Tudo sobre o seguro de desemprego

Ficou desempregado e tem uma renda ou empréstimo por pagar? A resposta poderá estar no seguro de desemprego. Saiba as vantagens, valores e respetiva duração.

Tudo sobre o seguro de desemprego
Uma proteção para a sua família

O seguro de desemprego é uma forma de proteger o comprador no caso de este ficar desempregado enquanto ainda tem créditos ou dívidas a pagar. Trata-se de uma forma de salvaguardar o seu equilíbrio orçamental em caso  de perda dos rendimentos, mas é também uma forma de proteger a empresa que concedeu o crédito.

Seguro de desemprego: todas as respostas

Ativando o seguro de desemprego, verá assegurada a continuidade do pagamento das despesas fixas do mês e a manutenção do seu modo de vida habitual mesmo depois de deixar de trabalhar, garantindo que não corre risco de endividamento.

Como funciona o seguro de desemprego?

Quando solicita um empréstimo ao banco, no momento em que este é formalizado, é ativado o seguro de desemprego. Caso perca o seu emprego durante o período de empréstimo, não terá que se preocupar com as suas despesas – o pagamento das mesmas continuará a ser assegurado.

Vantagens para os dois lados

A obtenção do seguro de desemprego é vantajosa tanto para a entidade credora, que se precavê ao não perder o cliente, como para o contraente do crédito, que vê a despesa paga mesmo na situação de desemprego involuntário.

Qual é a duração do seguro de desemprego?

Normalmente, o seguro de desemprego dura até seis meses, embora em certas instituições financeiras seja possível renovar-se até duas vezes (18 meses consecutivos).

Complementação com outros subsídios

Caso existam subsídios pagos por baixa médica ou por desemprego, o valor pago pelo seguro desemprego é complementar a estes.

Exemplos de seguros de desemprego

O banco Santander Totta criou o Plano Proteção Ordenado. Este seguro de desemprego destina-se a todos os trabalhadores que estão a desempenhar uma atividade profissional (de pelo menos 16 horas semanais) há pelo menos 1 ano, com a sua retribuição mensal domiciliada neste banco. Na prática, o cliente paga 9,17 euros por mês para ativar este seguro, que o deverá proteger em caso de desemprego involuntário.

O Novo Banco criou o seguro GNB – proteção salário, que estipula que se for trabalhador por conta de outrem e ficar desempregado, tem direito a uma percentagem da sua remuneração, durante um período máximo de 6 meses, após o subsídio de desemprego terminar. A percentagem fixada é de 55% sobre a remuneração mensal bruta declarada podendo ir até aos 75% da remuneração líquida no máximo de 1.048€/mês durante 6 meses.

Em suma, cada instituição tem as suas próprias regras – conhecendo-as poderá avaliar qual a proposta que melhor serve as suas necessidades.
Recomendamos, contudo, que mantenha uma postura proativa em relação ao mercado de trabalho, procurando continuamente melhores e mais estáveis oportunidades de emprego, e evitando assim ter de ativar este seguro.

Veja também: