Estudar demais pode ser prejudicial e atrasar o sucesso

Sim, leu bem: estudar demais pode ser prejudicial. Mas, como encontrar o limite saudável? Entenda como as fronteiras são decisivas para a aprendizagem.

Estudar demais pode ser prejudicial e atrasar o sucesso
Sabia que estudar muito pode prejudicar a aprendizagem?

Pode até parecer piada, mas é a mais pura das verdades: estudar demais pode ser prejudicial para o processo de aprendizagem. Tal como passar uma noite inteira a jogar computador, ou a fazer uma maratona de séries na companhia da televisão, exagerar nas horas de estudo pode mesmo reduzir a capacidade de sucesso académico.

Mas, afinal, como encontrar o limite entre o saudável e o prejudicial? Como saber respeitar as fronteiras? Quais são as consequências? Que atividades deve, também, privilegiar a par dos estudos? Descubra as nossas dicas importantes e garante mais qualidade nas horas de estudo.

Estudar demais pode ser prejudicial

estudar-demais-pode-ser-prejudicial

Sim, estudar demais pode ser prejudicial. Já se sabe que uma vida saudável se rege pela capacidade de equilíbrio. Se é daqueles que acredita que estudar a mais é melhor do que estudar a menos, reveja os seus conceitos – afinal, nenhum exagero pode contribuir para o sucesso nas mais diversas áreas das nossas vidas.

Quem já ouviu dos pais ou dos amigos que está a exagerar na dose de livros e matérias, já sentiu que passou demasiadas horas a estudar e, ainda assim, teve um mau resultado num exame ou trabalho académico? Se é o seu caso, fique atento a este artigo e perceba o que deve fazer para optimizar a aprendizagem, sem sobrecarregar a mente e o corpo.

É comum ver adolescentes e jovens a cobrarem mais de si quando o assunto é a entrada na universidade e a frequência no curso. No entanto, o stress e a pressão que familiares, amigos e instituições de ensino impõem, podem ser a razão para aquela nota “menos boa” ou o baixo rendimento em outras áreas da vida do estudante.

Neste artigo vamos dar orientações para equilibrar os estudos com as atividades de lazer, privilegiar o descanso e, finalmente, encontrar o balanço perfeito que vai permitir o sucesso académico e pessoal dos jovens alunos.

Consequências: o cansaço e a “branca” na hora do exame

Tinha estudado toda a matéria, revisto todos os apontamentos e resumos e, ainda assim, teve uma branca na altura do exame. Já lhe aconteceu? Se a resposta foi positiva, é muito provável que tenha exagerado nos estudos e descansado menos horas do que deveria.

Lembre-se: esquecer-se dos conteúdos nos momentos decisivos é um sinal claro de que está sob uma situação de stress e, provavelmente, não deu o merecido descanso à mente. O cérebro é um músculo e, tal como todos os outros, sente o desgaste.

7 dicas para não exagerar nos estudos e ter mais sucesso

estudar-demais-pode-ser-prejudicial

1. Defina uma agenda de estudos

Uma forma de ajudar a encontrar o equilíbrio é definir uma agenda de estudos, com dias e horas marcados. Defina a carga horária que vai adotar para apostar nos estudos, criando momentos pré-estabelecidos para leitura, realização de testes e revisão do conteúdo.

2. Durma bem

Não há estudante que possa ter um bom desempenho se não respeitar as horas necessárias de descanso. Dormir bem é um dos primeiros passos a dar para ter mais e melhor rendimento físico, emocional e académico.

3. Reduza as atividades académicas

Se é daqueles alunos que dedica todo o tempo aos estudos e ainda arranja forma de encaixar os mais diversos cursos extra-curriculares e aulas extra, saiba que está a cometer um grande erro. Pode parecer que está a enriquecer os seus conhecimentos e a acumular diferenciais no seu currículo, mas na verdade está apenas a sobrecarregar uma das áreas da sua vida, prejudicando outras de forma decisiva, como a vida pessoal e/ou profissional.

Muitos estudantes acreditam que participar em inúmeros projetos da escola ou universidade é aquilo que vai tornar a aprendizagem mais completa e abrangente. Em parte, eles têm razão… No entanto, esquecem que esta sobrecarga vai ter impacto no aumento dos níveis de stress e cansaço. Ou seja, este exagero vai prejudicar as horas de estudos.

4. Faça uma lista daquilo que é relevante

“Mas, afinal, o que devo fazer para estudar corretamente e não prejudicar a minha aprendizagem?”. Se está a colocar esta questão, então está na altura de criar uma lista de atividades relevantes à sua área de formação. O segredo para não descuidar dos seus objetivos é aprender a priorizar. Pense naquilo que deseja desenvolver no futuro e crie uma lista de atividades que possam enriquecer este processo.

Fica aqui um lembrete: quantidade não é sinónimo de qualidade, por isso, dedique-se aos estudos e atividades mais relevantes e que possam, de facto, contribuir para que aprofunde conhecimentos – sem, no entanto, ignorar as outras áreas da sua vida.

5. Adote novas atividades

Gosta de música, desporto ou cinema? Que tal estabelecer momentos para viver estes pequenos prazeres? Estabeleça momentos na sua rotina para apreciar os seus hobbies e automaticamente vai ver que vai conseguir equilibrar os estudos e a vida pessoal.

Marque a ida aquele concerto, vá à procura de novos filmes para ver, dedique tempo a aprender ou a praticar uma atividade de lazer que lhe desperte o interesse. Lembre-se de que para encontrar o equilíbrio saudável nos estudos e obter melhores resultados académicos, o seu cérebro precisa de “respirar outros ares” e conhecer novas realidades para ser melhor estimulado.

6. Respeite a sua agenda

Não basta criar a agenda, tem de respeitar os horários definidos. Se não há um filme ou concerto, está chuva para ir ao estádio ver o futebol ou não se sente bem para ir à aula de dança, descubra outros prazeres – como cozinhar, por exemplo. De qualquer forma, pode sempre aproveitar o tempo livre para descansar ou estar com amigos.

7. Não quer ter novas atividades? Obrigue-se

Se está a resistir e não encontra atividades de lazer ou diversão que queira incluir na sua rotina, estabeleça a mesma disciplina que dedica aos estudos. Escolha duas atividades e diga para si mesmo: “Hoje só tenho estas duas opções. Por qual vou optar?”. Com o tempo, o cérebro vai assumir que as novas propostas já fazem parte do seu dia a dia. Bastam três meses para este órgão poderoso assimilar os novos hábitos. Seja firme e lembre-se que está a oferecer a si mesmo exatamente aquilo que necessita naquele momento.

Agora que já sabe que estudar demais pode ser prejudicial para o seu desempenho académico, e sabe que boa parte do segredo do sucesso está no equilíbrio entre estudos, vida social, atividade física e horas de sono, já encontrou as ferramentas necessárias para criar melhores hábitos. Não se esqueça: uma rotina de estudos bem organizada é o principal passo a dar para aumentar exponencialmente as probabilidades de alcançar os objetivos que tem em mente.

Veja também: