Publicidade:

Contabilidade organizada ou regime simplificado: qual escolher

É trabalhador independente ou empresário em nome individual e não sabe se deve ter contabilidade organizada ou regime simplificado? Tiramos todas as dúvidas.

Contabilidade organizada ou regime simplificado: qual escolher
Conheça as diferenças e qual a melhor opção para si

Se é trabalhador independente ou tem uma pequena empresa aberta em nome individual deve declarar os seus rendimentos para que o Fisco avalie se tem que os tributar ou não. Existem duas opções à sua disposição: contabilidade organizada ou regime simplificado. É comum haver dúvidas sobre qual a melhor opção, por isso esclarecemos as caraterísticas, vantagens e desvantagens de cada uma.

Existem três caraterísticas básicas que diferenciam cada um dos regimes: o valor máximo dos rendimentos, a dedução de despesas e a exigência ou não de um técnico oficial de contas a gerir os seus números.

No caso do regime simplificado, os rendimentos devem ser inferiores a 200 mil euros, apenas algumas despesas contam para efeito de IRS, e não precisa de contratar um contabilista certificado.

Na contabilidade organizada, os rendimentos são superiores a 200 mil euros, é possível a dedução de despesas, e é obrigatório contratar um contabilista certificado.

Contabilidade organizada ou regime simplificado: como escolher

contabilidade-organizada-ou-regime-simplificado

Para poder decidir que regime se aplica melhor ao seu caso, contabilidade organizada ou regime simplificado, explicamos em pormenor quais as caraterísticas de cada um e em que casos se aplicam.

Contabilidade organizada

Este é o regime fiscal mais eficiente para atividades de maior complexidade, maiores volumes de negócios e quando as despesas com a atividade são superiores a 25% dos rendimentos. Ao escolher ter contabilidade organizada, está a optar por tributar os rendimentos que resultam da sua atividade comercial ou de um negócio que possa ter. Este regime fiscal é obrigatório nas seguintes situações:

  • Todo o tipo de sociedades, como sociedades anónimas ou sociedades por quotas;
  • Todos os profissionais liberais ou empresários em nome individual que tenham um rendimento anual líquido superior a 200 mil euros.

Regime simplificado

Este tipo de tributação é a opção mais frequente dos trabalhadores independentes. Aliás, o regime simplificado é atribuído por defeito pela Autoridade Tributária e Aduaneira no momento em que um empresário em nome individual ou profissional liberal abre atividade.

Este caracteriza-se pela tributação dos rendimentos auferidos pela aplicação de coeficientes, não considerando os gastos da atividade. Para ser abrangido por este regime tem de:

  • Ser sujeito passivo residente em Portugal;
  • Ter um montante anual ilíquido de rendimentos inferior a 200 mil euros.

Alterações ao regime simplificado para 2018

contabilidade-organizada-ou-regime-simplificado

O Orçamento de Estado para 2018 veio trazer alterações ao regime simplificado a quem tenha rendimentos aos quais sejam aplicáveis os coeficientes 0,75 e 0,35. Ou seja, as alterações abrangem apenas uma parte dos profissionais liberais (como advogados, arquitetos, tradutores, etc.) e os prestadores de serviços (por exemplo de alojamento local).

No essencial, passa a haver uma dedução automática de 4.104€ que abate diretamente aos rendimentos de trabalho. A partir deste montante, o contribuinte tem de apresentar despesas relacionadas com a atividade no portal e-fatura.

Ou seja, apenas os profissionais com rendimentos superiores a 27 mil euros por ano têm de justificar parcialmente (15%), através da apresentação de despesas, para obter a dedução máxima prevista.

São dedutíveis as despesas com transportes, combustíveis, encargos com imóveis, energia e telecomunicações, entre outras.

Vantagens e desvantagens dos dois regimes fiscais

A contabilidade organizada ou regime simplificado têm vantagens e desvantagens. No regime de contabilidade organizada tem a vantagem de poder deduzir grande parte das despesas profissionais, desde combustível a estadias, material informático, renda do espaço comercial, entre outros.

As obrigações legais são as maiores desvantagens de ter contabilidade organizada. Nomeadamente, ter que elaborar dossiers fiscais anuais e contratar um contabilista certificado, anteriormente designado técnico oficial de contas, que lhe pode custar entre os 150€ e os 200€ por mês. Apesar de este ser um valor acrescido às despesas, o fato é que permite uma organização das contas de forma a apurar o lucro ou prejuízo de forma precisa.

No caso do regime simplificado a grande vantagem é que, como o nome indica, o processo é mais simples. Tem menos obrigações fiscais e despesas associadas. Por exemplo, não tem de contratar um profissional de contabilidade para organizar as contas, o que significa um gasto a menos. Tem a desvantagem de não se poder deduzir todas as despesas relativas ao exercício da atividade.

Veja também:

Alexandra Nunes Alexandra Nunes

Alexandra Nunes é jornalista com experiência em imprensa e rádio. Depois de quase uma década a trabalhar na Rádio TSF partiu rumo ao Médio Oriente. A sede de conhecer novos mundos levou-a até ao Dubai, onde vive atualmente. Por lá, tem-se dedicado a explorar novas áreas da Comunicação e escreveu a biografia “Uma Mulher no Topo do Mundo” sobre a primeira portuguesa a chegar ao topo do Monte Evereste. É apaixonada por viagens, pessoas e as suas estórias.