Publicidade:

Cat S61: o novo smartphone todo terreno é (muito) bom, mas sai caro

A Caterpillar fez um upgrade ao S60, o primeiro telemóvel com câmara térmica. Conheça o smartphone que promete ser à prova de (quase) tudo: o Cat S61.

Cat S61: o novo smartphone todo terreno é (muito) bom, mas sai caro
Como resistir às forças da natureza e à falha humana

O novo Cat S61 foi anunciado este mês na MWC (Mobile World Congress), em Barcelona, e estará disponível no mercado a partir do segundo trimestre de 2018.

“Não fazemos telefones normais, fazemos ferramentas”. É assim que a Caterpillar define o seu nicho de mercado no mundo das telecomunicações e o novo Cat S61 não defraudou as expectativas criadas em torno deste telemóvel – que alguns já apelidam de “canivete suíço”.

A acrescentar às novas ferramentas e funcionalidades melhoradas, a empresa voltou a apostar nos atributos de marca que a CatPhones, criada em 2012, herdou do mercado das retroescavadoras e tratores, mercado em que a Caterpillar era mais conhecida: a durabilidade e a resistência.

Cat S61: resistente a quase tudo


Cat S61Fonte: CatPhone/Divulgação

Se o seu telemóvel costuma estar sujeito a uma vida acidentada de quedas frequentes, esmagamento por pisadelas e até mesmo mergulhos no lava-loiça ou na sanita, com o Cat S61 não terá de se conformar com um ecrã estilhaçado ou com a troca do equipamento.

Preparado para quedas de 1.8 metros de altura, mesmo sobre superfícies de cimento, o novo Cat aguenta bem a pressão dentro da sua estrutura reforçada de alumínio e é estanque à humidade.

Este verdadeiro “tijolo” cumpre com a norma militar americana MIL Spec 810G – um teste laboratorial padrão para aparelhos electrónicos, que garante a resistência à queda, ao pó, à areia, à vibração e à humidade.

As diferenças de pressão, altitude e temperatura também não lhe dizem nada. Aguenta choques térmicos entre os -30ºC e os 65ºC. Dentro de água resiste até 60 minutos a uma profundidade de 3 metros, mesmo que seja água salgada.

Mas, apesar de tudo, este tijolo é compacto. Os 155 gramas não lhe vão pesar no bolso das calças – a não ser pelo preço. Não tem beleza suficiente para desfilar consigo na passerelle, mas, se tiver de andar à chuva, ao pó e ao vento, o Cat S61 vai consigo ao fim do mundo… E volta a funcionar.

O Cat S61 tem um olho de réptil: vê o mundo a quente e frio

A câmara de visão térmica do Cat S61 cria imagens a partir dos dados recolhidos por um detector de diferença de temperatura. A irradiação de calor que os corpos e objetos emitem é invisível aos nossos olhos, mas é detetada pela câmara que, através de algoritmos, consegue atribuir pixéis aos dados, mostrando-nos uma imagem formada por cores que simulam áreas frias ou quentes.

Extraordinariamente bem recebida no S60, a câmara de visão térmica da FLIR veio para ficar, agora com um software melhorado, mais user-friendly, e com imagens com o dobro da qualidade. A amplitude de temperatura registada vai dos -20ºC aos 400ºC.

A imagem VGA foi substituída por HD e as diferenças são bem notórias – sendo muito apreciadas por profissionais da área de segurança, que fazem vigilância noturna, e também por veterinários rurais, que podem acrescentar informação in loco aos seus meios de diagnóstico.

Mais do que um gadget para brincar, a câmara térmica ganhou terreno junto de muitos profissionais especializados – como canalizadores, eletricistas e mecânicos de automóveis, mas também junto do chamado utilizador comum, permitindo-lhe “brincar” com coisas mais sérias (como detectar falhas de isolamento térmico nas suas janelas ou fugas de gás dentro de casa).

Único reparo: esta funcionalidade torna o telemóvel um pouco mais lento, o que limita a sua utilização em simultâneo com outras aplicações.

Medir distâncias com laser ou detectar poluição no ar? O Cat S61 também faz

Se for empreiteiro, vai gostar de conseguir medir distâncias com o laser incorporado que o Cat S61 disponibiliza na parte de trás do telemóvel. Mas, mesmo que seja um utilizador que só usa a fita métrica da Ikea, esta ferramenta pode ser eficaz a medir distâncias até 10 metros, mesmo sem ser em linha recta. Por exemplo, consegue medir a área entre duas paredes para calcular o tamanho do soalho que queremos cobrir com uma carpete ou com tacos.

E já que estamos dentro de casa, se quiser saber qual é a qualidade do ar que está a respirar no interior, o Cat S61 possui um sensor de Composto Orgânico Volátil (COV) que monitoriza a qualidade do ar e envia, a cada 30 segundos, notificações de alerta se essa qualidade se degradar.

Será útil? Só se trabalhar num laboratório com fluídos tóxicos. Mas se não é o caso, pode ainda assim servir-lhe se andar a pintar a sua sala, a colar móveis ou a limpar a casa com lixívia. Talvez seja bom saber durante quanto tempo deve arejar o espaço ou mesmo se é melhor ir dormir no sofá de um amigo nessa noite. O COV também oferece dados constantes sobre a humidade e a temperatura ambiente.

Concebido para ser um ferramenta útil para pessoas que vivem e trabalham em condições extremas, o Cat S61 pode não lhe dizer nada se procura um telemóvel na faixa do Samsung Galaxy S9 ou do iPhone X.

Mas se já pensou num Galaxy S8 Active ou noutro telemóvel para o exterior e tem um orçamento grande, vale a pena olhar duas vezes para este modelo da Caterpillar e comparar características.

 Especificações técnicas
Ecrã  5,2 polegadas IPS LCD; FullHD a 1.920 x 1.080 pixéis; Gorilla Glass 5; funciona com dedos molhados e luvas
Processador  Snapdragon 630 a 2,2GHz
RAM  4GB
Armazenamento  64GB expansível com microSD
Câmaras  Traseira: 16 megapixéis com vídeo 4K / Térmica FLIR Lepton
Frontal: 8 megapixéis
Bateria 4.500 mAh Quick Charge 4.0
Conectividade Dual SIM LTE, WiFi ac Dual, Bluetooth 5.0, NFC
Sistema operativo  Android Oreo 8.0 com actualização prometida para Android P
Dimensões e peso  148,1 x 72,9 x 8,4 milímetros
155 gr
Preço  899€


Veja também: