgicas ou de hipersensibilidade, dependendo do indivíduo;

7. Em caso de ocorrer qualquer efeito adverso, deve imediatamente suspender a utilização.

Os óleos essenciais, regra geral, não são aconselhados em grávidas, crianças, doentes com patologia grave ou pessoas idosas. Em caso de dúvida, deve sempre consultar um médico ou farmacêutico.

Onde e como comprar óleos essenciais?

Pode adquirir óleos essenciais, por exemplo, em algumas lojas online especializadas ou em ervanárias. Como não é necessária uma licença específica para venda destes produtos, o especialista Carlos Cavaleiro faz um alerta ao consumidor: “O mercado oferece produtos de qualidade muito distinta, incluindo produtos adulterados, sendo que o consumidor apenas deve adquirir produtos certificados, devidamente rotulados e com indicação de lote e do respetivo boletim de análise”, explica.

Ao adquirir deve ter em atenção que o frasco deve ser escuro, neste caso, castanho ou preto, impedindo a luz solar de entrar e evitando a alteração do óleo. Na embalagem deverá também estar descrito o nome científico (com a indicação da espécie e subespécie botânica).

Veja também: