Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Marta Maia
Marta Maia
25 Jun, 2020 - 13:50

Quanto custa ter um filho: o que contabilizar no 1º ano

Marta Maia

Quer saber quanto custa ter um filho? Veja que despesas deve esperar durante a gravidez e o primeiro ano de vida do bebé.

quanto custa ter um filho

Quanto custa ter um filho em Portugal? É certo que o amor de um filho não tem preço. No entanto, cuidar de uma criança tem um custo que deve ser considerado por todos os pais antes de avançarem com uma decisão tão importante como a de trazer descendência ao mundo.

De acordo com o último relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), estima-se que a nível global, cada mulher tenha, em média, 2,5 filhos (dados relativos a 2019).

Em Portugal, e apesar da ligeira subida nos últimos anos, o índice sintético de fecundidade, que mede o número médio de crianças nascidas por mulher em idade fértil, ficou-se no ano passado pelos 1,42. Ainda assim, um valor muito abaixo do que seria necessário para garantir a substituição de gerações (2,1 filhos por mulher em idade fértil).

Os motivos que explicam o número reduzido de nascimentos em Portugal são variados, mas há um que se parece destacar.

No Inquérito à Fecundidade de 2013, realizado pelo Instituto Nacional de Estatística em parceria com a Fundação Francisco Manuel dos Santos, cerca de 67% das pessoas que não têm filhos apontam os custos financeiros associados às crianças como sendo a causa mais importante para essa tomada de decisão. Como segundo factor mais importante, surgem as questões laborais.

quanto custa ter um filho (gravidez e 1.º ano de vida)?

bebé pai

Não é fácil fazer as contas ao encargo financeiro que um bebé representa, desde logo, porque os pais não são todos iguais. Se, para uns, basta assegurar o necessário para que a criança cresça saudável, para outros há que compor um enxoval mais elaborado.

De acordo com um estudo realizado pela Picodi, as despesas durante a gravidez e o primeiro ano de vida do bebé são, no mínimo, de 3.470 euros. Isto se considerarmos apenas o kit básico. Quando os pais optam por produtos adicionais ou mais caros, a conta pode chegar facilmente aos 5.260 euros.

Há ainda que considerar que, pelo menos em Portugal, é comum os pais receberem presentes de amigos e familiares para os bebés que vão nascer. Neste contexto, é possível que alguns dos produtos considerados nas contas que se seguem não tenham de ser comprados, fazendo descer a despesa total.

Vamos a contas…

Para ficarmos com uma ideia de quanto custa ter um filho, as despesas previsíveis encontram-se divididas em sete categorias.

Esta divisão diz respeito ao tipo de despesa (alimentação, saúde, etc.), mas também pode ser considerada para cada momento da chegada do bebé. Algumas coisas, como o carrinho, têm de ser compradas antes de a criança nascer, e outras (como a alimentação) só surgem numa fase posterior.

Roupa de maternidade

As contas a quanto custa ter um filho começam a fazer-se ainda antes de ele nascer.

Enquanto está grávida, a mãe tem de comprar roupa adequada e adaptável ao crescimento da barriga. Apesar de já poder ser encontrado nas lojas de roupa comuns, este tipo de vestuário tende a ser mais caro, além de ficar quase sempre de fora das promoções. Para um kit com algumas peças de roupa essenciais, o orçamento estimado é de 290€.

Se, além da roupa, a grávida quiser comprar alguns acessórios para conforto extra, como uma almofada de gravidez, um detetor de batimento cardíaco fetal ou uma balança inteligente, o kit pode chegar facilmente aos 420€.

Kit básico: 290€
Kit completo: 420€

Mala da maternidade

Ainda durante a gravidez, geralmente no terceiro trimestre da gestação, é necessário preparar a mala da maternidade, que contém alguns artigos básicos obrigatórios (estão na lista que as maternidades entregam aos futuros pais). No total, uma mala de maternidade simples custa cerca de 150€.

Se os pais forem mesmo exigentes e acrescentarem produtos não essenciais, o valor rapidamente ascende aos 200€. O mesmo acontece com alguns estojos já prontos que se encontram em lojas da especialidade.

Kit básico: 150€
Kit completo: 200€

Preparação da casa

Ainda a criança não nasceu e a família já tem também de começar a preparar a casa para recebê-la. Nesta fase entram as despesas maiores, que são as mais significativas no total do que custa ter um filho.

Começamos por um kit básico: um berço, colchão e roupa de berço, um trocador, uma cadeira de refeição, uma banheira, um conjunto de biberões, um conjunto de chupetas e um kit de acessórios de cuidados do bebé (como corta-unhas ou escovas). Para esta lista de compras as famílias precisam de, pelo menos, 700 euros.

Quando os pais optam por uma lista de compras premium (com intercomunicador digital para o quarto do bebé, um baloiço elétrico, um aquecedor de biberões e outros acessórios semelhantes) o preço dispara para uma média de 1.235 euros.

Kit básico: 700€
Kit completo: 1.235€

recém-nascido e pais

Transporte do bebé

Quem já tem ou está prestes a ter filhos sabe que os hospitais nem sequer permitem que os pais levem os bebés para casa se não tiverem uma alcofa para transportá-los no carro. Esta alcofa tem, por isso, de ser comprada antes do nascimento da criança, mas é só a ponta do icebergue: mais cedo ou mais tarde, os pais também vão precisar de ter um carrinho de bebé.

Se a família optar por uma versão económica de um carrinho de bebé dois em um, somado a uma cadeira auto com função de porta-bebé, a despesa atinge, em média, os 520 euros. Se os pais quiserem incluir na lista um carrinho de gama elevada, uma écharpe de transporte e um porta-bebé mochila podem contar com um total de até 970 euros.

Kit básico: 520€
Kit completo: 970€

Cuidados do bebé

Quando a criança, finalmente, nasce, as despesas acentuam-se. Primeiro, as fraldas. Apesar de serem uma invenção fantástica para famílias que não têm tempo para lavar panos todos os dias, as fraldas descartáveis são uma das principais despesas dos recém-nascidos.

Às fraldas é preciso juntar ainda toda a variedade de cosméticos e detergentes que asseguram o bem-estar da criança, hidratando-lhe a pele e higienizando as roupas. Tudo junto, nas versões básicas ou em kits premium, pode custar entre 531 euros e 719 euros por ano.

Kit básico: 531€
Kit completo: 719€

Alimentação do bebé

Nas contas a quanto custa ter um filho, uma das principais parcelas é a da alimentação do bebé que constitui cerca de 20% de todas as despesas que a família tem de suportar.

Até ao seis meses, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que todos os bebés sejam alimentados exclusivamente a leite materno, pela que nesta análise foram considerados apenas os custos com alimentação a partir dessa idade.

Assim, no kit básico a despesa é, no mínimo, de 689 euros por ano, enquanto que na versão premium pode atingir os 826 euros.

Kit básico: 689€
Kit completo: 826€

Roupa para o bebé

Esta é, talvez, a parte mais difícil de calcular. Por um lado, familiares e amigos tendem a oferecer roupa aos bebés recém-nascidos – alguns até continuam a oferecer durante os primeiros anos. Além disso, é frequente os pais aproveitarem a roupa dos irmãos mais velhos, reduzindo a despesa total.

Por outro lado, esta é uma categoria mais propensa às compras por impulso. Para pais mais regrados a despesa anual com vestuário ronda os 592 euros. Já para pais que não resistem a compras, a conta pode chegar aos 888 euros.

Kit básico: 592€
Kit completo: 888€

o custo de ter Filhos em Portugal e noutros países

A dimensão de quanto custa ter um filho em Portugal chega verdadeiramente quando o valor da despesa é comparado com o valor médio dos rendimentos das famílias.

De acordo com INE, o salário médio no primeiro trimestre de 2020 era de 929 euros. O que significa que, para fazer face às despesas durante a gravidez e primeiro ano de vida do bebé, tendo em conta o kit mais económico, seriam necessários 3,7 salários.

Em Espanha, apesar de o kit básico ser um pouco mais caro do que em Portugal, bastam 3,2 salários médios para o adquirir.

A nível europeu, a Irlanda é o país onde o custo deste mesmo kit face ao salário nacional é mais baixo, equivalendo a 1,1 salários, seguida da Alemanha (1,2 salários) e da Polónia (2,8).

Já na Ucrânia e na Bielorrússia são necessários 9,1 e 8 salários médios, respetivamente, para comprar apenas o essencial.

Apoios às famílias

Consciente do quanto custa ter um filho – e com a finalidade de travar o envelhecimento crónico da população -, o Estado português prevê alguns apoios fiscais, sociais e financeiros às famílias com crianças a cargo.

Destacamos, por exemplo, as consultas gratuitas de acompanhamento da gravidez, o abono pré-natal, a licença parental e o abono de família para crianças e jovens.

Mas também merecem atenção algumas benesses extraordinárias, como a majoração das deduções fiscais em função no número de filhos ou a adaptabilidade do horário de trabalho que a lei prevê para as lactantes.

Para as crianças especificamente, Portugal tem ainda um Programa Nacional de Vacinação que garante a proteção global dos mais pequenos de forma gratuita.

Ainda assim, a maioria dos apoios estatais relacionados com bebés está reservado aos cidadãos com menores recursos financeiros à partida. A todos os outros interessa saber, com a maior precisão possível, quanto custa ter um filho, já que deverão suportar as despesas praticamente na totalidade.

Fontes

Veja também