Leite materno preserva o aroma a alho

Num estudo acerca do leite materno, os cientistas chegaram à conclusão que o aroma a alho passa para o leite e parece agradar aos bebés.

Leite materno preserva o aroma a alho
Cientistas confirmam presença do aroma no leite

A importância do leite materno nos primeiros meses de vida do bebé é reconhecida, especialmente no que diz respeito ao fortalecimento do seu sistema imunitário. Porém, há ainda muito para descobrir acerca do leite materno e também algumas ideias ou mitos por resolver. Um desses mitos é a passagem ou não do sabor dos alimentos, ingeridos pela mãe, para o leite.


Bebés parecem gostar do sabor a alho no leite materno

Um estudo realizado por investigadores da Universidade de Erlangen-Nuremberga, na Alemanha, chegou à conclusão de que o aroma do alho consumido pelas mães está presente no leite materno. Isto acontece tal como no hálito de quem consome aquele alimento: o sulfeto de metil-alilo, responsável pelo forte aroma do alho, passa para o hálito e também para o leite. Este sulfeto é rapidamente absorvido pela corrente sanguínea, sendo apenas expelido pelos rins, pele e pulmões. Depois deste estudo, sabe-se então que o sulfeto chega também ao leite materno.

A Universidade de Erlangen-Nuremberga esclareceu, através de um comunicado de imprensa, que esta equipa de investigadores se dedica há alguns anos ao estudo do processamento dos aromas pelo metabolismo do nosso corpo, tendo já concluído, por exemplo, que o óleo de peixe não interfere no sabor do leite, mas que pastilhas de eucalipto sim.

O estudo teve em conta a ingestão de alho cru por seis mães cerca de 2 horas e meia antes das análises feitas ao leite. De facto, fica comprovado que o aroma do alho passa para o leite, embora ainda não se possa avaliar a importância disso nas escolhas alimentares futuras das crianças.

Ainda no mesmo comunicado de imprensa, a equipa de investigadores acrescenta que a presença do aroma do alho no leite não faz com que os bebés o rejeitam, havendo até indicação de que os bebés consomem mais leite quando tem esse aroma.



Leite materno: um sem-fim de mistérios

Andrea Buttner, um dos investigadores que trabalharam neste estudo, afirma que há ainda muito por descobrir em relação à influência dos alimentos ingeridos pela mãe no leite, e também  não se sabe ainda de que forma a dieta da mãe pode delinear gostos e preferências das crianças mais tarde. Alguns investigadores são da opinião que as crianças acabam por gostar mais de alimentos que a mãe consumia durante o período da amamentação, pelo facto de o sabor do leite ser parecido com o dos alimentos ingeridos.

Apesar de ser alvo de inúmeros estudos, o leite materno continua a ser um mistério em muitos aspetos, apresentado-se como um dos leites mais complexos dos mamíferos. Algumas investigações apontam no sentido de o comportamento dos bebés durante a amamentação e as suas preferências alimentares quando mais velhos poderem ser fortemente influenciados pelas opções alimentares da mãe quer durante a gravidez, quer durante o aleitamento. Muitas destas ideias eram, até há bem pouco tempo, apenas relatadas pelas mães.

Veja também: