Sente dor no joelho? Saiba o que fazer

A dor no joelho pode ser incapacitante. Conheça alguns dos sintomas mais comuns e saiba quando deve procurar ajuda médica.

Sente dor no joelho? Saiba o que fazer
Não desvalorize os sintomas. Procure ajuda médica

Todos nós já sentimos, alguma vez na vida, dor no joelho. Afinal de contas, é a maior articulação do corpo humano e uma das que sofre mais pressões (e lesões) ao longo da vida. 

Ainda que a dor no joelho possa ser comum, é necessário precaução em causa de persistência desses sintomas. Na maioria dos casos, a dor no joelho pode ser resolvida com a toma de analgésicos, sem cirurgias e com alguns períodos de descanso (nesses casos, a dor no joelho pode surgir depois de uma pequena sobrecarga desta articulação, de um treino físico mais intenso ou até de uma caminhada mais longa do que o habitual).

Antes de avançarmos para as causas da dor no joelho, é preciso saber que articulação é esta. O joelho é formado pela extremidade inferior do fémur e pela rótula. Esta articulação também possui diversos ligamentos que servem para estabilizar a articulação do joelho e para amortecer qualquer impacto sobre as cartilagens. Um dos componentes mais importantes do joelho é o menisco, a cartilagem entre o fémur e a tíbia que ajuda a amortecer qualquer impacto que ocorra durante as caminhadas ou corridas.


O que fazer quando a dor no joelho ataca

Se a dor for persiste, o mais indicado é procurar ajuda de um ortopedista. O especialista irá fazer o diagnóstico correto e despistar qualquer trauma mais grave, como é o caso do rompimento dos ligamentos (que resultam em dor aguda constante e instabilidade do próprio joelho).

De acordo com os especialistas, a dor no joelho é mais comum nos homens mas são as mulheres que registam maior necessidade de cirurgia para a resolução definitiva do problema. Quem pratica ginástica, futebol ou rugby está mais sujeito às lesões do joelho.



Quais as lesões mais comuns?

As lesões do joelho mais comuns são:



Lesão do Menisco

Pode estar relacionada com alguma lesão na parte traseira do joelho ou com uma entorse. Pode ocorrer em qualquer idade mas acontece sobretudo nos atletas de desportos de contacto. Por norma, os sintomas começam a sentir-se cerca de dois dias depois da lesão, assim que começa a perder-se o controlo do joelho, é registado um inchaço anormal na zona e a redução da flexibilidade do joelho (além da dor e da rigidez associadas a este trauma). 

O que fazer?
Nos casos menos graves, a lesão do menisco pode ser tratada através de fisioterapia e analgésicos. Assim sendo, o protocolo RICE (Rest, Ice, Compression, Elevation) é indicado para estas situações. Repouso é crucial, o uso de canadianas também (para aliviar a pressão), assim como a aplicação de gelo várias vezes ao dia para acelerar o processo de recuperação. Em casos mais extremos, só a cirurgia pode resolver esta questão (depois da cirurgia é necessária fisioterapia para reabilitar o joelho e recuperar flexibilidade).



Entorse do joelho

Esta lesão pode variar na sua gravidade e causam dor e inchaço. Esta é a lesão do joelho mais comum e envolve o ligamento interno, o anterior cruzado e, em casos mais raros, o ligamento cruzado posterior. A incapacidade à conta da lesão é praticamente imediata e o inchaço surge entre uma e quatro horas depois do trauma. 

Se a dor for na parte oposta da pancada, será apenas um hematoma que desaparecerá em poucas horas; se for no mesmo local da pancada, a dor poderá indicar uma lesão mais grave.

O que fazer?

Na avaliação inicial é analisada a necessidade da realização de exames radiológicos. Nos casos mais comuns, é indicada a imobilização do joelho, a aplicação de gelo e o uso de canadianas para aliviar a pressão do joelho. 

Se for detetado um derrame articular é feita uma Ressonância Magnética Nuclear que irá detetar a presença de lesões mais graves que impliquem a cirurgia - nesses casos, a recuperação implica um programa de reabilitação de cerca de seis semanas e o regresso à prática desportiva apenas nove meses depois da operação.



Rotura dos tendões

O tendão da rótula e do quadricípede são afetados pela repetição do mesmo trauma, normalmente na corrida ou nos desportos que envolvem saltos (altura ou comprimento). A rotura do tendão da rótula é o mais comum e estas lesões podem ser parciais ou completas. Este trauma exige a utilização de uma força excessiva sobre o local (quedas violentas ou alguns tipos de corte na zona) e, muitas vezes, a rotura implica a fratura de um fragmento ósseo.

O que fazer?

Nos casos menos graves, a rotura do tendão da rótula exige a imobilização da zona afetada durante três a seis semanas, ao mesmo tempo que são feitos diversos exercícios para aumentar a força e flexibilidade dos movimentos. Nos casos onde é necessária cirurgia, o período de recuperação varia entre os seis e os 12 meses


A dor no joelho não deve ser menosprezada e, em todos os casos, a avaliação médica é essencial para minimizar os danos a longo prazo. 

Veja também: