Como gerir as finanças pessoais

É difícil traçar um orçamento de finanças pessoais, mas mais ainda é ser-lhe fiel, ou seja, cumpri-lo. No entanto, desviar-se dos seus objectivos pode sair muito caro.

Como gerir as finanças pessoais
Faça um orçamento e tente segui-o rigorosamente

1. Comece por definir as suas prioridades

O seu orçamento estará definido depois de determinar as prioridades das suas despesas, assim como quais as reduções que poderá aplicar nas suas dívidas. 


2. Aponte tudo

Sugerimos que aponte tudo num papel para que possa olhar para o seu orçamento semanalmente e facilmente verificar se está a cumprir os objectivos traçados, assim como identificar eventuais desvios aos seus planos, para que possa efectuar assim que possível as correcções desejadas.


3. Siga de forma rigorosa o seu orçamento

O passo seguinte e talvez mais difícil será então cumprir o orçamento definido, pois revela-se de extrema importância no que toca ao controle das suas finanças pessoais.

Manter-se fiel ao orçamento nem sempre é fácil, apesar de ter sido estabelecido por si. Contudo, é muito importante que tente segui-lo rigorosamente, caso contrário será inútil fazê-lo. Sempre que tome alguma decisão que implique gastar dinheiro tenha consciência dos objectivos que definiu no início do mês. Lembre-se sempre das suas prioridades, nomeadamente a redução das suas dívidas, alcançar os objectivos estabelecidos e evitar o stress financeiro.


4. Mantenha o seu balanço actualizado

Anote todas as despesas e receitas ao longo do mês, mesmo que estas lhe pareçam insignificantes, pois é necessário efectuar um controle exacto do dinheiro que gasta mensalmente. Quando levantar dinheiro numa caixa multibanco registe o que vai fazer com ele. Se, eventualmente, gastar mais dinheiro do que era suposto numa determinada área, tente compensar poupando noutra. 


5. Resista ao impulsos

É fundamental que não fique em défice no fim do mês. Para que tal aconteça, sempre que sentir um impulso consumista, recorde-se que o seu objectivo prioritário é eliminar as dívidas e talvez no mês seguinte, se estiver mais desafogado, poderá então comprar alguma coisa para si. Caso contrário, arrastar as suas dívidas poderá ficar-lhe mais caro, principalmente se o pagamento destas em atraso implicar a cobrança de multas ou tiver juros associados.


Veja também: