Quanto custa ter um filho: o que contabilizar no 1º ano

Quer saber quanto custa ter um filho? Veja que despesas deve esperar durante o primeiro ano, incluindo gravidez, parto e primeiros meses.

Quanto custa ter um filho: o que contabilizar no 1º ano
Bebé novo, orçamento novo

O nascimento de um filho é, sem dúvida, um momento único e muito especial. Porém, convém perceber as responsabilidades e cuidados que acarreta e pensar atempadamente numa boa adequação e gestão do orçamento familiar. Pode começar por ter uma ideia de quanto custa ter um filho no primeiro ano, sem esquecer a gravidez e o parto, para melhor se organizar.

A boa notícia é que tem cerca de 9 meses para se preparar, emocional e financeiramente.

É impossível ter um valor exato de quanto custa ter um filho no primeiro ano, uma vez que tudo dependerá de várias circunstâncias, nomeadamente:

  • Se a mãe opta por ser seguida, enquanto grávida e para o parto, num hospital público ou privado;
  • Se toma medicação ou tem alguma complicação de saúde durante a gestação;
  • Se compra todos os artigos e produtos para si e para o bebé ou se já os tem (oferecidos, emprestados ou de outra gravidez);
  • Se o bebé é alimentado com leite materno ou com suplemento;
  • Se usa fraldas descartáveis ou reutilizáveis;
  • Se vai nesse primeiro ano para uma creche;
  • Se consulta um pediatra no privado ou se vai ao centro de saúde;
  • Os gostos, possibilidades e necessidades dos progenitores, etc.

Quanto custa ter um filho: o que contabilizar

Gravidez e parto

parto

Outra boa notícia é que se a mãe escolher ser seguida no sistema de saúde público, não terá quaisquer custos nas consultas, ecografias, parto e internamento. Terá, no entanto, de pagar suplementos, cremes ou medicamentos não comparticipados.

Já se optar pelos serviços de saúde privados, um parto natural pode custar-lhe valores a partir de 2500€ e se for uma cesariana valores a partir dos 4500€, estes são valores de referência encontrados em alguns preçários online de hospitais privados.

Por isso, se tem algum subsistema de saúde, confirme se comparticipa consultas e exames durante a gravidez e partos (informe-se previamente porque, por exemplo, a ADSE deixou recentemente de comparticipar ecografias obstétricas) ou pense em fazer um seguro de saúde.

Se decidir fazer um seguro, garanta que cobre despesas de consultas, exames, parto e período de internamento, e informe-se sobre os eventuais períodos de carência, para que não tenha surpresas desagradáveis.

Os primeiros meses

bebe

Certo é que, independentemente da opção para o seguimento durante a gravidez e o parto, a estes valores acresce a preparação para receber o bebé em casa, bem como o que a mãe e o bebé têm que levar para o hospital, como roupa para mãe e bebé e produtos de higiene para a mãe.

Por isso, e para ter uma ideia de quanto custa ter um filho no primeiro ano, poderá, com os elementos abaixo, fazer uma checklist e calcular o que vai gastar, que dependerá, com certeza, de onde pode ou quer comprar, como pode ver pelo exemplo seguinte.

Se procurar em feiras, lojas como Primark ou em supermercados, como Jumbo ou Continente, ou se encontrar promoções, encontrará vários essenciais para levar para o hospital e usar em casa, por exemplo, camisas de noite ou similares, a partir de 5€ ou 6€. Mas se optar por lojas de renome num shopping, os valores de uma camisa de noite podem ascender os 50€.

O mesmo acontece com kits de higiene e apoio à saúde para o bebé (termómetro, corta-unhas, limas, etc.). Aliás, com tudo aquilo de que necessita. Prepare a sua listagem e compare os preços e a qualidade em alguns locais e depois opte pelo que lhe parecer mais adequado e possível comprar.

Checklist: o essencial para a mãe no hospital e nos primeiros meses

  • 2 camisas de noite (min.);
  • 6 cuecas descartáveis (mínimo para levar para o hospital) e pensos higiénicos (oferecidos no período de internamento em hospital público, assim como fraldas e produtos para higiene do bebé);
  • 2 soutiens amamentação (min.);
  • 1 robe;
  • 1 par de chinelos (de banho e quarto);
  • 2 toalhas banho;
  • Produtos de higiene pessoal;
  • Discos absorventes;
  • Cinta pós-parto (opcional);
  • Saco ou mala para levar a roupa para o hospital.

 

recem nascido

Checklist: o essencial para o bebé no hospital e nos primeiros meses

  • 6 babygrows (min.);
  • 6 conjuntos interiores com calças (min.);
  • 3 pares carapins ou meias;
  • 1 a 2 casacos sem pelo;
  • 1 a 2 gorros;
  • 6 fraldas pano (min.);
  • 1 manta ou xaile;
  • Toalhitas (sem perfume, sem álcool e sem parabenos);
  • Objetos de higiene (pente, escova e limas unhas);
  • 2 toalhas banho (min.);
  • Produtos banho e corpo;
  • Outros produtos: soro fisiológico, compressas, álcool 70%, etc.
  • Banheira;
  • Chupeta recém-nascido;
  • Leite e biberão (se não amamentar);
  • Berço e colchão;
  • Roupa de cama;
  • Cadeira de carro (obrigatória para sair do hospital), carrinho e alcofa (opcionais);
  • Vacinas fora do Plano Nacional de Saúde;
  • Consultas de pediatria (gratuitas nos centros de saúde);
  • Berçário ou creche (eventualmente).

Nota: dependendo do tamanho e crescimento do bebé, o investimento em alimentação, fraldas e roupa, entre outros produtos, serão uma constante.

Outros artigos (opcionais)

  • Saco do bebé;
  • Muda fraldas;
  • Almofada para amamentar;
  • Termómetro banheira;
  • Luz de presença;
  • Marsupial;
  • Brinquedos;
  • Intercomunicador;
  • Espreguiçadeira;
  • Cadeira para comer.

Não se assuste, compre apenas o estritamente essencial e aos poucos. Lembre-se também de que vai receber prendas, geralmente roupa e brinquedos, e poderá encontrar várias formas de economizar, como pedir artigos emprestados a familiares e amigos ou optar pelas compras de artigos usados online ou em lojas próprias. 

Veja também: