PLANO DE SAÚDE MEDICARE - 6 mensalidades sem compromisso

Refluxo gastroesofágico: causas e tratamentos

O refluxo é a causa mais comum de indigestão. Com alterações do estilo de vida e, se necessário, a toma de fármacos, poderá eliminá-lo.

Refluxo gastroesofágico: causas e tratamentos
Saiba o que deve fazer para acabar com a sensação de ardor no peito

Normalmente, os sintomas do refluxo gastroesofágico são bastante triviais, mas costumam ser de longa duração e bastante incomodativos. O sintoma mais comum do refluxo é a sensação de ardor que pode chegar à garganta. Ocasionalmente pode provocar regurgitação da comida para a boca e uma sensação de náusea. 


Causas do refluxo

O refluxo gastroesofágico pode ser provocado por:
  • Tipos de alimentos – como por exemplo alimentos com muitas gorduras, alimentos com elevados níveis de acidez ou refeições com muitos condimentos;
  • Dobrar-se pela sua cintura ou inclinar-se para a frente logo após ter comido – com isto pode começar a ter sintomas de refluxo;
  • Deitar-se logo após ter jantado;
  • Comer muito rapidamente – ao engolir mais ar vai ter mais probabilidade de vir a sofrer de refluxo;
  • Toma de certos tipos de fármacos;
  • Ingestão de bebidas gaseificadas.



O que acontece no organismo?

As glândulas do estômago produzem uma mistura de ácido e de uma enzima chamada pepsina para ajudar na decomposição inicial e subsequente da comida ingerida. Para além disso esta mistura também ajuda a neutralizar as bactérias presentes na comida.

O esófago é muito sensível ao ácido do estômago, mas em circunstâncias normais tal não é importante pois a ligação entre o estômago e o esófago é cerrada firmemente por uma junção, que impede que o conteúdo volte para o esófago. Mas, por vezes, esta junção não está totalmente fechada e permite a entrada de ácido e pepsina no esófago, provocando o refluxo e diretamente a sensação de ardor e azia.



Tratamentos não-farmacológicos

O tratamento do refluxo baseia-se primeiro na eliminação das causas subjacentes. É fundamental alterar alguns aspetos do seu modo de vida:
  • Evite comidas condimentadas e com muitas gorduras;
  • Perca peso se necessário – tente fazer exercício regular e mudar alguns hábitos alimentares;
  • Minimize a ingestão de álcool;
  • Coma devagar e pausadamente;
  • Não use cintos ou roupa interior muito apertados;
  • Não coma antes de se ir deitar; 
  • Deixe de fumar – fumar torna mais provável que sofra de refluxo e é mau para a saúde em geral;
  • Evite bebidas gaseificadas; 
  • Levante a cabeceira da cama 15 cm para poder dormir com alguma inclinação.
 


Tratamentos farmacológicos

Se mesmo assim, com as medidas atrás descritas, ainda não se sentir totalmente bem, poderá recorrer a alguns fármacos de venda livre:
  • Antiácidos – como por exemplo, a substância ativa bicarbonato de sódio. Estes fármacos atuam localmente e normalmente são de dissolução na boca;
  • Bloqueadores dos recetores h2 – como é o caso da substância ativa ranitidina. Atuam diretamente na acidez do estômago mas estão cada vez mais em desuso; 
  • Inibidores da bomba de protões – como por exemplo a sustância ativa omeprazol ou esomeprazol. Que inibem a produção do ácido no estômago.

Resumidamente, pode-se dizer que o refluxo gastroesofágico consiste no movimento do conteúdo do estômago de regressão ao esófago e por vezes à boca. Como causas, existem principalmente as causas alimentares. O tratamento com base em fármacos é destinado a diminuir a acidez do estômago se as medidas de mudança de estilo de vida não forem suficientes para a melhoria do estado.

Veja também:

Raquel Pacheco Neves Raquel Pacheco Neves

Farmacêutica, Raquel Pacheco Neves é especialista na prevenção e no tratamento das mais variadas patologias, no que à farmacologia diz respeito. Com uma paixão especial pela puericultura, a promoção da saúde tem sido, desde sempre, o seu principal objectivo profissional.
O seu mais recente projeto é o portal Bébéu.