AUMENTe AS sUAS PROBABILIDADES DE ARRANJAR EMPREGO!

Síndrome de burnout: quais os sinais de alerta?

Aprenda a reconhecer os sintomas da síndrome de burnout e saiba como preveni-la ou tratá-la. 

Síndrome de burnout: quais os sinais de alerta?
É considerada uma doença laboral mas os seus efeitos estendem-se para além da sua vida profissional.

Já ouviu falar da síndrome de burnout? Talvez a conheça como esgotamento profissional. Independentemente do nome que lhe dê, este é um assunto que lhe interessa e ao qual deve estar particularmente atento. Saiba o que é e aprenda a identificar os sintomas de burnout.
 

O que é?

Mas afinal o que isso da síndrome do burnout? Por norma é descrito como um estado de exaustão física, emocional e mental provocada pela acumulação de stress no trabalho.
 
Em termos “linguísticos”, a expressão burnout significa “queimar”, mas a denominação comum é esgotamento, neste caso específico esgotamento profissional, já que serve para definir o desgaste profissional ou o estado de cansaço extremo devido ao envolvimento no trabalho.
 
Há quem diga que a síndrome de burnout é uma doença do século XXI, por ter sido identificada nos anos 70. A descoberta foi feita pelo médico americano Herbert  Freudenberger e surgiu associada aos profissionais de saúde e professores, por exemplo. No entanto, atualmente, esta restrição já não se verifica e a síndrome de burnout abrange as mais variadas categorias profissionais, onde se verifiquem elevados níveis de pressão e responsabilidade.
 
Haverá quem desvalorize esta doença, mas não deveriam. Segundo estudos recentes, só em Portugal 59% dos profissionais sofrem de stress e destes um total de 40% é afetado pela síndrome de burnout. Este distúrbio passou inclusivamente a integrar a lista as doenças profissionais da Organização Internacional do Trabalho em 2010.
 

Quais os sintomas?

São vários os sintomas da síndrome de burnout, tanto a nível físico como psicológico. E é muito fácil, numa fase inicial da doença, confundir a síndrome de burnout com a depressão, mas há diferenças. A nível físico destacam-se, por exemplo:
 
1. Fadiga crónica e falta de energia recorrente
2. Dores focalizada (como: enxaquecas, dores cervicais e lombares)
3. Tonturas
4. Sudorese excessiva
5. Hipertensão Arterial
6. Alterações no sono (dificuldades em dormir)
7. Problemas digestivos
8. Falta de ar e dificuldade em respirar
9. Falta de memória a curto prazo
10. Perda de peso rápida 
11. Insónias
12. Distúrbios gastrointestinais, respiratórios e cardiovasculares
 
Por sua vez, em termos psíquicos podem enumerar-se:
1. Apatia
2. Agressividade
3. Dificuldade de concentração
4. Ansiedade
5. Alterações drásticas de humor
6. Falta de interesse e desmotivação
7. Isolamento social
8. Baixa tolerância ao stress
9. Nervosismo e irritabilidade frequente
 
Mas atenção. Convém perceber que dormir mal esporadicamente, sentir-se mais cansado ou desmotivado, não significa que tenha atingido o ponto de burnout. A síndrome de burnout aplica-se a casos graves, onde se verifica um estado de exaustão física e emocional extrema.
 

Como prevenir ou tratar?

O primeiro passo para prevenir ou tratar a síndrome de burnout passa por estar atento aos sinais de alerta e procurar ajuda de um especialista antes de atingir o ponto de rutura ou o burnout.
 
O tratamento inclui acompanhamento psicológico ou psiquiátrico e – quando necessário – a administração de medicamentos (como antidepressivos).
Mas há algo que pode fazer para evitar o burnout. Basta para isso incluir algumas mudanças nos seus hábitos e estilo de vida. Exercício físico regular, uma alimentação cuidada e uma boa vida social podem fazer milagres.
 

Fuja do stress

Além de ser um problema com consequências graves para a sua saúde, a síndrome de burnout tem também fortes implicações no seu trabalho, já que põe em causa o seu desempenho e produtividade. Portanto o melhor é começar por analisar a sua rotina laboral e tentar perceber se o stress está a afetar a sua saúde.
 
Não é fácil escapar ao stress que se verifica no mercado de trabalho atual, é certo. Principalmente numa altura em que o mercado de trabalho se apresenta cada vez mais competitivo. Mas é essencial para evitar o burnout ou esgotamento profissional. Por isso, trate de manter um bom equilíbrio entre a sua vida profissional e pessoal para bem da sua sanidade mental.
 
Veja também: