Como coordenar amamentação com o sono de beleza?

Um dos grandes e incontornáveis desafios da maternidade é a amamentação nocturna.

Como coordenar amamentação com o sono de beleza?
A importância de amamentar durante a noite

Noites inteiras passam a segmentar-se em dois ou três turnos, porque o bebé é pequeno e precisa de se alimentar muitas vezes nas 24 horas de um dia.

O corpo e a mente ressentem-se dessa nova rotina e muitas são as mulheres queixosas de falta de horas de sono, dos “olhos de panda”, a negociarem sestas com os maridos e a pedir uma ajuda à família e aos amigos.

Porque é que pode ser tão importante amamentar à noite?

Antes de mais, importa frisar a importância da mamada nocturna no desenvolvimento de um bebé saudável.

Note-se que o nível de prolactina (hormona que estimula as glândulas mamárias a produzir mais leite) é superior no período da noite. Como resultado, a mãe produz mais leite nesse período… e o bebé sente isso, daí que tenda a acordar para não perder outra grande oportunidade de se alimentar. O aumento apropriado de peso do bebé fica garantido, promove-se a produção de mais leite e evitam-se mastites, obstruções dos ductos mamários, entre outras complicações para a mãe.

Além disso, nos primeiros meses de vida, o bebé não tem um ciclo circadiano bem estabelecido e não reconhece a diferença entre o dia e a noite. A sábia natureza ajuda a resolver esta questão, já que o leite materno da noite é rico em melatonina, serotonina e triptofano, hormonas que ajudam a regular o ritmo circadiano, vulgarmente conhecido por “relógio biológico”. Basicamente, através do leite, a mãe transmite ao bebé a noção de que é noite e hora de serenar. Amamentar é muito mais do que nutrir, já se sabe!

Como sobreviver às mamadas nocturnas?

Inúmeras vezes as mães têm dificuldade em voltar a adormecer rapidamente, depois de amamentar. Eis como pode contornar este problema e amamentar durante a noite (quase) de olhos fechados, sem penalizar demasiadas horas de sono:

1. Luz fraca

De baixa intensidade e em tons quentes (amarelo, laranja, vermelho). Para dar mama, a luz de presença é suficiente e evita que o bebé desperte em pleno e a mãe também. Pode até desligar a luz assim que ele começar a sugar o leite. O instinto não deixa que o bebé se afaste muito da mama.

2. Mãos rápidas

Quando o bebé acorda e chora com fome, quanto mais rapidamente atendê-lo, mais facilmente ele acalma, evitando que acorde completamente. Isso implica: tê-lo por perto; ter a mama (soutiens fora!) ou o biberão à mão. Se a criança chorar muito, pode ficar cansada e não conseguir tomar todo o leite de que precisa, o que aumenta a probabilidade de acordar novamente, pouco tempo depois, a pedir mais.

3. Pouca conversa

Mais uma vez, o objectivo principal resume-se a evitar que mãe e filho acordem em pleno, por isso, quanto menos interacção estimulante entre os dois (cantar, falar, por exemplo), melhor. Mimo é permitido, sempre! Mudar a fralda, só se estiver bem cheia (a abarrotar) de xixi ou se houver cocó. Uma boa fralda absorvente não deixa o xixi entrar em contacto com a pele até ao dia seguinte.

4. Arrotar, se necessário

Nem todos os bebés arrotam depois da amamentação. Mas se o fazem, por norma, vale a pena gastar mais uns minutos após a mamada para garantir que arrotam, caso contrário, podem sentir desconforto e não conseguir dormir bem nas horas seguintes.

Mother holding baby boy on her shoulder

5. Perto do coração

Médicos e especialistas pediátricos recomendam que pais e bebés partilhem o mesmo quarto, pelo menos nos primeiros seis meses de vida. Os benefícios são múltiplos: é mais seguro; evitam-se viagens desnecessárias e cansativas ao quarto ao lado; atender aos pedidos chorosos dos mais pequenos torna-se mais rápido e simples, à semelhança do que foi mencionado no ponto 2.

6. Mulher prevenida

Organização é tudo durante toda a vida de uma mãe. Mantenha a mesa-de-cabeceira em ordem, com tudo o que possa precisar durante a noite: fraldas e toalhitas; pano para limpar resíduos de leite; água e snacks para a mãe; biberões esterilizados, fórmula e água já doseadas (na ausência de leite materno). Para quem dá biberão, talvez valha a pena investir num aparelho próprio que, em segundos, atinge a temperatura apropriada para o leite.

7. Fora o relógio

Olhar para as horas, para tentar perceber quanto tempo ainda tem de sono pode causar alguma ansiedade. O melhor será mesmo libertar-se do relógio e do tic-tac na sua cabeça e deixar-se acordar pela luz natural a entrar pela janela. Despertadores são obrigatórios para quem tem horários a cumprir mas não mais do que isso, se quiser manter baixos níveis de stress.

Extra

8. Pai, para que te quero

A amamentação nocturna não tem que ser um papel exclusivo da mãe. O pai também pode oferecer o biberão (com leite materno ou adaptado) durante a noite ou ajudar a prepará-lo. E mesmo durante o dia, permitir à mãe dormir uma boa sesta, para amenizar o sono em falta.

Veja também:

Verina Fernandes Verina Fernandes

Verina Fernandes é Consultora de sono materno-infantil, certificada pelo International Maternity and Parenting Institute (IMPI). Mestre em Ciências Farmacêuticas, mãe e mentora de Sono de Sonho, ajuda diariamente grávidas, pais, bebés e crianças a adquirir bons comportamentos de sono, para um dia-a-dia mais feliz, pleno e tranquilo.