Costa confirma mais impostos indiretos em 2017

O primeiro-ministro António Costa admitiu novos impostos indiretos no Orçamento do Estado para o ano de 2017.

Costa confirma mais impostos indiretos em 2017
Surpreendente? Ou nem por isso?

“É provável que no próximo ano haja também outra tributação indireta”, afirmou António Costa em entrevista ao jornal Público, quando questionado sobre impostos indiretos.

O primeiro-ministro António Costa afirmou que os aumentos na função pública só deverão chegar em 2018 enquanto admitiu novos impostos indiretos a serem contemplados no Orçamento do Estado para o próximo ano, confirmando ainda uma “tributação do património imobiliário de luxo”.

“Nos mesmos impostos que aumentaram no ano passado?”, questionaram os jornalistas do diário. “Não sei. Pode haver outra tributação indireta. O país tem de fazer escolhas”, respondeu Costa. “Há outros impostos especiais sobre o consumo que dependem de escolhas individuais: produtos de luxo, tabaco, álcool”, acrescentou.

Sobre o crescimento da economia para este ano, o primeiro-ministro afirmou que “tudo converge” para que seja superior a 1%, mas não “muito acima”, o que “só demonstra” que é preciso “prosseguir a reposição de rendimentos e a criação de condições para poder haver investimento”. No Orçamento do Estado de 2016, o Governo previu inicialmente um crescimento de 1,8% da economia este ano, valor que acabou por rever para 1,4% em julho.


Veja também: